Discutir as questões prioritárias da cafeicultura, mecanização, coleta seletiva, manejo da lavoura e todas as tecnologias que vêm melhorando não só a produtividade, mas, especialmente, a qualidade dos cafés produzidos no país. Estes foram os objetivos do 9º Simpósio de Mecanização da Lavoura Cafeeira, realizado nesta terça-feira (15), no campo experimental da EPAMIG em Três Pontas no Sul de Minas. O evento faz parte da programação da Expocafé e reuniu cerca de 300 cafeicultores de nove estados, além de Minas Gerais.

Com o tema “Manejo mecanizado e colheita seletiva, visando à qualidade do café” o simpósio abordou nove temas, passando pelas tecnologias de preparo do solo e plantio, pós-colheita e secagem, gestão da qualidade e os desafios para vencer as variabilidades climáticas, além dos avanços tecnológicos na colheita seletiva. Os participantes consideraram o evento uma boa oportunidade para ampliar conhecimentos e trocar informações.

É a avaliação da cafeicultora Isabelle Anchieta da Fazenda Aracne, do município de Nepomuceno. Participando pela primeira vez do simpósio, ela veio em busca de informações técnicas para o novo investimento que pretende fazer. “Estou investindo no cultivo de café orgânico numa área nova de 50 hectares e a projeção é expandir as lavouras para uma área de 200 hectares no prazo de cinco anos. Encontrei no seminário muitas informações de pesquisas e um nível técnico excelente”, avalia.

Como exemplo da importância de se reciclar conhecimentos e acompanhar as novidades tecnológicas, a cafeicultora de Nepomuceno cita as mudanças em relação à presença da brachiária no cafezal. “Antigamente, ela era considerada sujeira e tinha que ser arrancada do meio das lavouras. Hoje já é comum encontrá-la na região, e nas palestras de hoje, vimos que com a condução e o manejo corretos ela não compete com o café por adubação, além de ser uma boa cobertura vegetal preventiva contra a erosão”, afirma.

Formado há dois anos, o engenheiro agrônomo Daniel Carvalho participou pela primeira vez do simpósio. Atento, ele não hesitou em levantar a câmera do celular várias vezes para fotografar os slides das apresentações que considerou mais interessante. “Eu me inscrevi para atualizar meus conhecimentos técnicos. O nome e a experiência dos palestrantes foram os motivos que me atraíram para o evento. A gente sabe muita coisa; mas sempre temos coisas novas a aprender em eventos com esse nível de qualidade técnica”, afirma.

Segundo o Professor da Universidade Federal de Lavras e um dos coordenadores do simpósio, professor Fábio Moreira, as palestras foram organizadas em dois grandes blocos. “Na parte da manhã, foram abordados os temas relacionados à produtividade e ao que fazer para termos bons frutos nas plantas. Na parte da tarde, abordamos os assuntos relacionados à colheita e pós-colheita, focando sempre na mecanização dos processos”, explica. Em sua avaliação, o seminário foi um sucesso de público. “Apresentamos temas de grande interesse e atualidade para os produtores e contamos com uma seleção de palestrantes de referência em suas áreas de atuação para as palestras”, afirma.

Abertura ao público

A Expocafé será aberta ao público nesta quarta-feira (16/05) e a programação segue até a próxima sexta (18), no Campo Experimental da EPAMIG em Três Pontas, com entrada gratuita. O evento é uma realização do Governo de Minas Gerais, por meio da EPAMIG, e espera um público estimado em torno de 15 mil visitantes. Nesta edição estão presentes cerca de 160 empresas expositoras, a maioria vinda do interior de São Paulo. “Pudemos notar uma diversificação no perfil das empresas expositoras que estão trazendo equipamentos e insumos para outras culturas além do café, atendendo ao perfil da maioria dos produtores”, avalia o coordenador-geral da feira, Antônio Nunes.

Além da exposição de máquinas, os visitantes vão encontrar uma programação técnica diversificada nos próximos três dias, como o Workshop sobre o mapeamento e monitoramento do parque cafeeiro de Minas Gerais.  O mapeamento do cafezal foi realizado pelo Governo de Minas, por meio da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), EPAMIG, Emater-MG, Codemig e Fundação João Pinheiro. O trabalho começou em 2016 e terminou em março deste ano e os resultados serão apresentados nesta quarta (16) ao público da Expocafé.

Além disso, estão previstos plantões técnicos nos diversos estandes, abordando temas da cafeicultura, além das dinâmicas de máquinas, oportunidade que os cafeicultores têm para obterem dicas e de conheceram, na prática, o funcionamento dos equipamentos das lavouras cafeeiras, demonstrados pelos próprios fabricantes e/ou fornecedores. (Texto: Imprensa Expocafé – foto Kelly Brito).

COMPARTILHAR

Comentários