Sexóloga Dra. Adélia diz que internet está esfriando os relacionamentos

Aproveitamos a semana de comemoração do Dia dos Namorados para falarmos sobre relacionamento e sexualidade. A renomada sexóloga Dra. Adélia Maria Batista respondeu a várias perguntas, afirmou que o estresse tem afetado as relações, o mesmo é o uso indiscriminado da tecnologia, redes sociais e aplicativos, que tem feito muitos relacionamentos esfriarem.

ENTREVISTA
Dra. Adélia Maria Batista – Clinica Geral, Medicina de Família e Sexóloga (Terapeuta e Educadora Sexual)

Equipe Positiva – Viver momentos como os casais comemoraram esta semana, do Dia dos Namorados, constantemente é algo possível? Isto ajuda, desgasta ou com o tempo se torna cansativo?  

Não é possível. A data ‘Dia dos namorados’ é basicamente uma data criada com apelo comercial, portanto, tem uma chamada de mercado, mesmo que seja importante assim como outras datas que comemoram ou apoiam notáveis causas – neste caso, o amor romântico. Entretanto, o grande lance da vida é exatamente a demonstração de interesse, atenção, afeto, do verdadeiro cuidado de um para com o outro e principalmente a comunicação aberta e amiga – assuntos sexuais, romantismo, financeiros, educação de filhos, medos, problemas, alegrias, brincadeiras, autenticidade entre outros; demonstrados através de hábitos de abraços, beijos, andarem de mãos dadas, falarem um ao outro que se amam ou que sentem muito quando cometem algum erro; terem códigos sexuais, códigos e brincadeiras quando estão em público, às vezes se presentearem de surpresa, outras vezes mandarem mensagens inesperadas e ainda outras fazerem algum mimo ou loucura (sexual ou não). Mas isso é um crescer. Não acontece de uma hora pra outra e os dois devem querer. Coisas desse tipo só tendem a melhorar relacionamentos. Ninguém se cansa de afeto, carinho, atenção, amizade, comunicação, autenticidade, verdade, mesmo quando o amor acaba. As pessoas se cansam de agressões, grosseria, desatenção, atitudes de inimizade, falta de comunicação, falsidade, mentira, mesmo se ainda existe amor.

Existem características em um relacionamento que demonstram que a relação não tem mais jeito?

Alguns sinais são característicos. Tenho observado que homens e mulheres que procuram o consultório médico de sexologia para ‘salvar’ o casamento tem uma boa porcentagem de não ter como salvá-lo nessa área. Geralmente encaminho aos psicólogos que, me relatam a mesma observação: já, a muito tempo esse casamento e não o sexo, era o problema. Vamos aos sinais mais clássicos: se começamos a visualizar ou fantasiar nossos futuros projetos sem nosso cônjuge; se não aceitamos ajuda profissional para trabalhar este relacionamento; se a comunicação, os desejos e pensamentos, não são mais compartilhados com o parceiro ou parceira; se os mecanismos de defesas e desculpas aumentam em ambas as partes – esquecem datas que nunca esqueceram, dão desculpas para o que não tinha entre outros. Se você se sente sozinho ou sozinha tentando resolver os problemas do relacionamento; se um quer sexo e outro não ou se os dois não querem mais sexo e caem na desculpa de ‘fase’, a coisa está bem ruim. Existem mais alguns sinais entretanto, é importante que a pessoa procure um profissional para ajuda. Um psicólogo é o mais indicado. Um psicólogo especializado em relacionamentos e casais, mais ainda.

O que leva o relacionamento a esfriar com o tempo?

