*Ele é uma fonte de recarga de água no Município, mas população joga entulho no seu entorno

A falta de chuva tão propagada em todo o Brasil, reforça a necessidade de cada um preservar a natureza, o que ao longo dos anos parece não ter acontecido. O desmatamento é absurdo e as consequências estão sendo sentidas agora. A principal delas é a falta d’água. Em várias partes do País de forma severa. Em Três Pontas, as medidas adotadas são preventivas, mas colocou o setor público e a população em situação de alerta. O Município entra em Estado de Emergência a partir de 03 de novembro, por conta de um Decreto baixado pelo prefeito Paulo Luis Rabello (PPS).

A Secretaria de Meio Ambiente, já previa que a situação ficaria crítica, tanto que já levava a educação ambiental para as escolas há três meses, pregando aos estudantes que a conscientização e o uso racional da água são fundamentais.

Esta semana, em parceira com a Secretaria de Transportes e Obras e o Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE), a Secretaria de Meio Ambiente está limpando novamente a Área de Preservação Permanente (APP), que fica localizada no Residencial Santa Edwirges, em torno do Córrego Custodinho, responsável por boa parte do abastecimento da cidade.

20141021_094010

A Chefe da Divisão de Meio Ambiente Maria Helena Aparecida Ribeiro, lembra que desde 2011, o Município em parceria com outros órgãos, montou um projeto com uma Organização Não Governamental (ONG), chamada Nordesta, da Suíça, com sede em Arcos, onde os Córrego Custodinho, Formigas e Ramos foram todos mapeados. O geoprocessamento determinou a recuperação destas áreas por ser de abastecimento. Na parceria, a Cocatrel forneceu os insumos, formicidas, adubos e geos para plantio de árvores. A prefeitura e o SAAE fizeram todo o cercamento das áreas que são do Município e os proprietários que se conscientizaram, permitiram o trabalho e colocaram pessoal para fazer o cercamento. A Nordesta forneceu arames, mourões e as mudas para o plantio, sendo no total de 13 mil. O Instituto Estadual de Florestas (IEF) também teve papel fundamental no trabalho.

A Administração do prefeito Paulo Luis, dando continuidade a este projeto, faz o monitoramento destas áreas. Conseguiu fazer até certo tempo, mas o clima seco fez mudas não brotarem e serem perdidas. Outro problema é quanto ao fogo que a própria população vem colocando desde os fundos do bairro Santa Edwirges até as margens da MG 167, na saída para Santana da Vargem. Nestes locais, as secretarias fazem a limpeza constantemente, mas, moradores insistem em jogar materiais de construção e todo tipo de lixo. Agora será feito o replantio de mudas, porém, de acordo com Maria Helena é preciso aguardar o período de chuvas. Tudo é feito com a anuência do CODEMA, inclusive o uso da máquina na APP, pois o serviço é pesado demais para apenas os funcionários da Prefeitura. Em toda a extensão da cerca serão afixadas placas, pedindo a colaboração da população.

A Secretaria de Meio Ambiente pretende ampliar a mensagem de que é preciso gastar menos água. Os planos é levar o assunto às associações de bairros, igrejas e escolas por onde o Custodinho passa.

De acordo com o Coordenador de Recursos Hídricos e Meio Ambiente do SAAE, Marco Antônio de Oliveira Junho, a autarquia faz o trabalho de manutenção das ETAS, emissários e adutoras, acompanhando o projeto da Nordesta.

COMPARTILHAR

Comentários