Fonte: G 1 Sul de Minas

O prefeito de Alfenas (MG), o vice e os 16 secretários abriram mão do subsídio que receberiam pelo primeiro mês de mandato. O prefeito Luiz Antônio da Silva (PT), o Luizinho, disse que os pagamentos voltarão a ser feitos normalmente a partir de fevereiro, mas não terão efeito retroativo. Com a medida, ao menos R$ 156,5 mil devem ser economizados pela administração que assumiu em 1º de janeiro. “Foi uma decisão que tomamos entre nós, já que janeiro foi um mês para colocar a casa em dia. O trabalho mesmo começa em fevereiro, mas não vamos repor o subsídio desse mês”, explicou.

Em Alfenas, o subsídio do prefeito é de R$ 20 mil, sem o desconto de impostos. Em valores brutos também, o vice-prefeito ganha R$ 13,3 mil e os secretários, incluindo controlador e procurador do município, recebem R$ 7,7 mil. Luizinho, que já ocupou as funções de prefeito e vice na cidade, diz que decisão não foi só financeira.

“É uma demonstração de boa vontade, inclusive nesse momento em que o país vive uma crise financeira. Mais que uma questão financeira, queremos mostrar que estamos fazendo nossa parte”, afirmou.

Além economia com os salários no gabinete, o prefeito disse que começou um trabalho de credenciamento dos serviços de saúde da cidade para atrair novos recursos.

Em crise
Luiz Antônio Silva assumiu a prefeitura de Alfenas como vice de Pompílio Canavez na gestão 2009 e 2012 e assumiu o cargo de prefeito em 2010, quando o titular da chapa se afastou para candidatar-se a deputado estadual. O encerramento do mandato ficou marcado pelo atraso no pagamento do 13º salário dos servidores e falta de medicamentos de distribuição gratuita. À época, houve protestos em frente à prefeitura.

Nos anos seguintes, a cidade continuou enfrentando problemas financeiros, que culminaram na demissão de mais de 100 pessoas em cargos comissionados entre o final de 2014 e o início de 2015 e redução de expediente nas repartições públicas. A dificuldade em atrair investimentos para Alfenas foi apontada como principal motivo do desequilíbrio nas contas.

Saída é buscar recursos
De volta à prefeitura, Luiz Antônio Silva avalia que os problemas financeiros vividos na cidade refletem a situação econômica do país e que não há tempo para se reclamar. “Eu já sabia como as coisas estavam quando me candidatei. As dificuldades que Alfenas enfrenta são as mesmas de muitos municípios. Temos uma dívida que era de R$ 39 milhões em 2012 e agora é de R$ 45 milhões. Vamos trabalhar para buscar recursos”, disse.

COMPARTILHAR

Comentários