Nem a crise econômica é capaz de acabar com o simbolismo do Natal. Apesar da renda mais curta, este ano alguns fatores levam a crer que haverá um Natal mais promissor para o comércio. A expectativa é da Associação Comercial e Agroindustrial de Três Pontas. E o presidente Michel Renan Simão Castro, apontou alguns pontos fundamentais que faz esta probabilidade ser confirmada.

O número de pessoas negativadas, é de 10% a 12% menor, do que no mesmo período do ano passado. São consumidores que ganharam poder de compra e um importante incremento nas vendas. Se considerarmos que no país existe 12 milhões de pessoas ativas economicamente, 12% delas conseguiram regularizar seu débitos e passarão o ano  com o CPF ativo.

Outro fator que o chama a atenção nos últimos dois anos, é que houve decréscimo nas vendas, ou seja, mesmo na data mais importante do ano, o comércio sofreu queda. Em 2017, fontes já sinalizam crescimento que pode variar entre 4%, para os menos otimistas até 8%, para aqueles que acreditam que alguns fatores nos últimos dias irão motivar um maior volume de vendas.

Uma notícia importante divulgada esta semana pelo secretário municipal de Fazenda Roberto Barros de Andrade, é que a segunda parcela do 13º salário de todos os servidores públicos municipais e o salário de dezembro, calculados em cerca de R$5 milhões serão pagos nos próximos dias. Roberto informou que o restante do 13º será quitado na próxima sexta-feira dia 15. Já a folha de pagamento será quitada até o dia 29 de dezembro. O dinheiro é importante para o comércio, adianta Michel que considera um valor significativo. Além disso, as maiores empresas empregadoras, tem tentado antecipar o pagamento do 13º salário e também os salários já podem ser investidos nas compras natalinas. Um fator que a ACAI sempre acompanha é que algumas empresas com um número maior de colaboradores, começam a pagar o 13º salário desde setembro, dividindo em quatro parcelas. Nos dois últimos anos, isto não ocorreu, mas em 2017, voltou a acontecer.

Na avaliação Michel Renan, as vendas devem chegar acima dos 5%, o que já é  bastante confortável, já que no ano passado houve uma redução de 5%. “Então se imaginarmos que há um orçamento e que você consegue esta porcentagem a mais, com numa economia como esta de índices de deflação, é algo bastante significativo”, considera o presidente da ACAI, que acredita em um Natal mais promissor.

Outro ponto que traz atenção são as pesquisas de como as pessoas devem utilizar este dinheiro para as compras de fim de ano. Haverá um crescimento de clientes que utilizarão o incremento de receitas, como o 13º salário, para pagar dívidas e para poupar. Tem mais pessoas pensando em quitar suas dívidas e poupar, mostrando que as pessoas estão mais maduras, conscientes, e mais preocupadas em não cair novamente em tentação e ter problemas consequentemente. Segundo a Acai-TP, isto não acontecia desde 2012. O crescimento deste perfil de consumidores é significativo, algo em torno de 30% das pessoas consultadas em pesquisa diziam que iriam usar este recurso para poupar. “A montanha russa da economia do país, que a cada instante sinaliza um cenário, torna os consumidores mais conscientes”.

Estudo da Serasa Experian aponta o tíquete médio de compra para as festas natalinas que também anima os comerciantes. Nos últimos dois anos a média era de R$50 a R$60 de compras que na verdade eram as famosas lembrançinhas aos amigos. Para 2017, o número é bem maior com aumento de 20%, acreditando que os presentinhos chegarão em torno de R$80. Já os gastos com presentes, para familiares e pessoas mais próximas, saiu de R$130 para R$ 160.

A partir do último sábado (09), o comércio começa a funcionar em horário especial. Quem desejar pode estender o expediente até as 17 horas, cumprindo as determinações que foram acordadas com o Sindicato dos Comerciários. A Associação Comercial divulgou um calendário até o dia 1º de janeiro, com os dias de horário estendido. Ter mais tempo para comprar ajuda a aumentar as vendas, já que praticamente 30% da vendas estão concentradas nas festas natalinas.

”Quando existe o horário estendido, existe a possibilidade maior das pessoas estarem às compras”, avalia. Porém Michel Renan está convicto a cada dia mais, que as pessoas se adaptaram ao horário de sábado e entende que o horário das 13 horas, hoje é o ideal e, somente nas datas comemorativas e importantes, é que ele concorda em estender o horário estendido.

