Foram 1.173 atendimentos pediátricos em apenas 11 dias de funcionamento

O Centro de Pediatria Dr. Glimaldo Paiva, inaugurado no mês passado no bairro Jardim Paraíso em Três Pontas, ainda está sendo estruturado, mas em 15 dias de funcionamento, vem garantindo um atendimento mais especializado às crianças de 0 a 12 anos. O empreendimento foi inaugurado em 23 de junho, uma sexta-feira e começou a atender na segunda.  Até a última terça-feira (11), já haviam sido feitos 1.173 atendimentos. Fazendo as contas, são apenas 11 dias de portas abertas e uma média de 106 crianças atendidas diariamente.

O prédio idealizado pelo ex-prefeito Dr. Glimaldo Paiva começou a ser construído pela ex-prefeita Luciana Ferreira Mendonça que assumiu a Prefeitura com a morte prematura do médico, foi concluído pelo último prefeito Paulo Luis Rabello e colocado a funcionar pelo atual Chefe do Executivo Dr. Luiz Roberto Laurindo Dias.

De acordo com o coordenador de Saúde da Secretaria Municipal de Saúde Dr. Antônio Carlos Cassiano, as mães reclamavam que tinham que agendar as consultas as vezes para dali a dias. “Com o Centro Pediátrico estamos conseguindo garantir atendimento às crianças as vezes com um pouco de demora, mas sem precisar agendar”, disse Dr. Cassiano. Sem sair de lá, são feitas as hidratações e medicações de forma endovenosa, intramuscular e sintomática.

O espaço é amplo e arejado. São salas enormes de triagem, medicação, observação, fraldário, consultórios e posto de enfermagem garantindo conforto para funcionários e crianças.

Crianças podem no Centro de Pediatria ficar em observação e sendo medicadas

A localização do prédio não é central e por isto está sendo estudado colocar um ônibus que passe mais próximo do Centro, localizado na Rua Vereadora Ignez Chaves Figueiredo Paiva 199. Porém de segunda a sexta-feira de 7:00 da manhã as 19 horas, não é preciso mais acordar de madrugada, pegar filas para tentar uma vaga com um pediatra nos postos de saúde, se misturar aos pacientes adultos no Pronto Atendimento Municipal (PAM), ou enfrentar a MG 167 até a cidade de Varginha para buscar socorro na UPA e esperar lá até 5 horas.

A enfermeira Alice Correa Brito explica às mães que no Centro não se faz puericultura e o objetivo é amparar crianças que estejam doentes, mas o PAM ainda está sendo utilizado para os casos de urgências e emergências. Todos precisam apresentar o Cartão do SUS da criança, que passa pelo Protocolo de Manchester, separados por classificação e casos mais graves são prioritários, a exemplo do Pronto Atendimento. Como em alguns dias da semana, ainda não se conseguiu ter dois profissionais, por questão de Orçamento, pode acontecer de ser feito agendamento àquelas crianças que podem esperar o dia seguinte.

Casos como traumas, cortes, contusões, suspeitas de fraturas ainda devem ser encaminhados diretamente ao PAM, assim como no período noturno.

A orientação é que as pessoas não deixem para chegar em cima da hora do fechamento da unidade, evitando tumulto já que os médicos saem de lá e seguem para plantões em outras localidades. Ainda mais quando for necessário realizar exames de sangue e Raio X de urgência.

Centro Pediátrico funciona de segunda a sexta-feira de 7:00 da manhã as 19 horas e já atendeu mais de 1,1 mil crianças

O Centro Pediátrico conta com seis pediatras experientes, conhecidos da população por já terem trabalhado nos postos de saúde.

A Secretaria Municipal de Saúde enfrenta dificuldades em manter diariamente pediatras para atender em todos os postos da cidade. Além disso, Dr. Cassiano revelou que a classe é discriminada e os consultórios sempre ficam no final do corredor. Os motivos são óbvios. As pessoas reclamam que as crianças fazem barulho, correm pelo prédio e atrapalham os outros pacientes. “No Centro de Pediatria, todos ficam a vontade porque estão em um espaço feito somente para elas”, justificou o coordenador de saúde.

Haverá pediatra nos postos uma vez por semana para atender os casos de puericultura e pedidos de medicação, alimentação, leites e encaminhamentos.

Nesta quarta-feira (12), havia muita gente esperando para ser atendida. É que nestes primeiros dias o número de pacientes cresceu por causa das viroses comuns desta época do ano e os resfriados provocados pelo frio que está mais intenso e acabam sacrificando a saúde dos pequenos.

Trabalhando há quase 30 anos no Pronto Socorro de Três Pontas, Dr. Cassiano não esconde que já atendeu muitas crianças, mas que elas precisam de cuidados mais específicos de um pediatra. Além disso, separar as crianças dos adultos que vão ao PAM diminuiu a fila de espera também por lá.

A enfermeira Alice Correa, o médico Dr. José Feres Neto (um dos seis pediatras que está atendendo no Centro) e o coordenador de Saúde Dr. Cassiano
COMPARTILHAR

Comentários