Por Loui Jordan

Muitos dirão decepcionante. O que basta dizer é que foi fora do roteiro. Brasil e Suíça se enfrentaram pela primeira rodada do grupo E eo jogo que terminou empatado teve vários ingredientes. A Suíça deixou uma boa imagem e o Brasil não demonstrou nenhum lampejo do bom futebol praticado nas eliminatórias. As seleções que jogaram hoje (17) em Rostov voltam a entrar em campo dia 22, o Brasil enfrenta a Costa Rica e a Suíça enfrenta a Sérvia.

Primeiro tempo

O jogo começou disputado em cada metro quadrado do campo, tanto brasileiros quanto suíços, faziam uma partida intensa e com bom toque de bola. Nos primeiros 15 minutos a Suíça pressionou a saída de bola e o Brasil também sabia subir suas linhas quando necessário. A primeira chance do jogo foi da seleção Suíça quando o meia Džemaili recebeu um bom passe aéreo e finalizou por cima do gol, depois Paulinho perdeu ótima chance de marcar após excelente trama criada pelo ataque canarinho.

O Gol saiu após a defesa suíça tirar a bola da área e ela sobrou nos pés de Coutinho que a 24 metros de distância não desperdiçou e fez um lindo gol, abrindo o placar aos 19 minutos, 1 a 0 Brasil.Neymar não fez um bom primeiro tempo, segurou muito a bola no meio de campo e atrasou o jogo coletivo, embora tenha sofrido algumas faltas.

William não teve tantas chances pelo lado direito e Jesus apareceu em alguns momentos, mas sem brilho. A defesa foi bem, o Brasil foi para o intervalo com a sensação que precisava encaixar um pouco mais para matar o jogo e do lado da Suíça, era importante manter o ritmo e acertar o último passe.

Segundo tempo

A etapa complementar foi semelhante ao início do duelo, só que a Suíça empatou aos 4 minutos em um lance de bola parada. O escanteio foi cobrado e Zuber subiu sozinho e próximo ao gol, era o empate Suíço. O time de Tite sentiu o gol e passou a ser mais ansioso durante as jogadas. Coutinho caiu um pouco de produção, assim como a maioria do time.É bom não confundir gás com bom jogo, o Brasil teve volume no final, mas não soube converter as oportunidades em gol.

A Suiça do técnico Petković se manteve bem estrategicamente e se tivesse uma melhor lucidez em contra-atacar, poderia vencer o jogo. Após mudanças dos dois lados, a partida parecia ficar realmente no 1 a 1e foi o que aconteceu. A Suiça deu a impressão que soube jogar melhor diante de sua filosofia, o time brasileiro ficou nitidamente balançando com o gol que sofreu, até construiu algumas chances, mas sucumbiu com elas.

Detalhes

É claro que muitos vão reclamar da arbitragem, o gol da Suíça, um suposto pênalti não marcado em Jesus e muitas faltas picadas durante o jogo.O importante é saber que o Brasil não é imparável nem mesmo imbatível, tudo ainda está sobre controle, a regra das últimas duas copas é vencer dois e empatar um na fase de grupos, o problema é que o empate foi na estreia.

É importante lembrar que a Suiça venceu a Espanha em 2010 na estreia da Copa, isso não significa que o Brasil será campeão e nem que é normal, mas significa que a Suiça é um bom time e pode causar dificuldades como causou. Para falar da estrutura brasileira, começamos pela defesa. Por mais que a irregularidade do gol da seleção suíça tenha sido clara, os jogadores de marcação e o goleiro deveriam estar mais atentos e ativos na jogada, não pode o seu adversário subir sozinho na pequena área.

O meio-campo foi razoável no primeiro tempo, Paulinho não foi tão bem. Casemiro estava melhorando quando foi substituído de forma precoce por ter tomado cartão amarelo. Tite demonstrou insegurança nesse momento. No ataque, Jesus e William foram apáticos em boa parte do jogo. O ponta-direita sempre procura o fundo e cruzava e William deve jogar um pouco mais por dentro para ser melhor aproveitado. Jesus teve um pênalti reclamado e uma chance onde não conseguiu finalizar e se atrapalhou ainda no primeiro tempo, ele fez uma bela jogada quando buscou a bola no meio de campo já na etapa final, mas não deu em nada. Jesus foi dedicado e voluntarioso, porém faltou a bola na rede.

Neymar foi o jogador que mais buscou o jogo e também era o mais buscado por seus colegas. O problema é que mais uma vez, o craque brasileiro atrasou o repertório e mecanismo coletivo com suas pausas e tentativas frustradas de jogadas individuais. É verdade que sofreu muitas faltas, Neymar ainda não está 100%, o chute de média distância continua sem confiança e fraco, mas ele pode ser decisivo e ainda ajudar muito.

Contudo, Coutinho é uma excelente arma para o Brasil, a Suíça e outras seleções da Copa vão vender caro os jogos, apesar do empate. O Brasil ainda é favorito para avançar em primeiro, com todo esse sentimento de decepção e até mesmo incerteza, mais uma dúvida está criada: para que serve o árbitro de vídeo? A tecnologia na arbitragem está confusa e precisa ser revista, não para excluí-la e sim para saber usá-la.

COMPARTILHAR

Comentários