*Os alunos dos três turnos estão de volta ao prédio que não recebeu nenhuma reforma ainda

A volta das aulas para os cerca de 1.500 alunos do ensino fundamental e médio, da Escola Estadual Deputado Teodósio Bandeira foi de uma forma diferente. Eles retornaram ao prédio que foi atingido por um incêndio provocado por quatro menores na madrugada do dia 1º de junho.

De volta ao Estadual, os alunos encontraram o local ainda destruído,DSC06249 nenhuma reforma ainda foi feita e não há previsão de começar. De acordo com o diretor Bruno Miari, a Superintendência Regional de Ensino (SRE) de Varginha, já fez todos os levantamentos e aguarda uma resposta da Secretaria de Estado de Educação para a liberação da verba para o início da reforma do prédio.

Foram feitos apenas a pintura do teto que ficou todo preto com as chamas e a religação da energia elétrica em todas as salas. Mesmo assim, os estudantes de uma sala ao lado da secretaria, foram transferidos para a Sala de Apoio. Nela estudam 188 pessoas nos três turnos.

DSC06243
Sala onde funcionava a secretaria continua do mesmo jeito
Recepção da escola está fechada
Recepção da escola está fechada

Para tapar os estragos que as chamas deixaram no corredor inferior, panos tnt foram pendurados na parede. A Biblioteca já está funcionando, mas o consultório odontológico que foi menos atingido ainda está fechado. A secretaria e a recepção onde o fogo destruiu tudo, estão isolados e ninguém tem acesso. Os sinais de destruição nestes dois locais estão mais visíveis. A pintura não existe mais e os tijolos estão no reboque.

DSC06247A jovem Bruna Ribeiro de 15 anos, cursa o 1º ano do ensino médio e não via a hora de voltar a estuda na sua escola. Ela mora no bairro Vila Marilena e precisava sair quase uma hora mais cedo para chegar na hora certa. Pior que isto, é saber que foi um ato de vandalismo que a tirou da escola que ela gosta e fica pertinho de casa.

Akio de Figueiredo Serizawo tem 13 anos e está na 8ª série. Ele lamentaDSC06248 com tristeza o ato praticado pelos menores que consumiu a história da escola onde seus pais também estudaram. A volta foi tranquila, porém, na visão de Akio ainda há muita coisa a ser organizada, para que tudo volte como era antes.

Neste período, as alternativas foram transferir os alunos do noturno para a Escola Estadual Jacy Junqueira Gazola e os da tarde que são cerca de 600, nas salas cedidas pelo Grupo Unis, na Faculdade de Três Pontas, a Fateps.

COMPARTILHAR

Comentários