Durante a celebração de Ação de Graças realizada na noite de terça-feira (03), por conta da aprovação do milagre atribuído a Padre Victor, pela Comissão de Cardeais e Bispos do Vaticano, o pároco da Paróquia Nossa Senhora D’Ajuda padre Ednaldo Barbosa, afirmava que certamente o Decreto seria assinado pelo Papa Francisco no fim do mês, nas comemorações de São Pedro e São Paulo. Mas alertou que isto poderia acontecer a qualquer momento. E foi justamente isto que aconteceu. Nesta sexta-feira (05), quatro dias após, o Papa assinou o documento que reconhece e dá o título de Beato ao Venerável Padre Victor, de Três Pontas. Ele é o segundo beato do Sul de Minas. O primeiro foi Nhá Chica que morreu em Baependi e recebeu o título em maio de 2013.

A notícia foi divulgada no fim da manhã deste sábado (06), e de novo, deixou devotos surpresos e emocionados. Um número maior ainda de fiéis permaneceram ao redor do túmulo, onde estão os restos mortais do sacerdote, candidato a Santo.

“A gente jamais esperava esta assinatura esta semana”, reforçou padre Ednaldo em entrevista no Memorial Padre Victor.

Nesta sexta-feira (05), o bispo da Diocese da Campanha Dom Diamantino Prata de Carvalho esteve na Cidade e se reuniu com a Comissão que ele mesmo constituiu para preparar o ato da beatificação. Tanto é que era esperado o mês de julho para um encontro com detalhes mais apurados e com tarefas distribuídas.

Na manhã deste sábado, enquanto celebrava o casamento na Matriz de Márcio e Ludmila, o comunicado chegou e os sinos demoraram um pouco a tocar, justamente por causa da celebração. Foi novamente o postulador padre Paolo Lombardo que ligou de Roma. Bastou o casal receber as bênçãos que os sinos e o Hino de Padre Victor, voltaram a serem ouvidos pela Cidade.

Agora, todos os trabalhos serão agilizados, já que a data para a cerimônia por parte da Diocese e da Paróquia está mantida para o dia 21 de novembro, provavelmente no Aeroporto Municipal, local capaz de abrigar a multidão que deve aportar em Três Pontas e a estrutura que requer segurança, conforto, telões para transmissão simultânea e palcos para acolher os religiosos. A data só muda se o cardeal que representará o Papa, o delegado papal, não concordar. É somente após o ritual que Padre Victor pode ser intitulado Beato.

Tratar de uma beatificação, contando com a presença de um chefe de Estado do Vaticano, toda uma estrutura precisa ser montada em parceria com o Governo do Estado de Minas Gerais. Padre Ednaldo reconhece que é preciso uma junção de esforços.

Dom Diamantino também já se encontrou com o prefeito Paulo Luis Rabello (PPS), juntamente com padre Mateus Arantes e representantes da Associação Padre Victor. Eles devem fazer uma reunião nos próximos dias com o deputado federal licenciado e secretário de Governo, Odair Cunha (PT) e o deputado estadual licenciado, secretário de Turismo Mário Henrique Silva para cuidar entre outros assuntos, da estrutura e logística que requer atenção especial. Mesmo estando pré definido o Aeroporto, depende ainda de liberação dos órgãos competentes que serão contatados como a Polícia Militar e propriamente o Corpo de Bombeiros de Minas Gerais para ver se há a viabilidade de liberação da pista já que muitas autoridades virão de avião e será preciso transferir pousos e decolagens para Varginha.

Dom Diamantino estava em viagem pela região e passou em Três Pontas por conta do acontecimento
Dom Diamantino estava em viagem pela região e passou em Três Pontas por conta do acontecimento

A imagem oficial de Padre Victor que foi desenvolvida em São João Del Rey, já está pronta para aprovação na próxima semana. Dom Diamantino irá analisar juntamente com a Comissão e uma vez aprovada, certamente os devotos poderão conhecer a imagem oficial da beatificação. O lugar onde ela ficará será analisado pela Comissão de Artes Sacras da Diocese. Já a imagem que ficará junto aos restos mortais, após a beatificação, virá de Roma e estará ao lado esquerdo do altar, onde atualmente é a Capela do Mártir São Sebastião. As imagens que lá estão, serão reposicionados nos dois altares laterais. O túmulo sairá de onde está e será substituído por uma Capela de Nossa Senhora Aparecida. Todo o projeto destas mudanças já está pronto e as obras de modificações começarão a ser feitas imediatamente.

