Com patrocínio do Itaú e Petrobras, evento será inteiramente gratuito

Victor tem pouco menos de dois anos. Antônio vai fazer quatro. Norma tem 84. Paula é bailarina. Helê é professora. Fernanda, estudante. Rita é cantora. Delma, comerciante. Clarissa é do Rio de Janeiro. Vizzoto é de Brazópolis. Thiago, de São Paulo. Telo, de Belo Horizonte. Thedy é de Porto Alegre. O que eles têm em comum?.

Estarão no Festival Música do Mundo, que acontece de 11 a 14 de setembro, em Três Pontas, sul de Minas Gerais. O evento, que nasceu como uma homenagem aos músicos Milton Nascimento e Wagner Tiso, que são de Três Pontas, ganhou vida própria e a cada ano atrai artistas e público do todo o Brasil, pessoas interessadas em vivenciar uma experiência diferente.

Atrações como a tradicional Serenata do Tiso, que acontece no cemitério municipal, as fanfarras na rua, o sarau, as intervenções durante a programação, as ações interligadas, o folclore, entre outros, dão o colorido e o entorno dos shows, que nasceram como a atração principal e hoje dividem as atenções com a chamada “programação paralela” e como público, que dá um show à parte.

Em sua 5a edição, o Festival Música do Mundo traz uma novidade. Pela primeira vez, todo o evento será gratuito. “Nos anos anteriores tínhamos um dia de shows pagos, esse ano, decidimos testar o formato feito integralmente na rua e gratuito, o que está sendo possível graças ao patrocínio do Itaú e da Petrobras, e ao apoio da Prefeitura e dos parceiros locais”, explica Maria Dolores, da Marolo Produções, empresa realizadora do evento.

Durante quatro dias, a pequena Três Pontas, rodeada por montanhas e pés de café, irá respirar cultura, com uma programação diversificada. O palco, erguido na Praça do Centenário, abrigará bandas selecionadas entre inscritos de todo o Brasil, além dos shows dos grupos Nenhum de Nós (que traz sucessos como “Camila, Camila” e “Astronauta de Mármore”, entre outros), Blues Etílicos, Ark2, O Bando, e um Tributo ao Clube da Esquina com participação de Telo Borges e Ânima Minas.

Grupo Nenhum de Nós é a atração mais esperada do Festival
Grupo Nenhum de Nós é a atração mais esperada do Festival

“O que torna o Festival Música do Mundo tão especial é, sobretudo, o clima da cidade e do público, a sintonia das pessoas que buscam algo além do lugar comum”, afirma Maria Dolores. Não à toa, os hotéis esgotam seus leitos com antecedência e pessoas da cidade colocam suas casas ou quartos para alugar, em um serviço de classificados disponibilizado no site do Festival e nas redes sociais. Mas quem acha que o Festival Música do Mundo acontece apenas nos quatro dias principais, está enganado. O evento tem início antes, com a tradicional ação educativa realizada com professores e educadores. Nos dias 30 e 31 de agosto, foram realizadas no Centro Cultural Milton Nascimento duas oficinas para professores, uma sobre contação de histórias e outra sobre a obra do poeta mineiro Carlos Drummond de Andrade. A partir das oficinas, os educadores aplicam o aprendizado em sala de aula e parte do resultado poderá ser conferido em exposição na Biblioteca Municipal, durante os dias do Festival.

Realizado via Lei de Incentivo à Cultura, o projeto tem o patrocínio do Itaú e da Petrobras, apoio da Prefeitura de Três Pontas e de parceiros locais.

Campanha “Acontece o que a gente tece”

Como parte das ações educativas, o Festival Música do Mundo lançou a campanha “Acontece o que a gente tece”, em que convida a comunidade a tecer varais de fita que serão utilizados na cenografia do evento e na decoração da própria cidade, para receber os artistas, os visitantes e o Festival em si. As escolas da cidade estão confeccionando os varais, em atividades e projetos que desenvolveram com os alunos, a APAE de Três Pontas, entre outras instituições e a própria comunidade. Abaixo, o depoimento de Maria Dolores, da Marolo Produções, sobre o objetivo da campanha. “Me perguntaram o porquê dos varais de fita. O que a gente queria dizer com aquilo. Respondi que não queria dizer nada. Acontece o que a gente tece. É isso. Nem sempre as coisas precisam significar muito e, por isso mesmo, significam. Tecer um varal de fita é tecer um varal de fita. Um momento de encontro, uma diversão, um instante lúdico. Você pode fazer porque acredita no coletivo. Porque acredita no festival e na cultura. Pode fazer porque alguém pediu, o vizinho cobrou ou fez mais bonito. Pode fazer pra não ficar de fora. Por obrigação. Ou pra ficar livre. Pode ser cheio de detalhes. Pode ter bordado. Pode ser criativo. Ou pode ser prático, linhas retas e simétricas dispostas em um minuto. Pode colocar na sala da sua casa. No quarto. Na loja. No portão do lado de fora. E não precisa ser um portão no centro. Pode ser em qualquer lugar, porque a cidade não é o centro. A cidade é ampla. A cidade é toda parte. Não tem problema se as crianças vão tentar arrancar. Não tem problema se vai estragar. O importante é participar. É sair da rotina. É tirar um tempo para tecer o varal. E outro tempo para apreciar. Ou criticar. O importante é sair do lugar comum. É fazer a sua parte. Simples assim. Tecer. Tecer. E tecer. E ver acontecer.”

