*O ex-prefeito que concorreu com Dr. Luiz Roberto, o processou acusando de comprar votos, ao distribuir uniforme personalizado a um time de futebol de Três Pontas

A Justiça Eleitoral julgou improcedente, as acusações do ex-prefeito Paulo Luis Rabello (PPS), contra o atual prefeito Dr. Luiz Roberto Laurindo Dias (PSD) e seu vice Marcelo Chaves Garcia.

Paulo Luis moveu uma ação na justiça, acusando o então candidato Luiz Roberto de ter comprado votos, ao doar uniforme personalizado, com camisas, calções e meias, para um time de futebol feminino, chamado Guerreiras de Três Pontas. Junto aos documentos apresentados no processo, foi juntada uma nota fiscal em nome de Dr. Luiz Roberto, com data de 09 de agosto de 2016 no período eleitoral.

Postagem no facebook e reportagem publicada pelo Jornal Correio Trespontano que estariam agradecendo a doação ao médico e seu principal apoiador político, o deputado federal Diego Andrade (PSD-MG), também constam na ação.

“Não há provas que Dr. Luiz e Marcelo tenham doado uniforme durante a campanha”, diz o juiz eleitoral

A ação foi movida no dia 15 de dezembro do ano passado e a audiência foi realizada em 09 de fevereiro. O juiz eleitoral Dr. Cristiano Araújo Simões Nunes, afirma na sentença assinada em 22 de fevereiro, que as provas produzidas por Paulo Luis são muito frágeis.

As declarações de Tifany Helena da Silva não merecem credibilidade, pois são muito volúveis e inconstantes. As outras são vagas e imprecisas, pois todas elas foram dadas por testemunhas que ouviram terceiros dizerem que Dr. Luiz Roberto teria doado os uniformes. A nota fiscal no valor de R$1 mil, emitida pela empresa Sport Ação Indústria e Comércio de Artigos Esportivos Ltda, que fica em São Paulo, prova apenas a emissão em nome do médico, mas não a doação dos uniformes para o time de futebol e não consta o DANFE (Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica). As fotografias demonstram que o uniforme do time já existia em junho de 2016, bem antes do início do período eleitoral.

Ainda segundo o juiz Dr. Cristiano, não há qualquer prova nos autos de que os candidatos tenham feito a doação durante o período eleitoral. Mesmo que se considerasse a hipótese de que isto tenha acontecido, provavelmente ela ocorreu bem antes do início das Eleições, em junho de 2016 e não há qualquer manifestação na ação, no sentido de que Luiz Roberto e Marcelo tenham trocado o suposto uniforme por votos na Eleição para prefeito. Por outro lado na sentença, a suposta doação não teria potencial algum para influenciar na disputa, já que eles foram eleitos com larga vantagem de mais de 8 mil votos.

Dr. Luiz Roberto não se manifestou

O prefeito Dr. Luiz Roberto não se manifestou ainda sobre o caso. Ao ser procurado pela equipe através de suas assessorias Jurídica e de Imprensa fomos informados de que ele só falaria após a decisão da justiça. Segundo o chefe de Gabinete Deivis Victor dos Santos, ele deve conceder uma entrevista nesta sexta-feira (24), para falar do caso.

Paulo Luis vai recorrer da decisão

Por telefone, o ex-prefeito Paulo Luis disse que como a decisão ainda cabe recurso, ele irá recorrer da decisão no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) em Belo Horizonte. Ele reafirmou que perder é normal, porém as regras do jogo não foram iguais.

COMPARTILHAR

Comentários