Em 22 de janeiro de 1939, era fundado por Monsenhor João Batista da Silveira em Três Pontas, o Hospital São Francisco de Assis, desde a época, o mais bem equipado da região, tendo apoio de Dr. Oswaldo Campos Reis que assumiu a direção clínica.

Passados os 79 anos, sua história é relembrada, e aqueles que seguiram o legado do sacerdote responsável por várias obras em Três Pontas, seja trabalhando ou contribuindo com seu funcionamento, foram reconhecidas pela atual direção, que celebrou a data com festa, embaixo do seu maior símbolo, o Flamboyant, que há anos é companhia de muitos visitantes que estão com familiares e amigos internados no Hospital.

Convidados especiais, receberam o reconhecimento do apoio que estão oferecendo ao lado dos anos, entre eles o deputado estadual Mário Henrique “Caixa” (PV)  e Cássio Soares (PSD), (foto) que está se juntando ao conterrâneo em busca de recursos à Santa Casa. Eles tem sido fundamentais para a sustentabilidade financeira da instituição, que em 2017, voltou a ter ficar eminente o fechamento de suas portas, diante de uma crise por conta da falta de pagamentos aos profissionais médicos. Mário “Caixa” afirmou que tem trabalhado muito e as pessoas precisam entender ao fazer as críticas que neste caso não depende exclusivamente do parlamentar e a boa vontade do Governo é primordial, para que o dinheiro chegue. Apae, Vila Vicentina e o setor de Cultura tem recebido recursos do seu mandato, mas o Hospital sempre foi prioridade, no montante de R$1,5 milhão que cada um tem direito a disponibilizar às suas bases eleitorais. Na expectativa que 2018 seja um ano melhor que 2017, Caixa anunciou que o Governo de Minas fará o pagamento do valor de R$420 mil, que ainda não foi concretizado por questões burocráticas.

O deputado Cássio Soares falou pela primeira vez aos trespontanos e ressaltou que o deputado está nada mais do que no cumprimento dos seus deveres, ao disponibilizar recursos aos municípios, quando se dispuseram em representar a população mineira na Assembleia Legislativa em Belo Horizonte. Sobretudo na tentativa de superar as dificuldades que as pessoas enfrentam. O pouco tempo que esteve na cerimônia, recebeu notícias que a gestão da Santa Casa é outra e respira outros ares. De acordo com a direção, Cássio indicou R$50 mil ao Hospital.

Ao longo destas quase oito décadas, a pior situação foi em 1992, quando o Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social, o INAMPS, hoje Sistema Único de Saúde (SUS), atrasou seis meses o repasse de recursos ao Hospital. A consequência disso foi o fechamento da Unidade por três dias, reaberto depois, graças a composição do Conselho de Administração e de uma Comissão que assumiu a sua direção. De acordo com o provedor Michel Renan Simão Castro, os últimos dias tem sido difíceis justamente pelo atraso do Estado em repassar recursos cruciais. Eles somam algo em torno de R$2,8 milhões, incluindo as emendas parlamentares que não estão sendo pagas. “Este dinheiro nos deixaria em uma situação bastante confortável”, antecipa o provedor.

Médicos vocacionados

Dr. Francisco Araújo
Dr. José Bothrel

Foram agraciados com cartões de prata, médicos que acabaram de se aposentarem e dedicaram durante décadas dias e noites a salvar vidas. Junto aos seus familiares, o cirurgião Dr. Francisco Gilberto Reis Araújo e o radiologista e clínico geral Dr. José Bothrel de Figueiredo.

Dr. Francisco completa justamente neste mês de aniversário da Santa Casa, 44 anos de uma extrema dedicação a população da cidade e da região. Ficou fora durante um ano e meio, quando foi convidado por Aureliano Chaves a ser secretário de Estado de Saúde de Minas Gerais. Quando voltou, dividiu suas funções na Superintendência Regional de Saúde e permaneceu atendendo no Hospital.

Com uma fala bem mansa, Dr. José Bothrel, disse que nunca almejou qualquer cargo público, mas sempre pensou que poderia e deveria tentar servir ao paciente, principalmente aqueles com menos recursos financeiros. O médico agradeceu a singela homenagem e revelou estar com o coração acelerado por tão singela e bonita homenagem.

