Os vereadores agilizaram a reunião ordinária desta segunda-feira (13), e o horário foi até antecipado meia hora antes, por causa da sessão solene em homenagem ao Dia Internacional da Mulher. Por conta disso, o Grande Expediente foi extinguido e os assuntos abordados por alguns dos vereadores não tiveram polêmica.

Érik dos Reis Roberto (PSDB), contou que esta semana um grupo de pais e professores o procuraram, para saber sobre o material didático, que foi uma das grandes conquistas de quando ele estava a frente da Secretaria Municipal de Educação (SME). Na opinião dele, o que foi feito de bom seria preciso dar continuidade, porém, até agora, ainda não se sabe se o investimento de aproximadamente R$500 mil será feito. Se não, onde este recurso próprio da Prefeitura será investido, questiona Érik dos Reis. Como ouviu dizer quando estava na Secretaria, o reconhecimento vem depois e é agora, que segundo o ex secretário está recebendo os gestos de gratidão pela coragem de enfrentar e resolver os problemas, um deles foi a questão dos escorpiões que viviam na Escola Solange Mendonça Reis.

A vereadora Marlene Lima (PDT), parabenizou a Cocatrel, pela entrega do prêmio dos Melhores Cafés e pela volta da exportação do grão.

Três dos quatro projetos aprovados

O primeiro projeto na pauta de votações, foi a autorização para o Poder Executivo Municipal a adquirir um imóvel urbano localizado no bairro Catumbi, onde ficam as Ruas João Furtado de Mendonça, Lourenço Antônio Siqueira e Mariquinha Rossi Vilela, com área de 1.551,00m². O projeto foi aprovado por unanimidade, mas o vereador Sérgio Eugênio Silva (PPS), lembrou que esta foi uma das obras eleitoreiras feitas as vésperas do pleito de 2012, com dinheiro desviado da obra do Distrito do Pontalete, como havia dito no final do mandato passado.

Para Érik, o projeto é necessário para consertar o erro da Administração da ex-prefeita Luciana Mendonça e reafirmou que a obra foi feita sem planejamento com fins eleitoreiros.

Os vereadores também aprovaram uma mudança na lei do Programa Municipal de Reaproveitamento de Entulhos e Sobras de Materiais de Construção. O programa passa a ser de responsabilidade da Secretaria Municipal de Meio Ambiente com apoio das secretarias de Assistência Social e Transportes e Obras. O ponto crucial é que as sobras de materiais de construção recebidas, serão utilizadas em reformas e construção de moradias para famílias comprovadamente de baixa renda, segundo critérios de triagem e avaliação da Assistência Social.

Serjão falou da quantidade de entulhos que são jogados na beira da estrada na região do Foguetinho, local onde muita gente faz caminhada. Ele sugeriu que um ofício seja enviado ao Poder Executivo cobrando fiscalização e a colocação de placas informando que o local não é depósito de lixo.

Roberto Donizeti Cardoso (PP), disse que a ideia é boa, porém, quer ver a lei saindo do papel, já que é necessário amplo espaço e máquinas específicas. O projeto foi aprovado por unanimidade.

O que os vereadores mais debateram foi um projeto do vereador Francisco Fabiano Diniz (PSL), que autoriza o Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Três Pontas (SAAE) a incluir nas contas de água dos usuários, doações de valores para entidades sem fins lucrativos de Três Pontas.

O primeiro a falar foi Érik dos Reis que lembrou alguns pontos que o fez votar contra a proposta. Primeiro é a dificuldade em cancelar serviços como assinaturas de jornais, revistas entre outros. Outra questão é que as pessoas que mais ajudam são as mais carentes que tem dificuldades em dizer não e por isto, comprometem o orçamento familiar. Sem questionar a idoniedade das entidades e associações, que somam em Três Pontas, mais de 70, ele sugeriu que as entidades utilizem carnês, como várias entidades fazem, como a AMSESAM e ENAPRO.

O autor da proposta Francisco Fabiano, revelou que tentou criar esta oportunidade no mandato passado, porém, ela parou na autarquia. Agora, o procurador legislativo Dr. Guilherme Ribeiro, o orientou e ele deseja que além do Hospital que cadastra consumidores que fazem doações mensais, outras também possam ser auxiliadas, citando como exemplo os Socorristas Voluntários e a Vila Vicentina.

Sérgio Silva concordou com a proposta, porém, defendeu que se tenha mecanismos para não dificultar o cancelamento.

Roberto Cardoso antecipou seu voto contrário e questionou como seria feito a partilha do dinheiro quando várias entidades estejam recebendo através das contas do SAAE. Com os votos contrários de Érik e Robertinho, o projeto foi aprovado.

COMPARTILHAR

Comentários