Os universitários trocaram as salas de aulas da Faculdade Três Pontas nesta segunda-feira (13), por uma caminhada em solidariedade a Escola Estadual Deputado Teodósio Bandeira, que foi incendiada por quatro menores de idade que tem entre 15 e 17 anos no dia 1º de junho. Alunos, professores, colaboradores da Fateps e do Colégio Travessia, além de membros da 55ª Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil foram às ruas contra a violência e em favor da educação. A própria faculdade criou um movimento chamado de “Mãos Dadas”, que promoveu a Caminhada pela Paz. Alguns populares, diretores e professores da Escola Teodósio Bandeira, se juntaram aos manifestantes, percorreram as ruas do Centro e antes de chegar ao Estadual, fizeram uma parada na Câmara Municipal, onde os vereadores participavam de mais uma sessão ordinária.

Foto 2No momento que eles chegaram, durante o Grande Expediente, a reunião foi interrompida para a explanação do Presidente da Fundação de Ensino e Pesquisa do Sul de Minas (Fepesmig) – mantenedora do Grupo Unis, a qual a Faculdade de Três Pontas pertence, Professor Stefano Barra Gazola. Ele foi chamado à Tribuna pelo presidente Luis Carlos da Silva, onde foi ouvido pelo Plenário Presidente Tancredo Neves, que ficou lotado.

Stefano chamou o diretor da Escola Teodósio Bandeira Bruno Miari Prósperi para ficar junto dele. Falou rapidamente, começando pelas suposições que foram feitas e explicou a decisão que o Grupo Unis tomou em prol da educação. Ela foi amparada pelos pais que estão com seus filhos estudando no Colégio Travessia, de compartilhar os espaços. O reitor anunciou então, que além de oferecer toda a estrutura para abrigar os 600 alunos do turno vespertino, o Grupo está disponibilizando as suas áreas, inclusive a engenharia para ajudar a reerguer o prédio. Na opinião dele, cada um precisa assumir responsabilidades, que não podem se limitar aos discursos e vontade, é preciso sair da zona de conforto, abraçar a causa e não deixar apenas por conta das autoridades. “Nós abraçamos esta causa e vamos continuar juntos para fazer de lá cada vez mais uma escola de referência”, adiantou.

O presidente do Grupo Unis chamou o diretor do Estadual Bruno Miari para ficar ao seu lado na Tribuna
O presidente do Grupo Unis chamou o diretor do Estadual Bruno Miari para ficar ao seu lado na Tribuna

Stefano disse que estava na Câmara para prestar contas formais aos vereadores do apoio da Fundação de Ensino e Pesquisa do Sul de Minas  e lembrar que a cessão da área que foi feita, em lei, não lhes dão o direito de alugar, ceder e ou emprestar o imóvel, mas que isto seria feito em prol da educação, por um bem maior. O reitor fez então o comunicado de que a cessão é em caráter emergencial para atender aos estudantes do turno da tarde e que certamente haverá a compreensão. “A gente não vê o porque de não cedermos à uma escola com tamanha história e patrimônio”, disse.

De manhã, por causa de alguns projetos que a faculdade precisa manter por determinação do Ministério da Educação (MEC), é que a turma da manhã também não pode atendida.

Stefano explicou que lei de cessão proíbe o Unis de ceder ou emprestar o prédio, mas que toda a sua estrutura será disponibilizada para que a escola volte a funcionar
Stefano explicou que lei de cessão proíbe o Unis de ceder ou emprestar o prédio, mas que toda a sua estrutura será disponibilizada para que a escola volte a funcionar

Esta é uma parcela da retribuição que Três Pontas está recebendo por ter acolhido de forma tão carinhosa o Unis, que na época que aportou no Município passava por um momento difícil. “Hoje é fácil receber o Unis, mas nem sempre foi assim”, revelou. Em agosto de 2015, quando recebeu uma Moção de Aplausos da Câmara, Stefano disse que Três Pontas poderia contar com o Grupo Unis. Ele terminou agradecendo aos pais de alunos do Colégio Travessia, com quem disse ter tido uma aula de cidadania e se colocou mais uma vez a disposição.

O próprio reitor chamou o diretor Bruno Miari ao microfone, que só agradeceu a população trespontana e a Fateps pelo carinho que foram recebidos que ele nem imaginava existir nos dias de hoje.

A caminhada continuou até a Travessa São Luiz em frente a Escola Estadual Deputado Teodósio Bandeira, onde eles promoveram um ato simbólico, demonstrando que a educação é uma só, independente se municipal, estadual ou particular.

Alunos do Estadual são recebidos

A chegada dos alunos para o primeiro dia de aluna no prédio da faculdade na tarde desta segunda-feira. Foto: Divulgação Fateps
A chegada dos alunos para o primeiro dia de aluna no prédio da faculdade na tarde desta segunda-feira. Foto: Divulgação Fateps

Os alunos do Colégio Travessia confeccionaram cartazes que foram afixados no prédio da faculdade para receber os alunos da Escola Teodósio Bandeira nesta segunda-feira (13). São 600 alunos que vão usar as salas de aulas até que a reforma seja feita, ou o prédio tenha condições de receber todos os turnos.

Os estudantes do turno matutino vão permanecer estudando na Escola, mesmo que o sistema elétrico ainda não esteja funcionando. O turno noturno, já voltou às aulas na segunda-feira da semana passada, na Escola Estadual Jacy Junqueira Gazola.Foto 10

O diretor Bruno Miari e o reitor Stefano Gazzola
O diretor Bruno Miari e o reitor Stefano Gazzola
COMPARTILHAR

Comentários