O provedor da Santa Casa de Misericórdia do Hospital São Francisco de Assis de Três Pontas Michel Renan Simão Castro cumpriu agenda em Belo Horizonte nesta segunda-feira (17).

Seu compromisso foi no Palácio da Liberdade, onde acompanhado do deputado estadual Mário Henrique Silva “Caixa” (PV), pode no fim da tarde, apresentar ao governador de Minas Gerais Fernando Pimentel (PT) as dificuldades financeiras que o Hospital que atende a pacientes de 27 municípios e é referência a 5 da microrregião enfrenta, além de demonstrar os projetos que a atual diretoria tem para ampliar os atendimentos aos pacientes e melhorar a receita da entidade.

Michel levou de presente à Pimentel a imagem da maior figura religiosa trespontano, o Beato Padre Victor. Símbolo da força e exemplo de caridade, o empresário acredita que tem tido forças graças a intercessão do sacerdote e apoio enorme que vem da comunidade trespontana. Na exposição feita ao governador foram pelo menos três pedidos: a liberação dos recursos atrasados e emenda parlamentar, o aumento do valor pago da rede de urgência e emergência e a intermediação junto a Cemig.

Rede Resposta e emenda

Foto: Assessoria do deputado Caixa

Prestes a completar quatro meses sem receber o dinheiro da Rede Resposta (atendimentos de urgência e emergência), que totalizam R$520 mil, Michel revelou que se chegar, o recurso traz um certo alivio no caixa momentaneamente, mas não resolve. O governador se comprometeu a liberar o valor nos próximos dias, não marcou uma data, mas encheu de esperança por ter demonstrado preocupação com a situação financeira da entidade. A dívida ultrapassa R$1,5 milhão. A luta continua e não há motivos para se acomodar. Sobre a adequação do valor da Rede Resposta, Fernando Pimentel foi claro em que dizer que no momento a crise financeira dificulta em atender, mas se comprometeu a fazer um estudo.

Outro pedido se referiu a emenda parlamentar da deputada estadual Geisa Teixeira (PT). Faltam R$250 mil que deveriam chegar em dezembro de 2015. Pimentel também sinalizou favoravelmente.

Há outras emendas parlamentares que podem chegar nos próximos dias, como do deputado federal Diego Andrade (PSD-MG), que já passou por procedimentos burocráticos no Governo. A expectativa é que ela seja depositada nos próximos 45 dias ela chegue.

Cemig e a dívida de R$2,5 milhões

O Hospital São Francisco de Assis já havia feito um parcelamento do seu débito com a Cemig, mas não ele não foi cumprido. A condição de haver uma entrada no valor de R$137 mil e mais 100 parcelas de R$15 mil não são possíveis, já que além disso, a conta mensal de energia é de cerca de R$20 mil e por falta de um fluxo de caixa é preciso uma flexibilização ainda maior.

Michel quer acertar para poder incluir o Hospital em um projeto de eficiência energética e assim, provocar uma economia na fatura todo mês que deva alcançar 50% do valor.

Pimentel respondeu que não deva encontrar problema em refazer as contas e ajudar. Deverá ser feito um novo estudo para que a Santa Casa assine um novo contrato.

Novos serviços

A diretoria tem se desbrudaço em números, fazendo as contas e buscando viabilizar novos projetos para aumentar a receita. Uma delas é a instalação do serviço de hemodiálise, um sonho antigo dos trespontanos. Pimentel solicitou o projeto para estudar a viabilidade.

Impasse com médicos continua

Alguns dos médicos que decidiram pela maioria, a manter apenas os atendimentos de urgência e emergência

A atual direção está em dia com seus pagamentos aos profissionais médicos, mas o impasse na negociação de cinco meses atrasados da gestão anterior, faz os profissionais atenderem desde sábado apenas os casos de urgência e emergência. “Nós estamos a três meses na direção e pagamos com muito sacrifício todos estes meses. Entendemos a situação dos médicos, mas não temos como assumir aquilo que não poderemos cumprir”, adiantou Michel Renan.

Por decisão da maioria, os médicos não aceitaram em assembleia nesta segunda-feira (17), a proposta feita a eles para quitar os cinco meses de salários atrasados. A proposta feita pela provedoria era pagar um mês, parcelar o restante em 15 vezes e a partir de agosto, pagar 70% do valor mensal, e quitar a diferença assim que o Estado normalize os repasses.

Michel foi claro que qualquer outra proposta que seja feita, certamente não será aceita. A prova disso, é que ele coloca as contas abertas para demonstrar que o melhor está sendo feito.

Prefeitos da região convocados

Não é apenas Três Pontas a beneficiada com o hospital da cidade, mas a região que pertence a microrregião. No começo do mês de junho, a direção da Santa Casa convidou os prefeitos e autoridades destes municípios para ajudar e demonstraram que se estão bem servidos é porque o Hospital está assumindo um ônus que não é seu. Apesar de receber por isto, os valores são ínfimos por causa da defasagem de 10 anos na tabela do SUS. Neste encontro realizado na Câmara de Vereadores, de prefeito mesmo apenas o de Ilicínea Edvaldo Belineli (PMDB), mas nada de concreto foi feito.

Nesta quarta-feira (19), os gestores estão sendo praticamente convocados pelo Ministério Público a comparecer nesta reunião, marcada para as 14 horas na sede da Associação Comercial de Três Pontas.

COMPARTILHAR

Comentários