Na opinião de Michel, os médicos fazem sem esperar algo em troca e continuar atuando no sistema público, diante de um Sistema Único Saúde (SUS) que é injusto, a profissão acaba sendo uma doação em favor da vida.

Mas tem tanta gente que tem mais de 25 anos de trabalho, que a direção resolveu entregar a cada um dos 38 funcionários, um certificado. A cada momento que eles eram chamados a frente, mais antigo eram os profissionais, de todos os setores. Tem gente como 49 anos de trabalho lá. Dona Osvalda Baldansi (foto) que se ausentou um pouco das suas tarefas na cozinha durante a comemoração, foi receber o diploma. Ela tem 41 anos de Santa Casa.

A tarde ainda reservou atrações musicais, mas antes o vigário paroquial Padre Antônio Carlos celebrou missa e o Hospital inaugurou um novo espaço. É a Biblioteca, que mesmo ocupando uma pequena sala, vislumbra o espaço virtual que ocupará as mentes das pessoas que dela fizerem uso, acreditando a direção que será o maior setor do Hospital. O espaço leva o nome da técnica em enfermagem trespontana Jane Aparecida Rosa Firmino que trabalhou durante 20 anos, atuando com muita consciência e responsabilidade e faleceu em setembro de 2015. Seus familiares foram homenageados e descerarram a placa comemorativa. A homenagem póstuma à Jane, emocionou seus colegas e é fruto da Comissão de Humanização.

“Não são desafios e sim batalhas diárias”, diz provedor

Antes de completar um ano a frente da provedoria da Santa Casa de Misericórdia, o empresário Michel Renan Simão Castro, falou que assumir o cargo é mais que um desafio e sim uma batalha que precisa ser vencida diariamente. Muitas coisas mudaram, não apenas no visualmente, mas a forma de gestão e o corpo administrativo é outro, com pessoas comprometidas em transformar a instituição melhor a cada dia, com empenho e dedicação excepcionais, que vem desde a direção até os colaboradores. Ao abrir as portas e as contas do Hospital São Francisco de Assis, a instituição ganhou credibilidade novamente com a população, que tem colaborado de todas as formas ininterruptamente. Michel realçou a mobilização dos funcionários na realização de eventos e doações e fez questão de lembrar e fazer jus daqueles que são comprometidos com os eleitores trespontanos e estão retribuindo através da entidade. Michel citou os deputados Diego Andrade, Mário “Caixa”, Dimas Fabiano e agora Cássio Soares. “Graças a população e o apoio deles [deputados], a Santa Casa está de pé e se torna cada vez mais orgulho para todos nós”, refletiu.

Pouco antes da comemoração, o provedor se reuniu com representantes das cidades que integram a microrregião para justamente mostrar aos prefeitos e seus representantes na área da saúde, que o Hospital é uma instituição nobre e de referência. Em especial, Michel concluiu agradecendo ao prefeito de Coqueiral Rossano de Oliveira e aos secretários que representaram seus respectivos gestores.

Rifa de carro

O Hospital São Francisco de Assis, iniciou a venda de rifas de um veículo Pálio ano 2015. Cada bilhete custa apenas R$10 e o sorteio será realizado no pátio da entidade, no dia 10 de abril. Esta é uma das formas de contribuir com a Santa Casa e ainda concorrer a um carro.

O Hospital referência da região

O Hospital é referência em pequena e médica complexidade na micro região de Três Pontas, atendendo pacientes uma população estimada em 153 mil habitantes de – Santana da Vargem, Coqueiral, Boa Esperança e Ilicínea e faz parte da Rede de Urgência e Emergência e também do Pró Hosp.

Atende uma média de 4 mil pacientes por mês, incluindo os ambulatoriais, RX, ultrassonografia, etomografia. Possui atualmente 121 leitos em enfermaria, obstetrícia, clínicas médica e cirúrgica, maternidade, pediatria, Unidade de Terapia Intensiva (UTI) (10 leitos) e particulares. A Santa Casa conta com 280 funcionários e 54 médicos.

COMPARTILHAR

Comentários