* Eles são acusados de torturar um menor de idade e intimidar os moradores  

Os moradores do bairro Morada Nova em Três Pontas acordaram na manhã desta quarta-feira (07), com a movimentação intensa da Polícia Civil, que montou um enorme aparato, envolveu o apoio da Subsecretaria de Administração Prisional (Suapi), para fechar todos os acessos ao bairro, na deflagração da Operação Alastor.

Foram cumpridos sete mandados de busca e apreensão e seis mandados de prisão expedidos pela Justiça, foram cumpridos com sucesso. No total foram 6 homens e uma mulher presa. Em uma das residências onde mora um casal, foi encontrado uma grande quantidade maconha, crack, dinheiro e anotações do controle das vendas de entorpecentes, no quarto onde eles dormiam, quando a Polícia invadiu a casa.

A Operação foi deflagrada através dos levantamentos feitos pelo serviço de inteligência, combate ao tráfico de drogas, associação criminosa, ameaças e porte de arma de fogo.

De acordo com o delegado responsável pelo caso, Dr. Gustavo Gomes, a PC investigava uma tentativa de homicídio e chegou até um adolescente que trabalhava como olheiro e aviãozinho do tráfico e teria sido torturado no meio de um cafezal, após o desaparecimento de uma quantidade de drogas. Como consequência, ele acabou sendo condenado pelo Tribunal do Crime. O crime teria sido em março e um mês depois, o menor ainda apresentava muitas marcas pelo corpo, inclusive de queimaduras provocadas por plástico derretido. Os seis suspeitos conhecidos no meio policial, foram presos nesta operação.

O delegado regional de Varginha Dr. Roberto Alves Barbosa Júnior informou que eles tem uma grande influência no tráfico na cidade, com poder de domínio fazendo ameaças inclusive aos moradores. “Por isto definimos fazer a operação de uma só vez, para que ninguém fique acuado de fazer denúncias e que com a ajuda da comunidade possamos prender mais pessoas”, destacou o delegado.

A Operação da Polícia Civil foi batizada de Alastor que tem como origem uma mitologia grega, que seria um Deus que cobrava as dívidas das pessoas que o deviam com agressões.

Trabalharam cerca de 50 policiais civis, que utilizaram forte armamento. Um carro e uma moto foram apreendidos. Os nomes dos presos não foram divulgados.

A Praça Tristão Nogueira foi fechada pela Guarda Civil Municipal onde ficaram estacionados os veículos da policia

ASSISTA AOS VÍDEOS 

Entrevista com o delegado regional de Varginha Dr. Roberto Alves Barbosa Júnior

Entrevista com o delegado responsável pelas investigações Dr. Gustavo Gomes

COMPARTILHAR

Comentários