O assunto mais comentado no fim de semana, foi a assinatura do Papa Francisco autorizando a beatificação do Venerável Padre Francisco de Paula Victor, que aconteceu na sexta-feira (05). Depois, vem a realização das provas do Concurso Público da Prefeitura neste domingo (07), para 255 vagas. Estes foram os temas abordados pelos vereadores na sessão desta segunda-feira (08), na Tribuna da Câmara, durante o Pequeno Expediente.

Paulo Vitor da Silva (PP), falou primeiro da boa notícia do Anjo Tutelar Padre Victor que é um marco na história de Três Pontas e sua vida serve de exemplo, para que as pessoas possam seguir seu modelo de vida. Depois, denunciou com tristeza o fato de uma pessoa contratada pela empresa Polis Auditoria para ser fiscal no Concurso Público, ser excluída por divergências políticas. Uma ligação feita da Secretaria de Educação teria dispensado o serviço do cidadão, cuja identidade não foi revelada. E já que a Tribuna é um “muro de lamentações”, Paulinho falou que não quer ir a fundo com o caso, mas se coloca a disposição de quem quer seja de abrir uma sindicância para apurar o caso, pois prova tudo o que disse. Segundo Paulinho é inadmissível que a Prefeitura intervenha diretamente na promoção do Concurso, mas acredita que isto seja pequeno diante do que está por vir, adiantou.

Alessandra Vitar Sudério Penha (PPS), parabenizou o Poder Executivo por mais uma promessa que está no Plano de Governo sendo cumprida e desejou que os candidatos se sintam felizes em disputar as vagas.

O vice presidente Geraldo Messias Cabral (PDT), falou da enorme alegria quando a beatificação de Padre Victor, está previamente marcada. O avanço na beatificação, é um marco histórico e motivo de orgulho para os trespontanos que vão ver o quanto o turismo é importante para a economia. Outro ponto positivo para o vereador, foi quanto ao Concurso que no geral transcorreu de forma tranquila. O que Geraldinho lamentou, foi sobre o furto registrado pela Polícia Militar no PSF do bairro Padre Victor nesta segunda-feira (08). O crime acabou deixando os moradores sem atendimento e a assistência que é prestada pela unidade de saúde.

Já Chico Botrel lembrou que há um ano e sete meses, uma Audiência Pública da Assembleia Legislativa de Minas Gerais foi realizada em Três Pontas, para discutir o combate e uso de crack, contando inclusive com a presença de deputados estaduais, promotores e autoridades e que o Conselho Municipal Anti Drogas sairia do papel. Porém, nada disso aconteceu, por isso ele solicitou ofício ao Executivo para saber o porque de tanta demora.

O vereador José Henrique Portugal (PMDB), primeiro parabenizou, depois criticou o Governo Municipal. As felicitações vieram por ocasião da realização do Concurso Público, que é a forma de se ingressar na carreira pública e também de gerar emprego. Mas depois, Portugal alfinetou sobre os salários pagos aos servidores, que segundo ele são de miséria e afirmou que tem funcionário passando fome. “Entra ano, sai ano e a política salarial é a mesma coisa”, apontou.

Encerrou as explanações do Pequeno Expediente o líder do prefeito na Câmara Sérgio Silva (PPS). Ele falou sobre os questionamentos que recebeu da ex-prefeita Luciana Mendonça sobre o seu ingresso na Prefeitura e o Concurso Público. Aliás, desabafou que os indignados que sempre usam as redes sociais são os ex-políticos, contratados ou cargos de confiança que mamavam na Prefeitura e agora perderam a ‘boca’.

COMPARTILHAR

Comentários