*Tribunal pode até convocar novas Eleições na cidade 

Os moradores de Santana da Vargem ainda não sabem quem vai ser o próximo prefeito. Neste domingo (02), 89,80% do eleitorado foram às urnas, mas por causa de um problema do candidato a prefeito Argemiro Rodrigues Galvão, que recebeu o maior número de votos, a Eleição está indefinida.

O atual prefeito Vitor Elói (PT), teve 2.510 votos. Ele não foi o mais votado, mas até o momento é considerado o prefeito eleito. Argemiro Rodrigues Galvão, do PDT, que foi o mais votado, recebeu 26 votos a mais: 2.536. No entanto, ele disputou as Eleições com o registro de candidatura indeferido e portanto está inelegível para a Justiça Eleitoral. É que as contas de 2005 de quando ele foi prefeito foram rejeitadas pelo Tribunal de Contas do Estado de Minas (TCE) e também pela Câmara Municipal de Vereadores. Se não conseguir reverter a decisão tomada pelo juiz eleitoral local, Argemiro está inelegível por 8 anos, até 2022.

Todos os votos que ele recebeu são considerados nulos e Vitor Elói aparece no registro do TSE com 100% dos votos, como se não houvesse concorrente.  Foram 608 abstenções (10,20%) e 113 (2,11%) de votos brancos.

Quando o resultado foi divulgado no domingo pelo Cartório Eleitoral, ambos os candidatos comemoraram, mas a cidade não sabe quem vai governar o próximo mandato 2017-2.020.

O Tribunal Superior Eleitoral tem até o dia 19 de dezembro para decidir sobre a situação dos candidatos que venceram as eleições e estão com as candidaturas indeferidas. Dependendo desses resultados, o TSE poderá decidir por novas eleições.

De acordo com o juiz eleitoral Dr. Cristiano Araújo Simões Nunes, em caso de indeferimento, se o outro candidato não atingir 50% dos votos válidos, há possibilidade do tribunal determinar novas eleições. “Mas essa é uma questão que ainda será analisada, a gente não tem certeza”, disse.

Vitor e Argemiro Galvão se enfrentaram nas urnas duas vezes. A primeira vez foi em 2004, quando o petista foi vice de José Noel Gouvêa “Nelico” e obteve 1.811 votos, contra 2.088 de Argemiro que ganhava a Prefeitura pela primeira vez.

Em 2008, a eleição foi bem disputada. Argemiro foi reeleito para um segundo mandato, mas com uma margem bem menor de votos. Ele teve 2.718 votos contra 2.061 de Vitor Elói, que tinha como vice na chapa o ex-vereador José Elias Figueiredo.

Na Eleição de 2012, Vitor venceu tendo ao seu lado o agricultor Gleiton de Souza “Gleiton do Cajuru”. Argemiro lançou o vereador e comerciante Renato da Farmácia, mas não conseguiu transferir a quantidade de votos suficientes para fazer seu sucessor. Vitor Elói foi eleito com 3.064 votos e Renato foi o segundo colocado com 1.464.

Na Câmara renovação foi grande

A Eleição para vereador elegeu muita gente nova e trouxe de volta vereadores que haviam perdido a Eleição em 2012. O mais votado foi Renato da Farmácia (PDT), que no último pleito disputou o cargo de prefeito, mas perdeu para Vitor Elói. Com 387 votos, ele vai exercer mais um mandato na Câmara Municipal. Depois vem Felipão do PSL que recebeu 332, o Vitão (PT) que foi reeleito para um segundo mandato com 252 votos, Carlos César (PDT) com 247 votos e foi reeleito, Rodrigo Carteiro do PT que vai ocupar uma cadeira pela primeira vez no Legislativo depois de receber 227 votos, José Elias (PSL) e João Fram Fram (PMDB) voltaram com 191 e 184 votos respectivamente, Silmara do Sindicato (PSD) que foi suplente e chegou a assumir o cargo nesta legislatura conquistou 184 votos e por último Expedito Alves com 163.

Não foram reeleitos, Emerson Araújo com 168 votos, Cabo Joel do PTB com 162, Marquinho da Cooperativa (PDT) com 121 votos e Dino (PDT) com apenas 44 votos. Foram 5.050 eleitores, 94,38% o total de votos válidos, 100 votos brancos (1,87) e nulos somam 202, 3,77%.

Fotos: Divulgação TSE

COMPARTILHAR

Comentários