Um pedreiro de 58 anos morreu na manhã desta sexta-feira (27), em Três Pontas. A principal suspeita da família, é de que ele tenha sido vítima da Dengue, doença que vem se alastrando de forma acelerada em vários pontos da cidade e em alguns bairros, a situação é critica.

Antônio Carlos de Oliveira, conhecido por Tinho, estava internado desde ontem a noite (quinta-feira) na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital São Francisco de Assis. Ele morava na Rua Dr. Godofredo Rangel, no bairro Vila Marilena, um dos bairros mais afetados pela doença, junto com a esposa, uma filha e uma neta. Na casa dele não há sujeira no quintal ou algo que possa acumular água, de acordo com a filha Tatiana dos Santos Oliveira Zavalhia.

O quadro de saúde dele evoluiu muito rápido, pegando familiares, vizinhos e amigos de surpresa. Antônio Carlos era evangélico, da igreja Assembleia de Deus, não bebia, não fumava e vivia uma vida tranquila, trabalhava sempre usando a bicicleta. Nesta terça-feira (24), ele foi para o Pronto Atendimento Municipal (PAM), sentido dores no corpo e uma febre muito alta. O exame de sangue constatou que era Dengue. De volta para casa, lhe foi receitado Paracetamol e que tomasse muito líquido, principalmente água.

Tinho editadoTatiana continua contando os últimos momentos que seu pai estava vivo. No dia seguinte, a situação dele piorou, além dos outros sintomas, ele também vomitava e foi preciso buscar o socorro do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) que o levou para o PAM. Tatiana afirma que o pai precisava ser internado, mas não havia leito disponível, ele então voltou mais uma vez para casa. Ontem, quinta-feira (26), a situação se agravou ainda mais. As mãos e as dobras do corpo estavam roxas, Tinho estava com 45 graus de febre, com dificuldades de falar e não conseguia mais beber água. No início da noite, ele foi levado para o PAM, onde ele teve uma parada cardíaca e o precisou ser reanimado. Desta vez, havia vaga na UTI e foi lá que ele ficou até por volta das 8 horas da manhã desta sexta-feira (27), mas não resistiu e morreu.

A Equipe Positiva apurou que sofreu uma septicemia – infecção generalizada grave que se espalha por todo o corpo. O corpo  foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) de Varginha, onde passou por necropsia, que vai identificar a causa da morte, ou seja, o que teria provocado a morte do pedreiro.

Ela espera o resultado destes exames, mas acredita que tenha sido a Dengue mesmo que provocou a morte de seu pai. A Secretaria Municipal de Saúde (SMS), não confirma, se resguarda e afirma que apenas os exames é que vão definir a causa do óbito.

Em janeiro, uma mulher de 57 anos morreu por Dengue em Três Pontas, porém em uma situação diferente. A paciente preferiu procurar atendimento médico em um hospital particular de Varginha e a SMS só soube do caso depois do óbito.

COMPARTILHAR

Comentários