Uma tarde de inauguração na Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais nesta quarta-feira (20). Com um sol forte, as árvores no pátio serviram para abrigar aos alunos, familiares, voluntários, membros da diretoria, colaboradores e parceiros na obra de revitalização do novo espaço recreativo da instituição que hoje encontra-se totalmente revitalizado, com mais comodidade para o lazer dos apaeanos. A frustração foi a ausência das autoridades do Poderes Executivo e Legislativo que foram convidados. Apenas estiveram na solenidade, o coordenador de Esportes da Secretaria Municipal de Esportes Lucio Flávio Pirai e o Chefe da Guarda Municipal Sargento Naves. Nem mesmos os vereadores compareceram.

Pisando na nova quadra que ganhou novas cores e estava toda esburacada, a cerimônia de inauguração foi simples e rápido. A instituição aproveitou para prestar contas, mostrar os trabalhos e alguns dos muitos projetos desenvolvidos pela APAE. Além de contar com uma academia ao ar livre, no espaço esportivo que será utilizada também para o tratamento terapêutico, os acessos e toda a acessibilidade foi remodelada, houve a cobertura do espaço de jogos. A redução do espaço recreativo de muitas escolas é motivo de grande preocupação por parte de educadores que veem nas atividades lúdicas um caminho de força para a formação psicossocial do aluno no processo do ensino aprendizagem.

Portanto, a revitalização e ampliação do espaço recreativo para proporcionar aos alunos o desenvolvimento psicomotor dentro do processo de ensino aprendizagem, visa uma contribuição de formação da identidade através do lúdico, por entender que é de vital relevância na infância o despertar na escola através da vivência nesse espaço recreativo, incluindo as habilidades que são acordadas quando as crianças brincam.

Para a APAE este foi mais um marco na oportunidade de oferecer ainda mais qualidade de ensino para seus alunos. Tanto que a placa descerrada leva o nome das pessoas e empresas que contribuíram financeiramente com as obras – Cemig e AI6%, o Conselho Municipal da Criança e do Adolescente, AM Construtora e representantes da comunidade.

“Todos devem usar o espaço com zelo e responsabilidade para que ele sirva durante muitos anos no processo de aprendizagem dos alunos”, avisou o autodefensor Carlos Leandro da Silva.

Em nome das fisioterapeutas da APAE Patrícia Campos Mendonça destacou que o público vem envelhecendo cada dia mais, com o aumento da expectativa de vida. Essa longevidade do deficiente intelectual e múltiplo está relacionada às medidas preventivas. Assim é fundamental desenvolver habilidade que permitam sua inclusão social, além de tratamentos para melhoria na qualidade de vida, promovendo saúde, autonomia e auto estima. Foi pensando nisso que o projeto Bem Estar Físico e Social – Academia ao Ar Livre, foi criado para favorece uma reabilitação e habilitação a pessoa com deficiência intelectual e múltipla através de divertimento e prazer. “Nosso objetivo com esse trabalho é proporcionar aos jovens, adolescentes e adultos uma vida saudável através de atividades de esporte de interação e descontração oportunizando maior socialização, estimulando a realização pessoal. A academia nos traz exatamente isso, pois ela favorece o desenvolvimento psicomotor proporcionando um ganho de força de alongamentos com uma valorização do emocional de cada indivíduo”, afirmou Patrícia Campos.

A diretora da APAE de Três Pontas e Conselheira Regional Sul II das APAE’s, Maria Rozilda Gama Reis informou que a obra foi orçada em R$40.788,54. Houve uma doação de R$12 mil da AM Construtora. A cobertura do espaço de jogos custaria R$5.800 ao lado da Brinquedoteca, mas foi reduzido os custos pela metade. A pintura ficou em R$2.584,00 e a mão de obra da pintura da quadra ficou em R$400, totalizando assim os R$40.788,54, já informado. Com o desconto da doação caiu para R$28.784,54. O valor repassado pela Cemig através do Conselho Municipal da Criança e do Adolescente foi de R$24.058,56. A contrapartida da APAE ficou em R$4.725,98 para conclusão de toda a obra. Além das obras foram adquiridos jogos, cama elástica e a academia.

Na quadra novinha, a Banda da Apae se apresentou sob a regência do músico Oswaldo Duarte Neto e houve uma breve apresentação dos integrantes do projeto “Handball para a Vida”, com a coordenação de Camila, Sidney e Moisés. O que chamou a atenção é que os professores utilizam também as cadeiras para mostrar a capacidade de cada um. Todos que estão neste projeto, são pessoas que ficaram deficientes físicos, a maioria vítimas de acidentes.

A APAE de Três Pontas atende a 403 alunos de 0 a 65 anos e oferece atendimentos clínico, escolar, profissional e social. (Denis Pereira – A Voz da Notícia)

DSC03754-001

COMPARTILHAR

Comentários