Esfriar anda muito fácil em tempos de internet, facebook e wathsapp. Mas vamos lá. A falta de intercâmbio erótico diário esfria muito o relacionamento, ou seja: a falta de carinho, a  atenção (menos wathsapp e facebook) e carícias – nem precisa ser sexo. A falta de sexo também esfria relacionamento. Agirem como se não fossem amigos esfria relacionamento. Esfriam relacionamentos casais que se fecham entre quatro paredes e se isolam de outros amigos e não se socializam com outros casais ou se socializam com casais lamentadores (aqueles casais que estão sempre reclamando do seu par). O relacionamento esfria quando as tarefas domésticas são mal divididas e um toma pra si todo o trabalho ou os dois fazem o trabalho de má vontade. O relacionamento esfria quando as pessoas não falam sobre ele ao menos quatro vezes ao ano (pelas pesquisas australianas em Melbourne) da forma: “O que fizemos de bom (e de mal) nesses últimos meses” “O que posso fazer por você”, “Como tem sido nosso sexo” – falar sobre relacionamento ainda é um tabu a vencer.

“Esfriar (relacionamentos) anda muito fácil em tempos de internet” – Dra. Adélia Maria Batista

O sexo é realmente necessário para um relacionamento duradouro e feliz?

Fundamental. O conceito sexualidade, onde o sexo está incluído é vital para os relacionamentos entre pares (e impares). 

É preciso agendar ou marcar hora para fazer sexo? 

Eu conheço culturas que fazem isso: o sexo é sexta ou sábado à tarde, lá pelas 5 horas. Os casais acabam ajeitando seus horários e seus cantinhos para o sexo. Se a gente tem um relacionamento que é família com filhos por exemplo, é difícil ir lá pro sofá da sala na hora da novela e fazer sexo. Ou ir lá pra rede da varanda do quintal na luz da lua. Nesta situação, temos de ter criatividade. Nos horários ‘ajeitados’ por nós, fazer sempre o melhor e mais prazeroso sexo que pudermos.  Eu fico muito contente que, hoje, até na zona rurais do nosso município, produtos eróticos são comercializados e comprados pelos casais. Entretanto, não precisamos de agenda para sexo. Aliás, sexo sem horário, de maneira natural, sem necessidade de preocupação com isto ou aquilo é muito gostoso e saudável.

Como a mulher pode dar conta da rotina profissional e ter uma boa vida amorosa?

Eu posso dizer estritamente aqui da minha região: quando ela não tiver dupla jornada e dividir as tarefas domésticas com seu par. Vejamos: das milhares de mulheres que eu já atendi com problemas de desejo sem alterações hormonais, muitas estavam ligadas ao cansaço físico e mental. Qual a novela frequente disso aí: a mulher acorda, faz o café, vai comprar o pão, faz a marmita ou já deixa o almoço adiantado, vai para o trabalho, volta do trabalho, passa umas roupas, coloca outras pra lavar, vai ver a tarefa de casa das crianças, toma um banho, liga a tv na Globo (que todo mundo xinga mas todo mundo assiste), vê a novela enquanto fala no facebook e whatsapp, coloca as crianças na cama, deita e dorme “morta”!  O homem toma o café da manhã, um banho (com uma masturbação às vezes), vai para o trabalho, volta do trabalho, ajeita alguma coisa em casa, vai tomar uma cerveja ou assistir TV (ou os dois), dorme uma soneca, facebook e whatsapp e para falar mal de governo, do time do amigo e ver mulher pelada em grande parte das vezes (o que ativa seu descansado lado sexual). Moral da história: O que é pra Chico, não é pra Francisco. Isso deveria mudar com uma boa comunicação nesta relação e mudanças naquilo que já foi falado acima. Imagina os dois podendo se masturbar, irem trabalhar, verem homens e mulheres pelados na internet, dormirem uma soneca, ajudarem os filhos, fazerem almoço e jantar, limparem a casa, a roupa juntos, danarem com governos corruptos, conversarem no whatsapp e depois curtirem um sexo selvagem sossegados e dormirem de conchinha… eita! É claro que, em nível científico mundial, a cultura feminina do desejo sexual, dentro de uma relação, ainda está longe da cultura masculina por que as mulheres ainda, infelizmente, tem uma visão romantizada do ato sexual. E isto atrapalha bastante a vida sexual num casal seja heterossexual (um homem e uma mulher) ou homossexual feminino (duas mulheres).

