O vereador Francisco Botrel Azarias (PT), foi o primeiro a falar no Pequeno Expediente da sessão da Câmara Municipal de Três Pontas nesta segunda-feira (18) e como sempre faz, não fugiu da raia. Condenou sem medo, o ato que os petistas estão chamando de golpe a democracia.

Mesmo que sozinho, na Tribuna, Chico disse que como cidadão e vereador, não podia deixar passar despercebido o que está acontecendo no Brasil. Na visão dele, o pedido de impeachment no Congresso Nacional, foi uma farra com a democracia e um desrespeito ao voto. Em tom de desabafo emendou. “Os golpistas da Lava Jato, que são mais de 300, se agarraram a Eduardo Cunha para colocar a presidenta Dilma fora do Governo. Fizeram um conchavo para se livrar da condenação. Os que votaram pelo sim, representam a classe rica, porque os pobres não são aceitos”, opinou. Para Botrel, felizes aqueles que votaram contra o golpe e estão dormindo sossegados, porque sabem que o ato é irresponsável, porque não há crime de responsabilidade.

Antônio Carlos de Lima (PSD), rebateu as informações que recebeu em um ofício do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) e disse que a resposta é mentirosa, ato praticado por aqueles que estão debaixo das asas do Prefeito. Ele teria pedido explicações sobre uma ligação de água feita pela autarquia no Distrito do Quilombo Nossa Senhora do Rosário em uma residência que não tem escritura e não paga IPTU.

Depois de fazer uma viagem a Brasília, Antônio do Lázaro trouxe um documento, que segundo ele, a Santa Casa de Misericórdia do Hospital São Francisco, teria perdido duas emendas parlamentares do deputado federal Diego Andrade (PSD-MG) de R$716 mil e R$300 mil, simplesmente porque a Santa Casa está com problemas na documentação. Antônio quer explicações da direção do Hospital.

Paulo Vitor da Silva (PSL), também foi a Brasília para tratar sobre a questão do fechamento do Aeroporto Municipal que tem data marcada na portaria da ANAC, o dia 28 de abril.  Bem recebido na Capital Federal, lá Paulinho soube que o prefeito Paulo Luis estaria recebendo notificações sobre o Aeroporto há três anos, .

Alegria para alguns, mas tristeza e retrocesso para muitos, Paulinho entende que o caso foi tratado com descaso. Se na Câmara Municipal há uma enorme burocracia para ter acesso a mídia com o áudio das sessões, na Secretaria de Aviação Civil o vereador pediu e trouxe um pendrive com tudo que se refere ao Aeroporto Municipal de Três Pontas e até demarcações que foram feitas em prédios vizinhos a pista de pousos e decolagens. Pelo que soube na ANAC, a construção de um novo Aeroporto custa em torno de R$15 milhões. Para resolver é somente uma ação judicial movido pelo Município, segundo Paulo Vitor.

Sérgio Eugênio Silva (PPS), começou criticando os termos usados por Antônio do Lázaro, que mais uma vez empregou palavras fortes para tripudiar o prefeito Paulo Luis Rabello (PPS) e comparou a forma como os deputados se portaram na votação deste domingo (17), na Câmara dos Deputados. Para Serjão, trataram coisa séria e responsável em tom de brincadeira. Ele disse que respeita o posicionamento do colega do PT, mas não entrou em detalhes se concorda ou não com o prosseguimento do impeachment. Rebatendo as afirmações, abriu parenteses para dizer que o Hospital não é administrado pela Prefeitura e lembrou que a Administração tem ajudado muito a Santa Casa, inclusive ampliou os recursos. Divulgou depois que em viagem oficial a Belo Horizonte na semana passada, esteve no Departamento de Estradas e Rodagens de Minas Gerais (DER-MG), para pedir um estudo para a mudança no traçado do trevo do “Padre Vitor”, na MG 167, que dá acesso a Três Pontas pela Avenida Ipiranga. O vereador levou reportagens com fotos sobre os frequentes acidentes que são registrados e estranhou não haver nenhum pedido feito junto ao órgão, já que colegas por várias vezes comentaram na Câmara sobre o perigo de acidentes neste local. A promessa é que engenheiros devem tomar providências em breve.

Sobre o Hospital, o vereador Francisco Fabiano Diniz, o Professor Popó (PSL), disse que se assustou no fim do ano passado, quando viu uma reportagem da Equipe Positiva, mostrando o montante de recursos que haviam sido repassados à Santa Casa. Alertou novamente que o dinheiro foi aplicado na gestão compartilhada com o Pronto Atendimento Municipal (PAM). Isto, seria segundo Popó, maneira adotada para que o Município não atingisse o índice na folha de pagamento. “Na verdade não houve aumento e é preciso ficar atento para não fazer uma publicidade enganosa”.

O peemedebista José Henrique Portugal, pediu ao Departamento de Trânsito da Secretaria Municipal de Transportes e Obras, a instalação de um redutor de velocidade na Rua Regina Célia Vicentini em frente a Tecnotêxtil, no bairro Aristides Vieira.

Portugal anunciou que fez um projeto de lei, dando o nome de Dr. Antônio Mauro Simões Machado a estrada do Foguetinho até a MG 167. A homenagem ao profissional que nasceu em Muzambinho e atuou no Poder Judiciário trespontano é para o parlamentar justa e merecida. Ele espera receber do Executivo, o projeto de asfaltamento da estrada para lutar por recursos que são vultosos para fazer a obra que é um sonho antigo dele de  fazer um anel viário.

COMPARTILHAR

Comentários