É obvio que o movimento irá crescer consideravelmente, principalmente neste ano em que no dia 23 de setembro, data do aniversário de sua morte, quando a beatificação já estará marcada e convites já estarão distribuídos. “A população de Três Pontas já é devota de natureza, participa e vive com intensidade a sua fé e a devoção a Padre Victor”, disse o sacerdote.

Padre Ednaldo não acredita que Três Pontas ficará como Aparecida (SP) e acrescentou que a cidade não mudará só por conta da beatificação, mas o comércio pode começar a se preparar e a voltar um olhar mais específico para o turismo religioso, de acolhimento aos romeiros. Dentro do próprio Governo do Estado, existe uma orientação específica para estes casos, que traz renda para o Município, mas tudo demanda muita organização.

Dom Diamantino estava passando pela região e fez questão de vir a Três Pontas. Com uma agenda cheia com celebrações da Crisma nas paróquias da Diocese, ele irá presidir uma missa solene em Ação de Graças neste domingo, as 19:00 horas na Matriz d’Ajuda.

Ele também não esperava receber tão rápido a aprovação entre outros Decretos o que deu este título a Padre Victor, da graça extraordinária alcançada por intermédio do Venerável Padre Francisco de Padre Victor.

Dom Diamantino se sente privilegiado e abençoado por Deus de conduzir a Diocese que conta com Nhá Chica já beatificada, Padre Victor que conseguiu agora este marco no processo e a Serva de Deus Nossa Mãe.

O trabalho já estava acontecendo, mas, agora os preparativos estão sendo acelerados por conta dos acontecimentos que foram rápidos. As reuniões das Comissões não deverão ficar presas somente em Três Pontas e pode caso necessário.

“Já temos a Comissão constituída, o apoio do prefeito Paulo Luis, estamos mobilizando as pessoas e já estamos entrando em contato com o Governo do Estado para nos dar apoio, na logística, segurança, enfim no evento da beatificação”, afirmou Diamantino.

A Comissão para a Beatificação está assim formada – Dom Diamantino (Presidente), Padre Ednaldo Barbosa (Coordenador Geral), Padre Guilherme da Costa Vilela Gouvêa (Liturgia), Padre Luzair Coelho de Abreu (Espiritualidade), Associação Padre Victor (Comunicação), Padre Mateus Arantes da Silva (Infraestrutura e Logística), Paróquias de Três Pontas (Acolhida e Hospedagem).

Para ser canonizado e adquira a condição de Santo, é necessário que a Igreja Católica certifique a existência de um segundo milagre, que deverá ocorrer após ser proclamado beato.

Praça Cônego Victor quando a notícia ganhou a Cidade

Biografia

Padre Francisco de Paula Victor nasceu em Campanha, no sul de Minas, em 12 de abril de 1827, durante o período da escravidão negra. Ao entrar para o Seminário, sofreu muito pelos preconceitos dos seus colegas, que o humilhavam e o maltratavam com serviços braçais. Aos poucos, Victor foi conquistando a todos pela sua conduta íntegra e grande humildade. Durante o seu ministério catequizou e instruiu o povo, edificando a Escola Sagrada Família para crianças e jovens.

Ministério sacerdotal

Ordenado em 14 de junho de 1851, Pe. Victor foi vigário paroquial, em Campanha, por 14 meses. Enviado como pároco para Três Pontas, ali permaneceu por 53 anos, até a sua morte, aos 23 de setembro de 1905.

Falecimento

A notícia abalou a cidade e toda a região, que já o venerava. Seu corpo, que ficou exposto durante três dias, exalava agradável perfume. Devido ao grande número de pessoas que compareceram ao sepultamento, foi feita uma procissão pelas ruas da cidade, voltando novamente à Matriz – por ele construída -, onde foi enterrado.

Virtudes

A sua caridade para com o próximo o tornou popular. Sua fama de sacerdote virtuoso espalhou-se para além do território da paróquia. Em um país que muito tem lutado para superar os preconceitos raciais, a Causa de Beatificação do Padre Victor enche de coragem a todos os que procuram ter uma vida justa e reta. Um santo negro, como o nosso Pe. Victor, orienta-nos para Deus, que não faz acepção de pessoas, mas a todos acolhe com ternura e compaixão.

Causa de Beatificação

O processo de Beatificação teve início em 13 de julho de 1993 e complementado em agosto de 1998. A Congregação das Causas dos Santos o aceitou em 2002. Bento XVI reconheceu a prática das suas virtudes heroicas, aos 12 de maio de 2011. Hoje, o Papa Francisco autoriza a promulgar o Decreto concernente ao milagre atribuído a este Servo de Deus, um milagre reconhecido pela cura inexplicável de um morador da cidade. A cura foi reconhecida por uma junta médica do Vaticano e por uma comissão de teólogos.

COMPARTILHAR

Comentários