*Operação contou com o apoio da PM e cumpriu mandados de busca, apreensão e prisão. Suspeito monitorava a chegada da polícia

A Polícia Civil desencadeou na tarde desta terça-feira (22), uma grande operação contra o tráfico de drogas em Três Pontas.

Após quatro meses de investigações, os policiais civis cumpriram com o apoio da Polícia Militar, mandados de busca, apreensão e prisão em duas residências no bairro Aristides Vieira.

Kelvin tem diversas passagens por vários crimes. Já Júlio Cesar quando menor ano passado, ficou apreendido por ter participado do incêndio no Estadual

Quando as equipes chegaram na casa do suspeito Kelvin Vitor Naves ele estava no quintal com Júlio Cesar Costa Rosa de 18 anos. Kelvin monitorava a chegada de usuários e menores que eram aliciados para trabalharem no tráfico. Através de câmeras de segurança e de uma TV que ficava na sala observava tudo do lado de fora, principalmente se a polícia chegasse. Um menor de 14 anos que também estava na residência, tentou fugir pulando o muro dos fundos, mas não conseguiu e foi apreendido.

Na residência foram encontradas duas armas, sendo uma de brinquedo, mas muito semelhante a uma pistola de verdade, munições, diversas pedras de crack, R$79 em notas, uma grande quantidade de moedas, embalagens e três aparelhos celulares. Tudo foi apreendido.

Kelvin atuava no tráfico de drogas desde quando morava no bairro Padre Vitor, se mudou para o Aristides Vieira, mas continuou no crime e tinha uma lista enorme de “clientes”. Constantemente era abordado nas ruas pelas polícias militar e civil. Ele já tem passagens por tráfico de drogas, porte de arma branca, lesão corporal, furto, roubo e é suspeito de ter efetuado três tiros contra o segurança Marcos Paulo da Silva, durante um torneio de futebol no bairro Santa Edwirges, em outubro do ano passado. Um deles atingiu a vítima de raspão.

Já Júlio César, em junho do ano passado quando ainda era menor de idade foi apreendido depois de atear fogo na Escola Estadual Deputado Teodósio Bandeira junto com outros três adolescentes. As chamas atingiram algumas salas, mas foi de grandes proporções, o que exigiu um trabalho enorme do Corpo de Bombeiros. A sala da vice diretora e o arquivo ficaram completamente destruídos.

Com a ajuda das câmeras de segurança, eles foram identificados poucas horas depois e levados para o Presídio, onde permaneceram por alguns dias em uma cela separada. Depois de cinco dias foram liberados, mas tinham que cumprir medida sócio educativa e não podiam ficar pelas ruas.

Ambos foram presos e levados para a Delegacia de Policia Civil. O adolescente foi ouvido e liberado em seguida.

A PM informou que já fez várias ações neste local que resultaram na apreensão de drogas.

(Fotos: Equipe Positiva)

COMPARTILHAR

Comentários