Parecia uma cena real, algo que infelizmente se tornou comum no cotidiano dos trespontanos, seja na Cidade, nas estradas ou rodovias. Mas desta vez, era a simulação de uma ação de primeiros socorros, resgate e salvamento, de um acidente de trânsito, que integrou as atividades da Semana Nacional de Trânsito em Três Pontas.

E se foi para chamar a atenção, a conclusão da aula prática do curso que reuniu Guardas Civis Municipais de Três Pontas e Boa Esperança, profissionais da UNIMED e estudantes da Escola Técnica em Enfermagem, bem no centro, na Praça Cônego Victor, conseguiu convocar a muitos trespontanos para parar em frente a Matriz d’Ajuda e se juntar aos estudantes das escolas municipais Cônego Vitor e Cônego José Maria, que lá já estavam, apostos, embaixo de uma tenda.

As sirenes da viatura da Guarda Civil Municipal (GCM) e da ambulância da Prolife ligadas, deram mais realidade ao suposto atendimento e, a ocorrência era uma colisão entre um carro e uma motocicleta, com dois feridos. Durante a simulação, muitas pessoas pararam para tentar entender o que estava acontecendo e perguntavam se houve um grave acidente, mesmo sendo estranho por ser bem no centro da Praça.

07Desde manhã, eles estavam no Anfiteatro Francisco Galvão de Paula participando das aulas teóricas do curso, ministradas pelo coordenador do Centro de Treinamento e instrutor chefe da Prolife, Paulo Luiz, uma empresa especializada em atendimentos de urgência e emergência, que atualmente atende a todo o território nacional, com uma equipe altamente treinada em viaturas UTI.

Na cena eram dois feridos e a análise feita já no local apontava que as vítimas não se feriram com gravidade. No carro uma mulher, e caído ao lado da moto um rapaz. Eram duas equipes que se dividiram para o resgate. Antes de iniciar os procedimentos, eles tomaram todo o cuidado, sinalizaram e isolaram bem a área. Isto impede que novos acidentes aconteçam.

05A motorista estava consciente, foi imobilizada, retirada do veículo na prancha com colete cervical. Já o motociclista permaneceu caído após a colisão e foi imediatamente imobilizado. Primeiro com todo cuidado o capacete que permanecia na sua cabeça foi retirado com todo o cuidado. Familiares ou mesmo curiosos que acompanham o socorro, sempre questionam que talvez o resgate seja moroso e a impaciência. Porém, Paulo Luiz esclarece que muitas das sequelas e até mesmo mortes provocadas por acidentes, acabam sendo fruto não do acidente em si, mas da maneira incorreta com que as vítimas acabam recebendo os primeiros socorros. Mas, o pior inimigo do socorrismo é o tempo. Quanto mais rápido chegarem no local, e quanto mais rápido for a perícia da equipe, melhor é o atendimento e o resultado para a vítima. Neste caso, a simulação foi feita como se o local fosse de difícil acesso. O deslocamento da unidade demorou quatro minutos e o resgate mais 12 minutos. Pelo padrão internacional, salvar vidas em 16 minutos é classificado como padrão ouro (gold).

É fundamental que não apenas os membros dos órgãos de defesa social, como a Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, entre outros, todos conheçam e possam oferecer os primeiros socorros. Paulo Luiz, acredita ser uma obrigação social. Ainda mais que as estatísticas mostram que na região está acontecendo muitos acidentes de trânsito. “Se o conhecimento fosse mais difundido na sociedade, haveria mais pessoas qualificadas para auxiliar e minimizar qualquer mal maior às vítimas de trânsito”, explana.

Além de Paulo Luis, outros cinco profissionais da Prolife ministraram a capacitação. Depois, informalmente eles falaram às crianças um pouco do trabalho que realizam desde a sede em Varginha como em todo o Brasil. Da importância dos Socorristas Voluntários que atuam em Três Pontas e da satisfação em atender o convite da Guarda Civil Municipal (GCM), que todos os anos tem organizado a Semana Nacional de Trânsito.

Profissionais que participaram do curso e estudantes ficaram atentos a simulação
Profissionais que participaram do curso e estudantes ficaram atentos a simulação
COMPARTILHAR

Comentários