O clima ficou ruim durante a sessão ordinária desta segunda-feira (07), entre dois vereadores da base. Os parlamentares Luiz Flávio Floriano “Flavão” (PSL) e Geraldo José Prado “Coelho” (PSD), falaram um diretamente ao outro e só não bateram boca porque estavam no Pequeno Expediente.

Na semana passada, Flavão agradeceu alguns serviços feitos pela Secretaria Municipal de Transportes e Obras, que inclusive estava pedindo a mais de um ano. Coelho que é crítico ferrenho da pasta, falou que não foi feito mais do que a obrigação. Nesta semana, Flavão rebateu o colega e disse que esta é a forma dele fazer política e precisa ser respeitado. “Cobro para fazerem, mas quando sou atendido também agradeço”, disse o vereador.

Sérgio Eugênio Silva (PPS) concordou com Flavão e ressaltou que a opinião de cada um precisa ser respeitada. Ele ainda comemorou o trabalho do deputado estadual Mário Henrique “Caixa” (PV), liberando recursos em prol da saúde e da cultura. Na saúde, é a liberação de R$420 mil para o Hospital São Francisco de Assis. Já na cultura, são dois recursos que vieram no mandato anterior, sendo R$400 mil para a revitalização completa do Centro Cultural Milton Nascimento e mais R$300 mil para a substituição das cadeiras. Ele e Érik dos Reis Roberto (PSDB) vão enviar um ofício ao deputado trespontano em agradecimento.

Roberto Donizetti Cardoso “Robertinho” (Progressista) diz que ficou triste com o abandono dos bairros Santa Marta e Cidade Jardim. São terrenos sujos com mato alto, quadra abandonada; a Rua Sérgio Miranda Ferreira cheia de buracos e o “Corredor da Formiga”, está com sujeira para todo lado. Outro assunto que é tratado corriqueiramente por Robertinho, é a questão das placas de inauguração. O registro com os nomes de quem construiu as obras por toda a cidade foram retirados daquelas que foram revitalizadas recentemente. Depois de pedir tanto, Robertinho vai fazer um Requerimento para ser aprovado pela Câmara. “As pessoas que fazem e constroem são aqueles que merecem ter seus nomes marcados”, defendeu.

Já a vereadora Marlene Rosa Lima Oliveira (PDT) falou da limpeza na Praça D’Aparecida, acrescentando que agora os parafusos que estavam fixados no chão, por causa da retirada de aparelhos de academia foram retirados. Ela destacou como positivo, a limpeza ao redor do Aeroporto Municipal, do bairro Santana e a manutenção da estrada da comunidade do Congonhal.

Dinheiro para o Hospital

A Câmara recebeu o pedido de votação em caráter de urgência, do projeto que destina R$420 mil que foram repassados da Secretaria de Estado da Saúde de Minas Gerais, para reforço do custeio das ações e serviços de saúde dos estabelecimentos de saúde. O recurso é fruto do trabalho parlamentar do deputado estadual Mário “Caixa”, que veio via Prefeitura para o Hospital São Francisco de Assis de Três Pontas. Para fazer a transferência à Santa Casa é preciso aprovação legislativa. Sérgio e Coelho parabenizaram e agradeceram ao parlamentar. Sérgio defendeu que se faça publicidade do ato através da Assessoria de Imprensa.

Antônio Carlos de Lima (PSD) parabenizou o deputado Caixa e disse que ouviu do prefeito Luiz Roberto que a Administração está aberta para receber emendas e verbas de qualquer parlamentar. “São muitos que pedem votos e poucos que devolvem isto em trabalho”, registrou Antônio do Lázaro. O projeto foi aprovado por unanimidade.

Falando em saúde, liderados pelo vereador Érik dos Reis, os colegas Coelho, Flavão, Marlene, Sérgio, Robertinho, Professor Popó e Maycon Machado fizeram o projeto que altera a Lei de Subvenções deste ano, promovendo o acréscimo à Santa Casa de Misericórdia a quantia de R$120 mil. Isto em razão do cancelamento das comemorações do Carnaval de 2018. A justificativa na época foi que o Hospital precisava de ajuda financeira, mas até agora, o dinheiro continua na pasta da Cultura. O projeto que foi aprovado por todos os parlamentares, segue para sanção do Prefeito e autorizou  suplementação e consequentemente o repasse do valor à instituição.

Prefeitura vai fazer seu próprio festival

A Prefeitura de Três Pontas vai fazer o seu próprio festival. A proposta foi apresentada pela Secretaria Municipal de Cultura, Lazer e Turismo, à Câmara Municipal de realizar o Festival Canto Aberto, entre os dias 9 e 11 de agosto e pedindo autorização para investir R$80 mil.

Coelho ressaltou que foi prometida muita festa para a população e é preciso cumprir e fazer bem feito. Robertinho lamentou Três Pontas ter perdido a etapa do Festival Nacional da Canção (Fenac) para Coqueiral. “Prometeram que iriam resgatar o Carnaval e todas as outras festas, mas não fizeram nada até agora”, criticou. Já o vereador Érik mencionou a publicidade que a cidade ganhava com o Fenac, que é um festival nacional. Fazendo este agora, terá que se investir em divulgação, que anteriormente era feita inclusa nos R$50 mil repassados à organização. Destacando entre as vantagens do Fenac, o tucano revelou a quantidade de músicos que eram contratados por outros artistas e pelo próprio festival.  Sérgio acredita que este Festival pode suprir um pouco do vazio deixado pelo Fenac. Marlene informou que o Festival Canto Aberto foi criado pelo saudoso ex secretário de Cultura Haroldo Figueiredo Júnior e reativá-lo será importante. A vereadora só espera que o evento agrade ao público, seja bem divulgado e não seja uma “furada”, já que ele sairá mais caro que o Fenac. O projeto foi aprovado.

R$500 mil para férias prêmios

Dois projetos foram inseridos na pauta a pedido do vereador Antônio do Lázaro. Robertinho reclamou que uma das propostas não passou pelas Comissões Técnicas. Mesmo assim, foi inserido e os dois foram aprovados. Destinando R$200 mil e R$300 mil para o pagamento de férias prêmios dos servidores municipais. Érik demonstrou preocupação quando a retirar dinheiro da reserva de contingência nesta época do ano e condenou falta de planejamento. É que a poucos dias, um projeto retirou R$450 mil da Secretaria de Administração e Recursos Humanos para a Secretaria de Transportes e Obras. E agora a pasta precisa de dinheiro para honrar compromissos com funcionários que estão se aposentando. Os projetos foram referendados pelo Plenário, com o voto contrário de Robertinho, que não quis aprovar o item que não passou pelas Comissões.

Na semana que vem, a reunião começa mais cedo, as 18:00 horas, por causa da sessão solene em homenagem ao Dia das Mães, que será em seguida.

COMPARTILHAR

Comentários