O primeiro dia útil após a Festa do Beato Padre Victor, comemorado no sábado, dia 23 de setembro é de contabilizar tudo e fazer um balanço da comemoração que recebeu milhares de devotos, vindos de todas as partes do Brasil. Gente que alcançou graças por intermédio do sacerdote e veio agradecer, outros que vieram para pedir e outros para rezar e renovar a fé e devoção. A Associação Padre Victor confeccionou 70 mil livretos da novena e enviou gratuitamente para todas as paróquias da Diocese da Campanha e para todos os devotos cadastrados no Brasil e no exterior.

Uma das primeiras iniciativas tomadas passada a festa, é com as sobras das doações feitas pela população trespontana para o café dos romeiros, servido na Praça e nos quatro pontos de apoio. As doações aumentam a cada ano, o que possibilita que a tradição de receber os devotos com um café, servido na Praça Cônego Victor e pontos de apoio nas estradas e rodovias, se mantenha. Como o movimento foi maior este ano, a sobra foi menor do que nos anos anteriores, mesmo assim, tudo será doado beneficiando entidades e instituições. A Vila Vicentina, Carmelo São José, Apae, Hospital São Francisco de Assis e a Secretaria Municipal de Assistência Social serão contemplados com pó de café, açúcar, margarina e manteiga.

Os alimentos que foram doados durante a novena, de 14 a 22 de setembro, vão ajudar as famílias carentes que são cadastradas na Paróquia Nossa Senhora D’Ajuda.

Presença maciça de romeiros

“Padre Victor faleceu a 112 anos e até hoje se faz presente no coração do povo, que já o tem como Santo”, diz a Associação Padre Victor. A entidade registrou através das equipes de voluntários as cidades das pessoas que passaram por Três Pontas. As visitas começaram desde o início da novena, dia 14 e no dia 23 de setembro mais cerca de 60 mil pessoas comemoraram o Dia de Padre Victor, de acordo com a Polícia Militar. Nem todos registram romarias, mas as romarias vieram de perto e muita gente veio de longe. De Minas Gerais, as cidades de: Santana da Vargem, Coqueiral, Boa Esperança, Campos Gerais, Varginha, Paraguaçu, Monsenhor Paulo, Passa Tempo, Campanha, Santa Rita do Sapucaí, Elói Mendes, Santo Antônio do Amparo, Andradas, Poço Fundo, Cambuquira, Machado, Conceição Aparecida, Alpinópolis, Cabo Verde, Caxambu, Nova Resede, Monte Belo Governador Valadares, Betim, Carmo do Rio Claro, São Thomé das Letras, Estiva, Guapé, Cristais, Campo Belo, Pedralva, Alfenas, Guaxupé, Alterosa, Candeias, Itumirim, Itutinga, Turvolância, Barão de Cocais, Pedralva, Japaraíba, Maria da Fé, Bom Sucesso, Carvalhos, Poços de Caldas, Pouso Alegre, Passos, Cruzília, Cambui, Ribeirão Vermelho, Lavras, Ijaci, Heliodora, Muzambinho, São João Del Rey, Virgínia, Maria da Fé.  Do estado de São Paulo vieram devotos de: Franca, Diadema, Osasco, Patrocínio Paulista, Jacareí e Aparecida e também de Brasília no Distrito Federal.

Voluntários são fundamentais para a festa acontecer

A Associação Padre Victor consegue arrebanhar todos os anos centenas de voluntários. Inclusive este ano, alguns vieram de cidades vizinhas como Campos Gerais, Boa Esperança e Alfenas. E é preciso muito esforço para escalar todos para trabalharem. Cada um ajuda duas horas no setor que se dispõe, no bazar, na distribuição do café, registros de missas, graças e romarias, pontos de apoio, fila do túmulo, banheiros e portões. O apoio começa na novena e só termina na festa. Ao todo este ano foram 800 pessoas ajudando. “A Associação Padre Victor apenas organiza, mas a festa é feita pelos próprios devotos. O gratificante é saber que estamos alcançando o nosso objetivo que é de evangelizar divulgando as virtudes do Beato Padre Victor, graças ao esforço de todos que abraçam esta causa”, conta membros da Associação. Eles destacam o apoio que recebem do bispo Dom Pedro Cunha e das equipes sacerdotais das três paróquias. Este ano foram 47 seminaristas que trabalharam na liturgia e fizeram trabalho pastoral.

COMPARTILHAR

Comentários