A Secretaria Municipal de Saúde entrou em alerta, após quatro macacos serem encontrados mortos no terreno de uma residência localizada, na Rua Américo Miari, no Centro de Três Pontas.

De acordo com a Vigilância Ambiental, os animais estavam em estado avançado de decomposição, o que impediu que eles fossem enviados à análise laboratorial para constatar se a causa da morte foi Febre Amarela.

O registro foi feito neste sábado e a primeira medida tomada na manhã desta segunda-feira (16), foi fazer um trabalho preventivo na área. Servidores do setor de endemias visitaram todas as residências do quarteirão e da rua ao lado, chamado de espelho. De acordo com o médico Marcelo Gomes de Figueiredo, a intenção é identificar possíveis criatórios da Dengue.

Em seguida foi realizado o fumacê, como forma de bloquear e eliminar possíveis mosquitos transmissores da doença e assim, evitar que pessoas sejam picadas pelo Aedes aegypti, estejam infectados com a Febre Amarela.

A coordenadora do Programa de Imunização da Secretaria de Saúde, Lara Miranda e o médico Marcelo Gomes de Figueiredo orientaram os moradores sobre os riscos da doença

Paralelamente foi feito um levantamento com os moradores da situação vacinal de cada um deles, verificando aqueles que estão imunizados ou não.  Segundo a coordenadora do Programa de Imunização da Secretaria Municipal de Saúde, Lara Miranda da Silva já estava se prevendo ampliar a campanha de vacinação contra a Febre Amarela e as unidades básicas de saúde, a partir do dia 23, irão estender o horário de expediente até as 20 horas da sala de vacinação, dando maior oportunidade às pessoas. A Secretaria continua o trabalho de campo, indo in loco nas grandes empresas em busca de pessoas que não estejam imunes à Febre Amarela e outras doenças que tem vacinas de rotina.

Na região onde os macacos foram encontrados, a grande maioria dos moradores está vacinada, porém, o que preocupa são alguns idosos que não se imunizaram. Inicialmente, por determinação do Ministério da Saúde, quando começou o surto da doença, os idosos acima de 60 anos só poderiam se vacinar com autorização médica. A estratégia já mudou e agora qualquer um que esteja em boas condições de saúde são autorizados pelos enfermeiros dos postos de saúde a receber a dose. Aqueles que estão saudáveis e tem condições de irem as unidades de saúde se comprometeram a colocar o cartão de vacina em dia o mais rápido possível. Aqueles que estão acamados serão vacinados em casa. Lara Miranda reforçou que é preciso se preocupar com a doença, pois a taxa de mortalidade é em torno de 33% e é preciso agir com cautela para garantir a saúde da população.

O médico veterinário Marcelo Gomes esclarece que os animais silvestres devem ser mantidos em seu habitat. “Todas as vezes que o homem interfere nisto, geralmente a problemas, ou para os animais ou para os seres humanos”. Ao cuidar destes animais em casa, é possível que algumas doenças sejam transmitidas e as pessoas coloquem suas vidas em risco e provoque o óbito dos macacos. A Febre Amarela pode se urbanizar e o mosquito da Dengue pode começar a transmitir a doença. “A proximidade do ser humano com os macacos, não é algo bom e recomendável a ninguém”, disse Marcelo.

Três Pontas integra área de surto da Febre Amarela

O resultado dos exames feitos em vísceras de um macaco encontrado morto no bairro Ponte Alta I, confirmou a suspeita de Febre Amarela Silvestre. Desde então, Três Pontas passou a integrar área de surto, de acordo com as determinações do Ministério da Saúde, mesmo que na cidade não tenha nenhum caso confirmado da doença em humanos.

A notícia levou multidão aos postos de saúde e fez com a meta de cobertura vacinal estabelecida fosse alcançada.

Dados da doença na região

O boletim epidemiológico da Secretaria de Estado de Saúde divulgado nesta terça-feira (17) confirmou mais duas mortes por febre amarela no Sul de Minas. Com isso, o número de mortes pela doença na região subiu para 15.

Os casos foram registrados em Baependi e São Tomé das Letras. Com a divulgação dos novos dados, São Tomé passa a ter dois óbitos de moradores pela doença e um caso de um turista de São Paulo. Na cidade, além das mortes, houve 7 casos confirmados de febre amarela. Já em Baependi, é a primeira morte confirmada.

Outra novidade do boletim epidemiológico é a confirmação de um novo caso em Jacutinga, mas que não evoluiu para morte.

Assim, com as 15 mortes, sobe para 32 o número de casos confirmados de febre amarela no Sul de Minas. Em todo o estado, o número de casos subiu para 467, com 155 mortes.

COMPARTILHAR

Comentários