* Extensão do PAM, permite mais pacientes ficarem em observação recebendo hidratação, providencia imediata para quem está com suspeita da doença

Quem procura atendimento há algumas semanas no Pronto Atendimento Municipal (PAM) de Três Pontas, precisa ter paciência. O centro de saúde está lotado e tem momentos que a fila para fazer a ficha está chegando na portaria da Maternidade Nossa Senhora de Lurdes. A justificativa é que com o avanço da Dengue, o atendimento no PAM mais que dobrou, causando atrasos nos atendimentos considerados de urgência e emergência. Só no mês passado, foram mais de 5 mil atendimentos.

Isto tudo tem um motivo. O avanço progressivo da Dengue, que faz a cidade de Três Pontas, assim como outras da região e do Brasil viver uma epidemia, fez com que a Secretaria Municipal de Saúde criasse um Centro de Atendimento, chamada de Sala S.O.S Dengue, onde às pessoas com sintomas e confirmadas com a doença possam ser atendidas. O espaço é uma extensão do PAM, começou a funcionar nesta quarta-feira (22) e está aberto todos de segunda a sexta-feira das 9:00 da manhã as 17:00 horas. O local fica anexo ao Hospital São Francisco de Assis, onde funcionava o Centro de Terapia Intensiva (CTI), que tem acesso próximo  e direto ao PAM.

Quem chega agora, faz o mesmo ritual, passa pela triagem no Protocolo de Manchester e uma nova cor usada no procedimento está sendo inserida, a cor preta, que identificará os pacientes suspeitos e ou confirmados de Dengue. Assim, a pessoa é encaminhada para o espaço emprestado pelo Hospital, onde já uma estrutura adequada que possibilita deixar o paciente em observação, sob os cuidados médicos. Como a primeira recomendação é a reidratação do paciente e o PAM está com sua área física pequena, esta foi a saída encontrada pelo Chefe do Pronto Atendimento Municipal (PAM), Dr. Hércules Ferraz Vilela.

De acordo com a coordenadora de enfermagem da Secretaria de Saúde, Maria Helena Tinano Pieve, a equipe é formada por um médico, dois enfermeiros, dois técnicos de enfermagem e um vigilante epidemiológico, que foram remanejados das Unidades Básicas de Saúde para a Central, mas sem prejudicar os atendimentos nos bairros.

O pico de infecção é durante o mês de abril e o número de casos agora tende a cair. Porém, em Três Pontas a maior incidência acontece entre os meses de março a maio. Os números de casos notificados (suspeitos) já são 986 e 135 confirmados com uma morte registrada até a tarde desta quarta-feira.

01
Na manhã desta quarta-feira, quando a área começou a ser usada, a Equipe Positiva acompanhou os profissionais atendendo os pacientes antes de entrarem para a observação

Sensível as causas da saúde, o prefeito Paulo Luis, segundo Dr. Hércules, entendeu a necessidade da criação da Central, que favorece um atendimento mais humanizado às pessoas que contraíram a doença e precisam permanecer em observação. Se o quadro de saúde evoluir para a internação, já é feito o cadastramento no SUS Fácil e regulada junto a Santa Casa de Misericórdia do Hospital para transferência.

O Chefe do PAM explica que 80% das pessoas não desenvolvem a doença, mesmo picado pelo mosquito. Quando picado pelo Aedes aegypti, após 72 horas é que se desenvolve a doença, que apresenta como sintomas, febre alta, dor de cabeça, atrás dos olhos e nas articulações. Medicação, apenas Paracetamol a cada seis horas. A recomendação é imediatamente iniciar uma hidratação e procurar o Pronto Atendimento Municipal.

Há quatro vírus circulando hoje no Brasil e quem tem a Dengue pela segunda vez, tem maior chance de desenvolver a forma mais grave.

Quando picado pelo mosquito, após 72 horas é que se desenvolve a doença, que apresenta como sintomas, febre alta, dor de cabeça, atrás dos olhos e nas articulações. Medicação, apenas Paracetamol a cada seis horas. A recomendação é imediatamente iniciar uma hidratação e procurar o PAM.

COMPARTILHAR

Comentários