*A partir da próxima segunda-feira (17), reuniões ordinárias serão realizadas a partir das 18 horas 

Denis Pereira – A Voz da Notícia

Jornal da equipe positiva

Com uma boa presença de pessoas presentes na sessão ordinária desta segunda-feira (10), o presidente da Câmara vereador Sérgio Eugênio Silva (PPS), precisou quase suplicar a presença dos colegas, para dar número suficiente no quórum para iniciar a reunião. Com isto, foram 15 minutos de espera e depois de iniciada, ninguém prestava a atenção, nem o público, muito menos os vereadores, parecia que nem havia começado. Faltaram esta semana os vereadores, Geraldo Messias, Vitor Bárbara e Chico Botrel que se encontram em Brasília em viagem oficial, buscando recursos, justificou o presidente do Legislativo.

A pauta de votação estava vazia, mas atendendo ao pedido do vereador Paulo Vitor da Silva (PP), foi votado o projeto de lei 026 de 11 de fevereiro de 2014 que altera disposições da Lei Municipal nº 1.288, de 13 de abril de 1988 que “Dispõe sobre o Uso e a Ocupação do Solo Urbano de Três Pontas”. A proposta do Executivo nada mais é possibilitar a aplicação de forma alternativa, independente da zona urbana em que se situar o imóvel, os índices e exigências da Zona Comercial Central (ZCC) em especial nas Ruas Barão da Boa Esperança, Nossa Senhora D’Ajuda, Dr. Carvalho de Mendonça e José Caxambu. Também houve alteração na altura máxima nas divisas que será de 8,50 centímetros.

Vereadores destacaram que esta sempre foi uma preocupação do ex-vereador Gilmar Vilela (2001-2004) e o parabenizou que mesmo fora da política tem ajudado o Município. O projeto foi aprovado por unanimidade dos presentes.

A próxima reunião da Câmara já estará sendo realizada em novo horário, a partir das 18 horas, por causa do projeto votado na última semana da vereadora Alessandra Sudério.

DSC00236-001

Pequeno e Grande Expediente 

O vereador Paulo Vitor da Silva agradeceu a Equipe Positiva pela oportunidade da entrevista concedida no dia de seu aniversário. Nela, segundo o vereador, foi feito um apanhado geral da Administração e de sua atuação parlamentar. Ele disse que as pessoas devem ouvi-la e deixar seus comentários de críticas, sugestões, mas que tem tentado ajudar para que as coisas aconteçam.

O vereador Antônio Carlos de Lima (PSD), fez de novo duras acusações contra o prefeito Paulo Luis a quem chamou de perseguidor. Ele o chamou de ditador, canalha e arrogante. A indignação é por causa da Secretaria de Educação ter transferido desde o dia 20 de fevereiro, a esposa dele, Maria Aparecida Rosa Lima do PETI Rural que funciona na Escola Agrícola para o PETI Urbano. O comunicado foi feito através de ofício encaminhado a funcionária explicando a necessidade dos seus serviços na cidade. Ela é serviçal e segundo o vereador, trabalha a 14 anos na Prefeitura é concursada e nunca assinou advertência, por qualquer motivo. “Ele não é homem, porque persegue a minha esposa para me atingir. Ela não está de favor para ninguém. Seja homem e cobre do vereador, sou eu quem está falando”, esbravejou na Tribuna. Sempre se lembrando da sua eterna e querida amiga, a ex-prefeita Luciana Mendonça, ele destacou que no Distrito do Quilombo Nossa Senhora do Rosário, Paulo Luis recebeu como herança a ampliação dos postos de saúde do Distrito assim como no Pontalete.

Paulinho também saiu em defesa da esposa do colega e quer saber por que ela foi transferida, já que deve haver pessoas da cidade indo para a Escola Agrícola para a mesma função. Depois, lamentou que a sua esposa Ângela Silva que no fim do mandato de Luciana ocupou a Secretaria de Educação tenha passado por situação difícil, quando o gestor visitou o local, junto com a Comissão de Transição e questionou sobre o café servido na Secretaria. “Chegou o momento de bar um basta nestas coisas. Não sei porque uma pessoa toma certas atitudes. Foi uma coisa mesquinha e infeliz”, afirmou Paulinho.

COMPARTILHAR

Comentários