Existe casamento sem sexo, ou isto é apenas em casais após os 60 anos de casados?

Eu acredito que, mesmo aqueles pares que tem 60 anos de casados deveria ter sexo. Mas existem sim, casamentos sem o ato sexual, entretanto continuam com intercambio erótico, ou seja: carícia, carinho e atenção. E devem estimular esta carga erótica que ainda tem. E procurar um profissional para melhorar.

Existem muitos casos de separação porque um deles não gosta de manter relação sexual com frequência?

Existem casos, mas não muitos casos. Pelo menos na minha experiência de consultório não. Surpreendentemente a falta do ato sexual frequente não está entre as grandes causas de separação, entretanto, a falta de intercâmbio erótico sim. Aquele beijinho de bom dia, aquele abraço na cozinha, aquele cheiro depois do banho, aquele tapinha no bumbum, aquele ‘eu te amo’ fora de hora, a falta disso está entre as causas de separações.

Homens que assistem muito a vídeos pornográficos tem mais vontade de fazer sexo?

Não somente homens, mas, mulheres também podem (e devem) assistir vídeos pornográficos. É saudável e estimula sim o desejo sexual. Aliás, a pornografia tem a idade da historia da humanidade. O problema é a porno-dependência. Ou seja, dependência ou vício pela pornografia que cria nas pessoas (homens e mulheres) um mundo sexual à parte. Um alerta às populações vulneráveis: vítimas de abuso sexual, solitários e solitárias, adolescentes, pessoas em estado de fragilidade afetiva e pessoas com frustrações na área sexual. A porno-dependência é doença e precisa ser tratada.

É normal mulher também ver pornografia?  Isto atrapalha a relação?

Como eu já disse é normal sim. A mulher é tão curiosa quanto o homem à pornografia ou erótica. O problema é a cultura que não estimula a mulher a satisfazer essa curiosidade como faz com os homens. Todavia, nunca é tarde para aprender a ver a pornografia e a erótica. E, quanto a atrapalhar a relação, caso os dois estejam já preparados, aprenderam e gostam de assistir erotismo e pornografia, tudo bem. Isso só melhora nossos jogos do dia a dia.

A internet mais une ou separa casais?

Depende da comunicação que existe. Assuntos como: ter a senha um do outro ou não em e-mails ou grupos sociais, o que deve ser ou não colocado para o público em comum acordo, as consequências de ser muito popular ou ter um trabalho que leve a isso, a diferença do espaço virtual e do espaço familiar-relacional. Eu não conheço nenhuma pesquisa relacionada a este tópico ainda. Gostaria de saber se existe essa pesquisa. Talvez não seja muito interessante para as mídias sociais que tenha essa pesquisa, quem sabe.

O estresse profissional pode afetar uma relação a dois?

Todos os estresses afetam relações. Caso isso estiver acontecendo escute e ampare, não compare um com o outro, comecem a fazer atividades juntos – principalmente exercícios físicos ao ar livre, entenda que cada um tem uma maneira diferente de lidar com o estresse (respeite isso) e, principalmente, não pare com o intercâmbio erótico. Continue carinhoso e carinhosa e atencioso e atenciosa.

Existem segredos ou hábitos para ser feliz?

Eu sempre digo uma coisa: a felicidade é e está sempre. É a gente se agarrar nela seja com exercícios, música, esporte, poesia, sexo, trabalho, arte, até com florais, chás, anti depressivos, festas, que é que tem?  O que deve existir, num bom relacionamento, é o habito frequente de não deixar a infelicidade entrar. Lembrando que, no meu dicionário, tristeza e infelicidade não são sinônimos…a gente pode estar triste e ser feliz.

Se quiser falar com Dra. Adélia entre em contato
[email protected]

COMPARTILHAR

Comentários