Uma passeata realizada pelo centro de Três Pontas na manhã desta segunda-feira (18), lembrou o Dia Nacional da Luta Antimanicomial. As comemorações realizadas em todo o Brasil, busca fortalecer a ideia de inclusão social das pessoas com transtornos mentais, sem a necessidade de privar a liberdade do paciente.

Coordenado pelo Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), a saída foi da Praça Cônego Victor e a caminhada seguiu até a Prefeitura, onde eles foram cumprimentados pelo prefeito Paulo Luis Rabello (PPS). Eles retornaram a Praça da Matriz, sem perder o ritmo e animação feita pela Banda da Apae, que se juntou ao movimento, engrossando a marcha que pede condições mais dignas para pacientes psiquiátricos.

unnamed

O CAPS de Três Pontas já trabalha com essa liberdade entre os pacientes. Hoje o Centro possui cerca de 10 mil prontuários e 25 pacientes intensivos que são atendidos voluntariamente. A equipe é composta de neurologista, enfermeiro, técnicos em enfermagem, cinco psicólogos, assistente social, terapeuta educacional, técnico em educação, psiquiatras, auxiliar de segurança, serviços gerais e auxiliar administrativo.

O Movimento da Luta Antimanicomial se caracteriza pela luta pelos direitos das pessoas com sofrimento mental. Dentro desta luta está o combate à ideia de que se deve isolar a pessoa com sofrimento mental em nome de pretensos tratamentos, ideia baseada apenas nos preconceitos que cercam a doença mental. O Movimento nos faz lembrar que, como todo cidadão, estas pessoas têm o direito fundamental à liberdade, o direito a viver em sociedade, além do direto a receber cuidado e tratamento sem abrir mão de seu lugar de cidadãos.

02

(Com informações da Assessoria de Imprensa da PMTP)

COMPARTILHAR

Comentários