Rodovia ganha mais cinco novos radares no Sul de Minas (Foto: Reprodução EPTV)

Mais cinco radares foram instalados na BR-491, entre os municípios de Eloi Mendes e Alterosa. O objetivo é reduzir o número de acidentes no trecho. Só neste ano, segundo a Polícia Rodoviária Estadual, foram registrados 135 acidentes entre as cidades. Os novos radares ainda não estão funcionando, mas só a presença deles já inibe os motoristas.

Segundo a polícia, os radares foram instalados em pontos estratégicos, onde o índice de acidente é alto. Um dos equipamentos foi instalado no trecho da BR-267, entre bandeira do Sul e Campestre. Já na BR-491, os equipamentos estão entre Elói Mendes (MG) e Paraguaçu (MG) e também no trevo de acesso ao município de Fama, local, que de acordo com a polícia, é um dos mais perigosos do Sul de Minas.

Em 2012, cinco pessoas morreram no local em um grave acidente que envolveu dois veículos. Segundo o boletim de ocorrência, um dos motoristas teria entrado no trevo quando foi atingido por outro carro que seguia sentido Paraguaçu. Para a polícia, a maioria dos acidentes é causado por excesso de velocidade.

Fernão Dias
Na Rodovia Fernão Dias, uma das mais movimentadas da região, os radares estão em teste desde fevereiro. Eles ainda não multam, mas inibem bastante o excesso de velocidade. Segundo a Concessionária Autopista Fernão Dias, desde o início da operação de testes dos radares, no dia 28 de fevereiro, foram registradas aproximadamente 850 mil ocorrências de excesso de velocidade ao longo da rodovia. Somente no mês passado, foram registradas mais de 74 mil ocorrências.

Sete dos 19 radares instalados na Fernão Dias ficam no trecho do Sul de Minas. A maior parte das infrações por excesso de velocidade é registrada pelos radares nos trechos de Estiva e Carmo da cachoeira. Além desses pontos, também há radares em Santo Antonio do Amparo, Cambuí e Camanducaia. A velocidade permitida na rodovia varia de 40 quilômetros por hora nos trechos de pedágios até o máximo de 110 quilômetros por hora. Além dos radares fixos, a Polícia Rodoviária Federal também utiliza radares móveis, com alcance de até 1 quilômetro, com um binóculo e uma pistola fotográfica.

Por enquanto não há previsão de quando os radares fixos começam a multar. O funcionamento deles, segundo a PRF, depende de um acordo entre a corporação e a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). Esse acordo ainda não tem nada para ser assinado em Brasília (DF). A fiscalização será feita pela Polícia Rodoviária Federal.

As multas por excesso de velocidade variam de R$ 85,13 com perda de quatro pontos na carteira, até R$ 574,72, com perda de sete pontos na CNH. Dependendo da infração, o motorista ainda tem suspenso o direito de dirigir e tem a carteira de habilitação apreendida.

Fonte G1 Sul de Minas

COMPARTILHAR

Comentários