Algumas pessoas foram a sessão ordinária da Câmara Municipal desta segunda-feira (04), por conta da presença do advogado Dr. Wilson Salles. Há alguns dias, o profissional tem postado vários vídeos nas redes sociais criticando a Secretaria Municipal de Transportes e Obras que geraram diversos comentários.

Antes, os vereadores cumpriram seguiram a reunião normalmente. No Pequeno Expediente, Érik dos Reis Roberto (PSDB), disse que fica sem entender em quem acreditar, no caso da divulgação dos casos de Dengue em Três Pontas. É que o tema foi destaque na imprensa local e regional e o prefeito Dr. Luiz Roberto foi a público, parabenizando a Secretaria de Obras pela limpeza dos terrenos que contribuiu pela cidade não ter registrado nenhum caso da doença, sendo que os veículos de comunicação noticiaram dados completamente diferentes. “Eu queria até acreditar no prefeito, mas diante de tantas propostas que foram feitas e que não foram e não serão cumpridas, fica difícil”, disse o vereador tucano. Ele classifica como vergonhoso e vexatório o que o prefeito passou, mas não sabe dizer se foi falta de informação ou ignorância pura, que é de não querer saber.

Roberto Donizetti Cardoso (PP), também comentou as declarações dadas pelo gestor sobre a limpeza dos terrenos. Robertinho postou em sua página na rede social, que ao contrário do que divulgou pelo prefeito, moradores dos bairros Vila Romana, Parque Veredas I e II e Azarias Campos reclamam da sujeira em terrenos baldios. Na opinião dele, Luiz Roberto não conhece a cidade e arrancou risos do público quando ironizou – “o prefeito não está neste mundo. Ele não sabe nada e tudo que fala acaba virando piada”.

Já Sérgio Eugênio Silva do PPS, fez questão de fazer a leitura de um ofício encaminhado pelo Poder Executivo aos vereadores. Assinado pelo Chefe do Executivo Dr. Luiz Roberto, ele solicita a devolução de verba e dotação orçamentária no valor de R$250 mil, de forma antecipada, para cumprir parcialmente o Termo de Ajustamento de Conduta firmado junto ao Ministério Público, garantindo assim, o pagamento do 13º salário dos servidores, lotados no Pronto Atendimento Municipal (PAM) pertinente a gestão compartilhada. A justificativa é a crise econômica que atravessa o Hospital São Francisco de Assis, cuja devolução de tal numerário será repassado à instituição.

Em seguida, ele comentou que entende a necessidade, que é corriqueira, mas em primeiro ano de Administração é vergonhoso, classificou Serjão. Lembrou que a atual gestão, herdou R$2,5 milhões em caixa e o aumento de gastos na folha de pagamento foi por causa da grande quantidade de contratados e não por conta da implantação do Plano de Cargos e Salários. Ele terminou dizendo que as praças que estão reformando podem até estarem ficando bonitas, mas isto é gasto.

Geraldo José Prado (PSD) “Coelho”, comentou sobre a reportagem feita pela Equipe Positiva da fila na Policlínica na semana passada, em busca de consulta com ortopedista. Ele esclareceu que passou pelo local por coincidência, ao sair da sessão da Câmara e que a missão do vereador é cobrar do Executivo as melhorias que foram prometidas, independente de quem seja o prefeito. Ele nega que alguém tenha pago as pessoas para dormirem na fila. Coelho revelou que foi ao gabinete no dia seguinte e que o prefeito foi muito mal educado com ele, quando queria apenas que o problema fosse resolvido.

O secretário da Mesa Maycon Douglas Vitor Machado (PDT), parabenizou a Associação Trespontana dos Deficientes pelo evento realizado no fim de semana no Parque Multi Uso da Mina do Padre Victor. Maycon lamentou e pediu que as pessoas apóiem e participem mais, inclusive o poder público.

Três projetos votados e aprovados

A pauta tinha apenas dois projetos simples para votação. O líder do prefeito na Câmara, Antônio Carlos de Lima (PSD), pediu que o Plenário incluísse mais três projetos na Ordem do Dia, mas apenas um deles recebeu aval dos parlamentares. Entre eles está a autorização para que a empresa Thega Indústria e Comércio dê como garantia em um financiamento, o imóvel que recebeu do Município nos Quatis, desde que o investimento seja feito na cidade. O projeto foi protocolado na Casa dia 28 de novembro. Apesar dos vereadores conhecerem as intenções da empresa, a proposta de lei ainda não passou pelas Comissõese ao que tudo indica deve ser votada na próxima semana.