VEJA A PROGRAMAÇÃO COMPLETA

11/09 –  QUINTA-FEIRA

9h – Acontece o que a gente tece: mutirão para decoração da Praça do Centenário com os varais de fita

9h – Abertura da exposição dos trabalhos resultantes da Ação Educativa, na Biblioteca Municipal

13h – Acontece o que a gente tece: mutirão para decoração da Praça Presidente Vargas com os varais de fita

14h às 17h – Workshop de Formatação de Projetos Culturais e Captação de Recursos, no CCAA, Praça Presidente Vargas

19h – Sarau “Noite chegou outra vez”, na Casa da Cultura Alfredo Benassi

12/09 – SEXTA-FEIRA 

9h – Mostra de curtas e bate-papo, no Centro Cultural Milton Nascimento, sendo:

9h – Exibição dos filmes, seguida de bate-papo:

– “Até onde” – dir. Bruno Cucio e Vincius Toro – Travessia Produções 10’ classificação: 12 anos

-“Visite Decorado” dir. Marcella Sneider e Keren Almeida – Vento Produções 15’

– “Pablo” – dir. Vinicius Soares e Caio Gonçalves – ECA-USP 15’

Bate-papo com o diretor Vinicius Soares e mediação de Isabela Morais.

14h – Exibição do filme, seguida de bate-papo:

– “Remoção” – dir. Luiz Antonio Pilar e Anderson Quack – 85’ – Lapilar Produções

Bate papo com as graduandas em Arquitetura e Urbanismo Raíssa Dias (PUC Poços) e Giovana Scalioni (UNIS – MG), mediação de Isabela Morais.

15h30 – Banda da APAE de Três Pontas, na Praça na Presidente Vargas (Specialle)

16h – Fanfarra Djalma Tiso, saindo da Praça da Fonte (Praça Tristão Nogueira) e chegando na Praça Presidente Vargas

14h – Feira de Artesanato, na Praça do Centenário (Praça Prefeito Paulo de Paiva Loures)

19h – Pintura artística em pele, pela artista Caroline Brasileiro Schiavon

19h – Shows na Praça do Centenário:

– Quarteta – Rio de Janeiro, RJ

– Sambazz – São Paulo, SP

– Participação especial: Norma Duarte – Três Pontas, MG

– Mambembrincantes – Brasília, DF / Atração oferecida pela Petrobras

– Rita – São João Del Rey,MG

– Tributo ao Clube da Esquina com participação especial de Telo Borges e Ânima Minas.

13/09 – SÁBADO

10h – Feira de Artesanato, na Praça do Centenário

13h – Free Walking Tour (circuito turístico feito à pé por pontos e histórias de Três Pontas), a partir da Praça Cônego Victor, chegando na Praça Presidente Vargas (tempo total de caminhada 1h40).

16h – Coral Trenzinho Caipira (coral infantil do conservatório), na Praça Presidente Vargas

16h30 – Corporação Musical Luíz Antônio Ribeiro (Banda marcial) saindo da Praça da Igreja (Praça Cônego Victor) e chegando na Presidente Vargas

16h45 – Intervenção de dança contemporânea “Mädchen” com Paula Sousa, Caroline Zitto e Natacha Takahashi, na Praça Presidente Vargas

18h – Serenata dos Tiso, no Cemitério Municipal

18h – Pintura artística em pele, pela artista Caroline Brasileiro Schiavon

19h – Shows na Praça do Centenário:

– Seu Nadir – Juiz de Fora, MG

– O Bando + Ark2 – Três Pontas, MG

– Blues Etílicos – Rio de Janeiro, RJ

– Nenhum de Nós – Porto Alegre, RS

20h – Intervenção de dança contemporânea “Mädchen” com Paula Sousa, Caroline Zitto e Natacha Takahashi, na Praça do Centenário

21h – Apresentação de “O Clown”, na Praça do Centenário

14/09 – DOMINGO 

13 às 18h – Programação do movimento Juventude Que Levanta e Ousa, com festival de poesias, troca de livros, ciranda educativa, dança, grafite e mini competição de skate, na Praça do Centenário.

 

COMPARTILHAR

Comentários