Juninho e equipe médica em Miami: em março deste ano, sulmineiro retirou bolsa de colostomia (Foto: Reprodução/Junto com Juninho)

Após um ano do transplante que salvou sua vida, Antônio Gleiber Cassiano Júnior, o Juninho, de 17 anos, morador de Campos Gerais, anunciou que deve retornar ao Brasil até o início de agosto. Sofrendo de uma doença rara, a “Síndrome do Intestino Ultracurto”, o jovem perdeu 95% do intestino e durante quase um ano lutou por um transplante oferecido nos Estados Unidos.

Na página mantida por amigos em uma rede social, “Junto com Juninho”, ele aparece em um vídeo e agradece o apoio das pessoas que acompanham sua história. A postagem foi feita na noite de sábado (9).

“Queria informar a vocês que, agora, no final de julho, comecinho de agosto, eu vou voltar para o Brasil. Tentar ter uma vida normal novamente. Não vai ser igual, mas Deus escreveu assim e assim tem que ser. Agora falta pouco”, disse. “Graças a Deus, tudo correndo certo. Queria agradecer a vocês por terem orado por mim. Não importa a religião, o nosso Deus é único para todos nós”, agradeceu.  Clique aqui e veja o Video  ‪#‎Juninho

Visita especial
No vídeo, Juninho diz que se sentiu mais forte para fazer a gravação depois que uma pomba branca apareceu no apartamento onde ele está com a família. Religioso, o sul-mineiro entendeu a “visita” como um bom presságio. A pomba pode ser vista na gravação.

“Às 16h, recebi a visita de uma pombinha e ela ficou até agora, às 21h. Pelo que eu tô vendo, ela vai permanecer aqui. Eu recebi essa pombinha como uma mensagem de Deus e Jesus Cristo para mim, porque uma pombinha significa paz e prosperidade. Isso me deixou feliz, aumentou minha fé e me deu força para a batalha”, afirmou.

Luta começou em 2014
Juninho tinha 14 anos de idade em outubro de 2014 quando os médicos do Hospital Pequeno Príncipe, em Curitiba (PR), onde fazia tratamento, concluíram que apenas um transplante de intestino salvaria sua vida. No entanto, descobriu-se que o único lugar em que esse tipo de procedimento já foi feita com sucesso ficava em Miami e que era preciso levantar, inicialmente, pelo menos R$ 900 mil para a viagem e os exames.

Em março de 2015, uma festa mobilizou por três dias cerca de 15 mil pessoas na cidade natal do jovem, Campos Gerais, com o objetivo de arrecadar recursos. Paralelamente às campanhas, que incluíram a criação da página Junto com Juninho, a família entrou na Justiça para buscar apoio do Ministério da Saúde, já que, em um recálculo das despesas, os gastos foram estimados em mais de R$ 3 milhões.

Em abril do mesmo ano, a Justiça entendeu que o Ministério da Saúde deveria arcar com os custos dos transplantes. Em junho, o sul-mineiro viajou para Miami e foi internado no Jackson Memorial Hospital. O transplante que permitiu a reconstrução dos intestinos grosso e delgado foi feito no dia 12 de julho e a alta foi dada em agosto.

Na época, a expectativa era que Juninho pudesse retornar ao Brasil em um prazo de um ano, o que se confirma com o recente anúncio em sua página. Desde a cirurgia, ele tem passado por pequenas intervenções médicas e recebido acompanhamento especializado. Em 24 de março deste ano, o garoto passou por uma cirurgia para a retirada da colostomia, uma bolsa externa ao corpo e que ajudava na eliminação de fezes.

Comemoração do anivesário de 17 anos em 3 de março: Juninho recebe carinho dos internautas (Foto: Reprodução/Junto com Juninho)
Comemoração do anivesário de 17 anos em 3 de março: Juninho recebe carinho dos internautas
(Foto: Reprodução/Junto com Juninho)

Esperança renovada
Em 3 de março, ele comemorou seu aniversário de 17 anos e postou um vídeo falando das saudades que sente da família que deixou no Brasil. No vídeo publicado neste sábado, o sul-mineiro relatou que, para manter o tratamento de recuperação, toma 38 comprimidos por dia, de 14 remédios diferentes.

“Tenho ficado muito nervoso. Saudade de casa. Às vezes bate um nervoso que não sei como explicar”, contou o garoto.

Segundo Juninho, sua volta ao país ainda depende de acertos da equipe médica liderada em Miami por Rodrigo Viana, diretor de transplantes do Jackson Memorial Hospital, com o serviço de saúde no Brasil. Mesmo liberado do hospital, Juninho deverá manter um acompanhamento médico regular.

Juninho com os pais, em agosto de 2015, na saída de hopistal onde fez transplante (Foto: Reprodução/Junto com Juninho)
Juninho com os pais, em agosto de 2015, na saída de hopistal onde fez transplante
(Foto: Reprodução/Junto com Juninho)

Fonte: G1 Sul de Minas

Comentários