Um grupo de reeducandos do Presídio de Três Pontas receberam na última quarta-feira (15), os Sacramentos do Batismo, primeira Eucaristia e Confirmação (Crisma), durante santa missa celebrada na Matriz Nossa Senhora d’ Ajuda. Durante cerca de duas horas, os detentos ficaram ausentes das celas para participar da cerimônia. Eles chegaram a Igreja de ônibus, pouco antes das 15 horas, com um forte esquema de segurança montado pelos agentes da Subsecretaria de Administração Prisional (Suapi) e que contou com o apoio da Polícia Militar. O trânsito foi fechado em um trecho da Praça Cônego Vitor. Quando entraram a igreja estava toda fechada e pouco antes da celebração começar, as algemas de todos foram retiradas. Eles ocuparam cadeiras reservadas dentro do altar da Matriz. Nos bancos, alguns parentes, padrinhos e madrinhas que testemunharam o ato e se emocionaram ao ver de perto aqueles que estão longe de casa e do convívio familiar, alguns a um bom tempo. Apenas uma porta permaneceu aberta e em todas elas a segurança foi reforçada por um agente.

Os detentos são atendidos semanalmente durante o ano pela equipe de missionários da Pastoral Carcerária. destaque ezequielAo todo foram 18 os reeducandos, um deles nem era batizado, 14 receberam a primeira comunhão e todos foram crismados.

A missa foi presidida pelo padre Josimar Cândido Lourenço que trabalha na Paróquia São Gonçalo em São Gonçalo do Sapucaí e é assessor diocesano da Pastoral Carcerária e concelebrada por padre Ednaldo Barbosa. Foi o sacerdote visitante quem perguntou aos catequisandos se eles prometiam não mais se afastarem de Deus. Diante do sim, a celebração começou com a unção do óleo dos catecúmenos em Ezequiel Aureliano (foto), que não havia iniciado a sua vida dentro da Igreja. Foi ele, que não tinha nem mesmo sido batizado que foi até a pia, fez a promessa batismal, antes de ser receber a água benta. Os outros as renovaram, antes da primeira Eucaristia e do sacramento da Crisma.

Durante a homilia, padre Ednaldo Barbosa destacou que toda a realidade é passageira e que estando eles fechados dentro do Presídio, precisam de ajuda. Quando houve a preparação feita pela Pastoral Carcerária, não foi simplesmente para receberem os sacramentos, mas também para que eles cresçam enquanto pessoa humana, com suporte da fé, para possam superar os medos, os traumas e porque não os pecados cometidos, muitas vezes graves contra a sociedade. “Por isto é preciso ir além do que se vive e enxergar a realidade. Saindo daqui da Igreja, eles voltam para a realidade da prisão. Que ela seja passageira, porque se não a esperança vai ficar vaga”, manifestou o sacerdote.

Padre Josimar Cândido Lourenço, destaca que a evangelização leva em conta os direitos humanos. Por isto, a Igreja entende que quando se olha para quem sofre, em muitos presídios com situações desumanas, é preciso evangelizar. “ A Pastoral faz um trabalho muito importante porque leva em conta a missão de Jesus que entrega aqueles que foram batizados e os que os seguem”, afirmou Josimar. A celebração da iniciação cristã feita especialmente aos encarcerados, mostra que eles quiseram seguir a Cristo e serem um sinal da graça de Deus.

05

De acordo com o pároco da Paróquia Nossa Senhora D’Ajuda padre Ednaldo, a Pastoral Carcerária realiza um trabalho ao longo de todo ano. Toda semana uma equipe faz atendimentos no Presídio e leva a catequese. Duas ou três vezes no ano, é celebrado missa dentro das dependências.

Embora a celebração dos sacramentos fosse realizada na Matriz D’Ajuda, ela é fruto da junção de esforços e sintonia das três paróquias da Cidade, Nossa Senhora Aparecida, Cristo Redentor e d’Ajuda. Os padres se revezam no atendimento de confissões e a Pastoral Carcerária é composta por católicos de toda a cidade, que estão inseridos neste trabalho voluntário de evangelizar aqueles que cumprem suas penas, buscando estarem preparados para enfrentar o mundo aqui fora, quando deixarem as celas.

O Assessor de Inteligência do Presídio de Três Pontas, Rodrigo Alexandre Silva, explica que a assistência ao preso e ao internado é dever do Estado, e busca prevenir o crime e orientar o retorno à convivência em sociedade. Diante disso, é necessário oportunizar aos reeducandos momentos de reflexão, busca pelo equilíbrio espiritual e reaproximação familiar. Na opinião dele, com esta celebração, indubitavelmente o Presídio dá um passo importante no processo de recuperação da consciência coletiva e resgate da cidadania destes que receberam o sacramento da crisma, batismo e a primeira eucaristia.

A direção e funcionários receberam publicamente os agradecimentos da Pastoral Carcerária, através de padre Ednaldo Barbosa no fim da celebração, pelo apoio que oferecem, a estrutura que hoje é disponibilizada para atendimentos individuais e coletivos aos reeducandos e a presteza de todos os servidores.

10

11

12

03

04

06

09

COMPARTILHAR

Comentários