Pessoas que trabalham por um ideal, que se dedicam a uma causa voluntária, sempre terão o apoio da Administração enquanto eu for prefeito, disse Paulo Luis Rabello (PPS) durante reunião com membros da direção da Casa de Recuperação para Dependentes Químicos Pietá. A Casa que auxilia na recuperação de dependentes químicos de álcool e drogas, está funcionando a quase seis anos no Vale do Sol, onde antigamente funcionava o Zoológico Municipal. O problema é que há um Decreto de Tombamento Histórico e Ambiental do local e de acordo com a Promotoria de Justiça, o funcionamento da Casa lá, acaba ferindo as questões ambientais.

Ela atende atualmente 9 acolhidos, que eles costumam chamar de filhos da Casa Pietá e sobrevive graças a ajuda da população. Não recebe subvenção e agora enfrenta o problema de ter que deixar o Vale do Sol a qualquer momento. Por isto, a reunião entre o prefeito Paulo Luis Rabello (PPS), e os membros voluntários da direção Gilmar Mendonça Mesquita e Marcelo de Paula Lopes, serviu para tentar colocar fim na demanda que começou na Administração anterior. Por causa da ação que está sendo movida na Justiça, eles precisam desocupar e o imóvel e tentam junto com o poder público  encontrar um novo local para que o atendimento, que o prefeito diz ser fundamental, continue sendo feito. A conversa no gabinete do Prefeito na manhã desta quinta-feira (28), foi bastante amistosa. Paulo Luis apresentou algumas alternativas e uma delas é que o município pretende ceder uma área para a Pietá, para que ela possa participar de uma licitação. Uma área que pertence a Prefeitura localizada próximo ao Frigorifico (Matadouro), na saída para Campos Gerais, será colocado a disposição para que alguma instituição, como a Pietá, construa alguma estrutura que acolha as pessoas que necessitam de tratamento. Pode ser até que a estrutura que foi construída fazer o abate de animais que está desativada possa ser administrada pela Pietá e o Frigorífico Municipal volte a funcionar, gerando receita à entidade. A contrapartida, é que a entidade estará ajudando socialmente, a Cidade e, principalmente às famílias que sofrem junto com os dependentes. “Estas pessoas além do acolhimento espiritual e médico necessitam de uma profissionalização e talvez este seja o caminho”, opinou.

Gilmar e Marcelo aprovaram a sugestão dada pelo Chefe do Executivo e vão colocar no papel o que eles pretendem, para em seguida os procedimentos para dar legalidade ao ato seja encaminhado à Câmara Municipal para análise dos vereadores. Eles acharam a proposta viável, vão precisar lutar mais uma vez, mas entendem que será algo definitivo para resolver o problema. A área do Vale do Sol é perfeita para os trabalhos, porém, estas pendências prejudicam e fazem os voluntários gastarem tempo, ao invés de cuidarem dos acolhidos.

Marcelo e Gilmar da Pietá se reuniram com o prefeito Paulo Luis que apresentou apoio a instituição
Marcelo e Gilmar da Pietá se reuniram com o prefeito Paulo Luis que apresentou apoio a instituição

A Casa Pietá sobrevive da ajuda da Comunidade, que reconhece o trabalho feito com os dependentes, com doações de alimentos, roupas e dinheiro. Alguns estabelecimentos comerciais fazem doações do que sobra, e estão em condições de serem consumidos, como verduras, frutas, legumes e pães. Quem também tira do bolso para ajudar são os próprios voluntários, que dedicam horas de seus dias para estender a mão. Algumas pessoas contribuem mensalmente através de um carnê com doações voluntárias. Não é nada que dê um volume bom de dinheiro, ou uma renda fixa, mas é fundamental para custear as despesas que são altas. A Casa Pietá mantém um funcionário que é registrado, e é preciso fazer ações para custear o salário e as despesas trabalhistas. Atualmente está sendo feito uma Ação Entre Amigos, em benefício da Casa Pietá, sorteando uma Smart TV 40 polegadas. Cada bilhete custa R$10. O sorteio será dia 20 de fevereiro, pela Loteria Federal.

Sobre o pagamento de subvenção, o prefeito disse que a Pietá não recebe como nunca recebeu no passado. Atualmente são poucas que recebem, por conta da falta de documentação que precisa ser regularizada ou por causa da situação financeira que o Município enfrenta. “Dentro do possível nós vamos ajudar, como auxiliamos a Vila Vicentina e a Santa Casa de Misericórdia. Precisamos inserir a Pietá”, acrescentou. Segundo Marcelo Lopes, em uma Audiência Pública foi feito um pedido aos vereadores de uma subvenção no valor de R$15 mil ao ano e a indicação foi repassada ao Poder Executivo, que dentro das possibilidades financeiras, que entende não ser fácil espera ser atendido.

COMPARTILHAR

Comentários