O sonho do título inédito da Taça EPTV de Futsal vai ser adiantado por pelo menos mais um ano. No fim de semana, Andradas desbancou Três Pontas ao empatar em 1 a 1 e foi campeã da 26ª edição da competição. O gosto amargo da perda, apesar de encerrar a sua campanha invicta, repercutiu nas redes sociais e os trespontanos parabenizaram os atletas e comissão técnica. Neste domingo (28), o técnico André Luis da Silva respondeu a alguma perguntas sobre a disputa e sobre a perda do título. 

ENTREVISTA

Qual a avaliação você faz da campanha do TAC na Taça EPTV?

Mesmo não conseguindo trazer o título tão almejado para Três Pontas, a campanha do TAC FUTSAL foi excelente no meu ponto de vista, em 2013 quando iniciamos o projeto TAC FUTSAL com o objetivo de tentar resgatar a hegemonia do futsal de nossa cidade, ficamos entre os 6 colocados da competição, já no ano de 2014 chegamos mais longe , ficamos em terceiro lugar, já em 2015 conseguimos chegar na final da competição, não conseguimos o título mas na minha opinião,o ciclo deste grupo ainda não acabou e estamos numa crescente, quem sabe no ano de 2016 será o nosso ano.

Qual o sentimento que fica de ser vice, sem perder ao menos uma partida?

O sentimento de tristeza, pois chegamos a uma final invicto e saímos perdedores invictos. Mas conversei com todo grupo de jogadores, e falei para eles que não é o momento de lamentar e sim de refletir aonde erramos e tudo nesta vida serve de aprendizagem e de experiência. Para que no futuro bem próximo ou em uma próxima competição, nós não cometemos os mesmo erros.

Você acha que o regulamento é injusto, com Andradas tendo vantagem de jogar pelo empate?

Acho ele injusto sim, mas desde que você vai a um congresso técnico e assine e aceite você esta sujeito a esta situação, nós sabíamos que isto poderia acontecer como de fato aconteceu.

Você não começou o jogo com Porquinho, como vinha fazendo. Isto prejudicou a equipe?

O Porquinho é um jovem com grande talento, uma revelação junto com o Leozinho em nossa cidade. Mas eles estão no 3º ano do ensino médio da escola e estavam participando dos Jogos Escolares, e por uma infelicidade as datas coincidiram na semana da final, acarretando na falta de treinamentos. Eu precisava montar uma equipe para a grande final e organizar um sistema tático. Como eles não treinaram e nem mesmo sabia se eles participariam da grande final me coube, organizar a equipe com outros jogadores do elenco. Mas são duas jóias do futsal de Três Pontas.

Você não acha que se tivesse colocado o Porquinho mais cedo no jogo ou feito outras alterações o resultado seria diferente?

Achar é complicado, pois fica aquela incógnita, o jogo é de 25 minutos corridos, com toda a pressão é preciso concentrar e pensar com calma, tentando não errar mesmo com a adrenalina a mil. Mas tenho a convicção que tentei fazer o melhor possível, avaliar a partida e alterações depois do jogo é mais fácil do que durante a partida, mas sempre fica a experiência para próxima competição. Sempre que posso tento utilizar o máximo de jogadores possíveis dentro da partida, mas para que isto aconteça, depende muito da situação da partida.

Considerações finais

Também não poderia deixar de agradecer todos os trespontanos que torceram e vibraram com nossa equipe, a toda diretoria Ney Antonio, Marcelinho, Wendel Rabelo, Thiagão, Regi e todos os patrocinadores – Clube da Casa Nova Era Lojas Im, Dodo Esportes e Prefeitura Municipal de Três Pontas, por acreditarem no projeto TAC FUTSAL, no grupo de jogadores e no meu trabalho a frente da equipe. O título não veio desta vez, mais trabalharemos para tentar este almejado título.

COMPARTILHAR

Comentários