Na foto, o médico chefe do PAM Dr. Lucas, a secretária de Saúde Teresa Cristina e o Chefe de Gabinete Deivis Victor

A Secretaria Municipal de Saúde respondeu na tarde desta sexta-feira (06), as reclamações de moradores do bairro Jardim das Esmeraldas, sobre a negativa da ambulância da Prefeitura em ir buscar pacientes no bairro que fica localizado na saída para Campos Gerais.

A secretária da área Teresa Cristina Rabelo Corrêa e o médico chefe do Pronto Atendimento Municipal (PAM) Lucas Eduardo Erbst Marques esclareceram como é o serviço prestado pelas ambulâncias “brancas” da Prefeitura e em que casos o SAMU deve ser chamado.

Segundo Dr. Lucas, a ambulância que fica estacionada na porta do PAM é destinada a levar pacientes para casa e ajudar o Hospital no translado de pacientes que estão internados para voltarem para casa ou serem transferidos para outras unidades de saúde da região.

Quando a Unidade de Serviço Básico (USB) do SAMU está em manutenção ou não pode atender, a própria Central de Regulação que fica em Varginha, contacta o Pronto Atendimento que faz o translado sem problemas, mas as ambulâncias da Prefeitura não tem mais esta função, após o Município celebrar convênio com o SAMU. As ambulâncias brancas é utilizada mais em horário marcado, como levar pacientes para consultas médicas agendadas e hemodiálise. “Todas as vezes que os trespontanos precisarem de ambulância de urgência, o primeiro serviço que precisa ser acionado é o SAMU, que é pago mensalmente para fazer este tipo de serviço”. Os socorristas do SAMU direcionam o atendimento, fazem no local os primeiros atendimentos que é fundamental. É bom lembrar que o SAMU conta com um técnico de enfermagem e uma unidade de remoção com suporte, diferente da ambulância que tem apenas o motorista. “O que o SAMU faz é primordial em qualquer urgência e os médicos inclusive são informados pela regulação caso necessite de um suporte maior no PAM”, explicou.

Dr. Lucas deixa claro que a Secretaria de Saúde não está excluindo, não exclui e não nega atendimento a nenhum cidadão e que o serviço de ambulância e socorro aos moradores funciona assim para todos os trespontanos, independente da localidade.

A secretária de Saúde Teresa Cristina, disse que está sempre de portas abertas na Secretaria para ouvir as reclamações e esclarecer as dúvidas das pessoas. Ela ainda informou que sobre a falta de medicamentos na Farmácia Municipal, ela está a disposição, para buscar soluções aos problemas relacionados a saúde.

Assista a reportagem na íntegra

COMPARTILHAR

Comentários