Na casa dela, a PC encontrou várias bolsas que foram furtadas também em supermercado e lanchonete mas como não houve flagrante ela vai responder o crime em liberdade 

A Polícia Civil de Três Pontas identificou e intimou uma diarista de 47 anos que é acusada de praticar vários furtos aqui na cidade e em Varginha. O que chama a atenção é que as vítimas sempre estão dentro de supermercados, lanchonete e em igrejas. Basta ver uma pessoa distraída fazendo compras ou rezando que ela não se intimida leva a bolsa e carteiras. Em um dos casos, no fim de fevereiro, uma lavradora que estava na Matriz Nossa Senhora D’Ajuda perdeu a carteira com documentos, cartão de crédito com a senha. A acusada foi até a agência bancária e efetuou um saque de R$1.140,00 e pediu para que a filha depositasse o dinheiro numa conta dela. Ela teria dispensado a carteira na Praça Cônego Victor. Na casa dela no bairro Santa Inês, os policiais civis encontraram várias bolsas e dinheiro.

Quando furtou em um supermercado, ela percebeu a distração de um cliente que deixou a carteira dentro do carrinho de compras e usou todo o dinheiro para pagar as compras que havia feito.

Segundo o delegado Roberto Alves Barbosa Júnior a senhora cometeu vários furtos, dois já apurados e outros em Varginha, quando ia visitar a irmã. Não é possível avaliar se ela tem problemas de insanidade mental, mas é caso de policia, pois a diarista vem cometendo vários delitos, demonstrando que é predestinada a cometer crimes. Todos os crimes já estão sendo apurados e inquéritos estão sendo instaurados, mas outras vítimas podem aparecer. Como não foi presa em flagrante ela foi apenas identificada, conduzida à Delegacia de Policia Civil e liberada. O delegado afirma que o caso serve de alerta, já que ela se aproveita da distração das pessoas que estão rezando nas igrejas, fazendo compras ou lanchando e leva bolsas e carteiras. Os materiais foram apreendidos e serão devolvidos. “Isto é um alerta para que as pessoas tomem cuidado com carteiras, bolsas e veículos abertos ou com objetos no painel o que chama a atenção”, afirma o delegado.

[php snippet=2]

 

PC MULHER QUE ROUBA

A cleptomania 

A cleptomania faz parte dos Transtornos no Controle dos Impulsos. A necessidade surge como um impulso que não se consegue controlar e normalmente os objetos que despertam desejo sobre os cleptomaníacos são aqueles de baixo valor, embora isso não seja uma regra invariável. Os impulsos para o furto são mais fortes do que a capacidade da pessoa em controlar-se, daí a inclusão da cleptomania nos Transtornos do Controle dos Impulsos.

Algumas características da cleptomania se assemelham muito ao transtorno obsessivo compulsivo, por isso, embora atualmente a doença esteja classificada nos Transtornos do Controle dos Impulsos, está sendo cogitado classificá-la no Espectro Obsessivo-Compulsivo. Como outros transtornos que implicam em compulsões, como por exemplo, a bulimia, onde o paciente a sente-se culpado e envergonhado por de ter comido demais, na cleptomania também o paciente sofre culpa, arrependimento e vergonha depois de ter furtado.Aparentemente, a pessoa portadora de cleptomania é completamente normal em todas as outras áreas psíquicas. Não há nenhum traço que identifique algum descontrole emocional em outras atividades psíquicas como em algumas outras doenças mentais, ou seja, não é possível identificar o cleptomaníaco se ele não furtar objetos. Acredita-se que cleptomaníacos possam ainda apresentar sinais de depressão, ansiedade, anorexia e outros transtornos associados.

A cleptomania deve ser diferenciada de atos comuns de roubo ou furtos em lojas. Geralmente a cleptomania começa no final da adolescência e continua por vários anos da vida adulta. Atualmente é considerada uma doença crônica e seu curso ao longo da vida é desconhecido, ou seja, não se sabe se ocorre cura espontânea ou não.

[php snippet=4]

COMPARTILHAR

Comentários