O único que entrou em votação, foi a abertura de Crédito Especial no Orçamento de 2017, para que a Secretaria de Transportes e Obras possa aplicar o valor de até R$10.765,75 que tem a receber de multas que foram aplicadas na manutenção das vias. O vereador Coelho disse que não poderia votar, porque pediu informações e documentos que não foram enviados pelo Executivo. Ele quer saber a quantidade de multas, quais infrações foram aplicadas, as formas que elas ocorreram, entre outros dados que o vereador aguarda, por isto, teria pedido vistas. Coelho ainda condenou a pressa em aprovar a lei para agradar prefeito e secretário. O presidente da Câmara Luis Carlos da Silva (PPS), disse que este dinheiro não se refere às multas aplicadas pelos agentes de trânsito e sim do Estado, provavelmente pela Polícia Militar.

Mesmo assim, Sérgio Silva declarou publicamente seu apoio a Coelho e votou contrário. Mas não foi suficiente e o projeto foi aprovado pela maioria.

Foram aprovados ainda pelos parlamentares, abertura de crédito adicional especial no valor de R$281.209,00 de superávit financeiro e mais R$91.108,10 de abertura de crédito suplementar, para garantir o pagamento da folha de pagamento do mês de dezembro e metade do 13º salário, dos servidores da Secretaria Municipal de Assistência Social.

No Grande Expediente, apenas o vereador Coelho, usou da palavra e falou sobre o cenário da política trespontana, da briga entre dois grupos políticos e da alternância no poder apenas entre eles. Na visão dele, é preciso pensar na terceira via, deixar de ter sempre um fazendeiro ou um médico e com as mesmas pessoas nas equipes. Talvez assim, uma terceira via, um político livre, possa resolver problemas crônicos da cidade.

15 minutos de Wilson Sales na Tribuna

O advogado Dr. Wilson Salles ocupou a Tribuna Livre da Câmara. Como determina a legislação que a criou, o inscrito tem 15 minutos para se manifestar e não pode fugir do assunto que foi proposto.

O foco do advogado, foi criticar o secretário de Transportes e Obras José Gileno Marinho, mas sobrou para o Chefe do Divisão de Trânsito e Transportes Danilo Alves e também para o prefeito Luiz Roberto.

Na opinião de Wilson Salles, Gileno descumpre e fere todas as leis da Constituição Federal e de outras esferas, ao ocupar o cargo de secretário de um setor crucial da Administração, com a postura que adota. Ele não faz e não atende a todos, apenas seus amigos ou quem tem vontade de atender, acompanhado por Danilo Alves. O prefeito sabe e não toma providência nenhuma.

Ao ir até a Secretaria para reclamar sobre a retirada da placa do hotel que fica na Rua Frei Caneca, o secretário teria dito que a Câmara precisaria criar uma norma. O que estranha é que de outros hotéis as placas não foram retiradas. Depois, disse que liberaria o estacionamento, mas a cada 15 minutos, a Guarda Civil Municipal (GCM) passaria por lá e multaria os motoristas estacionados.

Gileno Marinho também teria dito durante a conversa, que não possui cronograma, planejamento ou planilha de custos do trânsito. Por isto, jurou que o secretário administra como se estivesse tomando conta do quintal de sua casa, mas que precisa saber que está em uma repartição publica que merece respeito. Quando ainda estava na sede da secretaria, a GCM ficou a sua volta tentando intimidá-lo. Isto, segundo ele, é uso indevido da instituição.

Em conversa com o prefeito Luiz Roberto, o gestor teria falado que a Avenida Oswaldo Cruz é uma área de lazer, principalmente da terceira idade. Para facilitar o acesso das pessoas aos estabelecimentos e igualar o direito de outros bares e restaurantes instalados na via, liberaria a faixa amarela para estacionamento a partir das 18 horas. O prefeito teria prometido que resolveria o problema, mas, teria sido impedido pelo secretário. “Ele não tem autoridade sobre o Gileno, declarou”.

Quando seu tempo na Tribuna caminhava para o fim, Dr. Wilson Salles aumentou o tom de críticas e disse “Ele [Gileno] não está preparado para ser secretário da principal secretaria da cidade, porque está agindo por sua conta. Nos vídeos que postei tive 18 mil acessos e todos estão reclamando. A secretaria não pode estar nas mãos de um analfabeto de direito público e privado e está contando com apoio do prefeito, que está endossando as desordens na cidade. Ele é um monstro, que coleciona inimizades e antipatias e não sabe onde está seu nariz”, declarou o advogado.

Segundo ele, o Ministério Público, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) já foram acionados para verificarem a denúncia feita por ele. E caso dizerem que ele está mentindo, Wilson Salles diz que tem todas as conversas gravadas em áudio.

Da Redação: A Equipe Positiva se dispõe a ouvir todas as pessoas citadas pelo advogado na Tribuna da Câmara.

COMPARTILHAR

Comentários