No balanço geral sobre o comércio em 2017, Michel Renan vê que o setor sofreu muito este ano, com  períodos de ascendência e depois queda nas vendas, cheio de altos e baixos. A expectativa é de que 2018 seja mais confortável, com números mais equilibrados, evitando os altos e baixos, que os empresários sofram menos e consigam se planejar melhor.

Setor de perfumaria e produtos de beleza em alta

Os setores que mais devem lucrar com o crescimento nas vendas deste Natal é o de vestuário e de calçados, que já são bastante tradicionais. Outro que há alguns anos que não vem tendo perdas,  que é algo a ser acompanhado, são os de  perfumaria e produtos de beleza. Enquanto outros registraram quedas, nos últimos anos, ele não está em ascenção, com um tíquete médio menor, mas que se mantém.

O brasileiro dá grande importância à beleza, e a vaidade deixou de ser perfil apenas feminino, mas os homens também tem procurado melhorar a aparência, comprando mais produtos de beleza no Natal e mais pessoas estão preferindo presentear familiares e amigos.

Há muitos anos as vendas no setor de perfumaria, cosméticos e produtos de beleza está em ascensão e a expectativa é de crescimento nas vendas entre 15% e 20%. De acordo com Mariângela Mesquita Carvalho Brito (foto), proprietária de uma loja do ramo há mais de 40 anos, nos últimos quatros anos, os produtos se tornaram essenciais ainda mais com os lançamentos que chegam às prateleiras todos os anos. Muito mais que isto, kits de maquiagens, manicure e pedicure, higiene pessoal, como –  desodorantes, colônias, shampoos, condicionador, sabonetes e hidratantes – se tornaram grandes opções de presentes. “Tem presentes de todos valores, de acordo com o desejo e a condição financeira de cada cliente. Temos produtos mais caros de marcas famosas, mas também os populares que custam mais baratos e que todo mundo pode comprar e ficar bem servido”, justifica Mariângela Mesquita.

Por outro lado, a venda de cosméticos aumenta tanto às clientes e para os salões de beleza, que ficam lotados nesta época do ano, porque ninguém quer curtir o Natal e as festas de fim de ano, sem dar um trato especial nos cabelos. Os arranjos como tiaras, passadores e prendedores de cabelos e brilhos, fazem a cabeça da mulherada.

Um item obrigatório no figurino são as bijuterias, que tem grande saída. Os acessórios como colares, brincos e pulseiras e tudo que é modinha, se transformam indispensáveis para as comemorações de fim de ano e agradam também como presentes.

As novidades de 2017 são as maquiagens e a infinidade de esmaltes, pois além das mãos, as mulheres cuidam dos pés, já que as festas coincidem com o início do verão, quando elas usam mais calçados abertos.

O empresário Sebastião de Fátima Cardoso também está confiante nas vendas de Natal. Ele possui uma loja bastante completa com mesa, banho, decoração, confecções, calçados e brinquedos, mas o setor que mais vende é a moda masculina e feminina.

Segundo o comerciante, o ano todo as pessoas reclamam, mas isto é bastante relativo. Há muitos comerciantes que não investem e não acreditam. Mas com a tendência da queda da taxa de juros, a perspectiva é boa. E se tratando de dezembro, o clima é diferente. O espírito natalino transforma a cidade, a cidade, as lojas, as residências todas enfeitadas e até o funcionário demonstra mais carinho com os clientes que atende. “As lojas que estão preparadas para o Natal, vão vender. Em outubro e novembro há realmente uma insegurança, mas chega o último mês do ano e todo mundo se anima”, retrata.

Tiãozinho justificou porque as compras de Natal são maiores, diferente das outras datas comemorativas, como o Dia das Mães, a segunda melhor para o comércio. No Natal as pessoas presenteiam várias pessoas, como pai, mãe, marido, esposa, filhos, sobrinhos, afilhados, entre outros. No mínimo se ganha um presente e retribui pelo menos um. E se pensar no número de habitantes de Três Pontas, é pelo menos 50 mil vendas a mais. E todo mundo quer passar as vendas de Natal e Ano Novo com uma roupa nova, um novo calçado. Assim, se procura várias opções como a venda a prazo, um crediário mais alongado. “Os comerciantes podem se preparar para trabalhar e vender bastante”.

COMPARTILHAR

Comentários