A morte de Leandro Mendonça da Silva de 36 anos abalou toda a família, que além de perder um rapaz muito querido, se viu indignada com o registro do boletim de ocorrências. O rapaz se dirigia na noite de sexta-feira (03), para Três Pontas, apresentar a namorada para sua família e estava em seu carro, um Fiat 147, quando, na MG 167, próximo do local onde estava instalada uma balança de pesagem do DEER-MG, foi atingido por um Pálio que trafegava sentido contrário. Leandro acabou não resistindo aos ferimentos e morreu na hora.

O tio do rapaz, Marcelo Donizete Castro fez alguns questionamentos à versão dada e registrada pela Polícia Militar Rodoviária Estadual. Segundo ele, a única culpa do sobrinho, era não ser habilitado e a questão de estar foragido era por não ter pago pensão alimentícia à filha, mas acabou sendo julgado e condenado pelo acidente.

Leandro Mendonça de 36 anos, morreu no acidente

Ainda de acordo com Marcelo, não existiu colisão frontal; como mostram as imagens feitas logo em seguida; a batida foi lateral e o outro motorista teria ultrapassado em local proibido de faixa contínua. “Há uma nuvem negra em todo o fato. A polícia fez o trabalho da Perícia, avalia Marcelo”. Infelizmente Leandro não pode falar porque está morto e sua namorada ainda não foi procurada e não há a versão dela para o acidente.

Sentindo a falta do rapaz que era de família, Marcelo espera que tudo seja esclarecido e que os erros sejam apontados pelas autoridades.

COMPARTILHAR

Comentários