O Conselho Municipal de Políticas sobre Drogas (COMAD) de Santana da Vargem, foi empossado na manhã desta segunda-feira (30), em uma cerimônia realizada no Auditório Monsenhor José Ribeiro. Há meses a Prefeitura vinha articulando a criação do grupo e a posse de 13 dos 15 membros quem iniciam um ciclo fundamental para a prevenção, combate e repressão ao uso de drogas na Cidade.

Ligado a Secretaria Municipal de Saúde, mas com apoio irrestrito da Secretaria Municipal de Assistência Social, o grupo formado por integrantes do Governo e sociedade civil, cria a politica municipal sobre drogas, coordena, fiscaliza e apoias as ações das instituições que trabalham com a redução da demanda de drogas, com prevenção, tratamento e reinserção social de usuários, abusadores e dependentes de substâncias psicoativas.

Estudantes, profissionais da educação, servidores municipais, assessores de Governo e convidados, ouviram as pretensões do trabalho a ser desenvolvido e também com testemunho real, exemplos do que as drogas são capazes de provocar.

Orientação, prevenção e repressão

03
O prefeito ressaltou a importância do Conselho e que dará todo suporte para o trabalho
Atentos ao tema, estudantes das escolas acompanharam a posse do COMAD
Atentos ao tema, estudantes das escolas acompanharam a posse do COMAD

Assim como no sistema de saúde, a prevenção é melhor que o remédio que nem sempre cura, ainda mais se tratando das drogas. Alertando que é preciso trabalhar com as crianças nas salas de aulas, o prefeito Vitor Donizetti Siqueira (Vitor Elói) (PT), defendeu que o governo demorou a implantar as políticas sociais. Na visão do gestor, o Conselho deve conhecer o que já há disponível nas esferas superiores de governo e depois ser um instrumento a mais, levando insistentemente às comunidades urbanas e rurais, orientação, formação e ouvindo as demandas capazes de também auxiliar na repressão. Se comprometendo a apoiar o COMAD e destacando a importância dele à comunidade, Vitor Elói informou que os Conselhos se tornam pilares importantes da Administração. E por isto, até já anunciou que está formando o Conselho de Defesa dos Direitos da Mulher.

Testemunho de que droga não vale a pena

04

Um dos momentos que mais chamaram a atenção foi o depoimento de um ex usuário de drogas, que teve como pilar uma igreja e, como guia, a sua própria consciência de que não dava mais. Evandro Luis (foto) tem hoje 38 anos, é casado e tem dois filhos. A sua história inicia quando ele tinha apenas 13 anos de idade e por uma brincadeira experimentou bebida alcoólica. Da cerveja, foi para o vinho, depois a cachaça. Com 20 anos começou a usar maconha e depois cocaína, mas o organismo sempre pedia mais. Apesar dos inúmeros conselhos dos pais, nada o impedia, até ele conhecer o crack. Perdendo a vontade viver e de realizar seus sonhos. Com 33 anos, Evandro vivia na rua, fumava de forma descontrolada, tinha dívida com o traficantes de drogas. Algumas pessoas o ofereciam ajuda, mas a resposta era sempre “não”. Até que o pastor Ernandes da Igreja Sara Nossa Terra o estendeu a mão e depois de um tempo e de muita insistência, Evandro está liberto. Há cinco anos o pedreiro venceu esta luta, mas nem todos conseguem, independente da classe social, por isto, é preciso ouvir os bons conselhos.

Números comprovam malefícios

07O soldado da Polícia Militar Willian Oliveira está há 5 anos como instrutor do Programa Educacional de Resistência às Drogas, o PROERD e por isto exerce uma grande liderança entre as crianças e jovens. Ao falar com eles durante a posse dos Conselheiros, o PM mostrou números impressionantes sobre o álcool, uma droga lícita que mata. No Brasil existem 11,7 milhões de dependentes. Tanto é que 65% das mortes no trânsito é provocada pelo uso de bebida, totalizando 17.300 mortes por ano. E as pessoas começam a beber cada vez mais cedo, ainda menor de idade. Quem vende pode sofrer preso e cumprir pena de 2 a 4 anos.

Apresentação

Os membros do novo Conselho foram chamados a frente e apresentados à comunidade oficialmente, enquanto a leitura do Estatuto do Conselho Municipal de Políticas Sobre Drogas, como é determinado, foi feita pelo presidente empossado, Adler Maganha de Pádua.

Tomaram posse – Adalberto Silva Brasil, Ana Paula do Nascimento, Camila Scalioni Brito, Cristiane Silva, Lucy Miranda, Luiz Otávio Pereira, Maria Inês Nogueira, Maria Leny de Souza, Maria Lúcia Rabelo Botrel, Marília Costa Moraes Silva, Messias Eduardo da Silva, Robson Ramos Resende, Vanessa Seixas e Willian de Oliveira.

Além do prefeito Vitor Elói, participaram secretários municipais, vereadores e o assessor do deputado federal Reginaldo Lopes (PT-MG), Ansil Souza Filho.

COMPARTILHAR

Comentários