27 de julho é um dia difícil para Eliane Castelari, que perdeu nesta data ano passado, o pai do pequeno Davi.

O motoboy Renato Batista de 28 anos, foi morto pelo vizinho com um tiro na cabeça na porta de casa, no bairro Bom Pastor em Três Pontas e o caso continua sem solução. É que o acusado, Alessandro Pereira dos Reis de 45 anos, fugiu e ainda está sendo procurado pela Polícia.

A tristeza pela perda do pai de seu filho é enorme. Eles tiveram um relacionamento rápido e dele nasceu Davi que na época tinha apenas um seis meses de vida. Apesar do relacionamento não ter seguido adiante, Renato fazia questão de ver o filho todos os dias e segundo Castelari, o único dia em que não pode visitar o menino, alegando um compromisso, ele foi assassinado e o bebê não viu mais o pai.

Era uma noite de quarta-feira e Renato estava em casa tomando cerveja com mais quatro amigos, como sempre fazia, quando por volta da meia noite e meia o suspeito o chamou. A mãe o atendeu no portão e avisou o filho que o vizinho estava o chamando. Quando Renato saiu, eles discutiram. Alessandro sacou uma arma e fez um disparo que atingiu a cabeça do motoboy. Ele caiu ali mesmo na frente da mãe.

As últimas palavras de Renato antes de partir, foi pedir ao seu amigo que não o deixasse morrer. O rapaz foi socorrido pelo SAMU para o Pronto Atendimento Municipal (PAM), mas já chegou morto.

Na porta da residência ficaram as enormes marcas de sangue, no coração e na memória de seus familiares a lembrança de um rapaz alegre, brincalhão e muito dedicado a família. Trabalhava para cuidar da mãe e do filho, cumprindo todas as suas obrigações. Fez questão de registrar o menino, de participar do batizado e da festa.

Para Eliane, Renato havia dito que queria se mudar daquela casa. Ele era tranquilo, como ela e os amigos confirmaram. Mas no boletim de ocorrências registrado pela Polícia Militar, a mulher do acusado, informou na época, que na residência havia muita algazarra e som alto com frequência e que cansado de chamar a polícia e registrar várias vezes o caso, o marido teria ido resolver o problema.

A mãe de Davi espera que Alessandro seja preso. Ele já tinha passagens por envolvimento com o jogo do bicho e fugiu logo após o crime em uma moto e não foi mais visto. “Queria que as pessoas denunciassem à polícia, porque quem tira a vida de um pai e deixa órfã uma criança que hoje tem um ano e seis meses, não merece a liberdade”, opinou.

Alessandro continua foragido e a polícia espera denúncia para encontrá-lo

Alessandro continua sendo procurado e a Polícia Civil espera que as pessoas denunciem quando verem por ele. Qualquer denúncia pode ser feita e não é preciso se identificar.

COMPARTILHAR

Comentários