*O último sino instalado na Matriz foi há 124 anos, por Padre Victor em 1.893, 12 anos antes do pároco morrer

O badalar dos sinos da Igreja Matriz Nossa Senhora D’Ajuda ganhou a partir deste domingo (26), o tom mais grave às melodias. É que um sino de bronze que pesa 550 quilos, adquirido pela comunidade, foi elevado ao campanário e acompanhado por dezenas de fiéis que participaram primeiro de uma celebração solene as 10:30 da manhã, presidida pelo pároco padre Ednaldo Barbosa e os vigários paroquiais, os padres André e Antônio Carlos.

O instrumento que ganhou o nome e a imagem do Beato Padre Victor, chegou na sexta-feira e ficou o tempo todo exposto na porta principal da Igreja. No sábado (25), Dia da Anunciação, o bispo da Diocese da Campanha, Dom Pedro Cunha presidiu uma missa e abençoou o no sino.

Os motivos para o sino ganhar o nome do sacerdote que é candidato a Santo, vai muito além de uma lembrança. É que quando Padre Victor, chegou em Três Pontas, em 1.852, ele encontrou um sino que havia sido fabricado em 1847. Em 1.893, 12 anos antes dele morrer, o pároco comprou o sino que pesa 250 quilos e a data está na torre. Agora, 124 anos depois, subiu o sino com seu nome que se juntou aos outros três e ressoam a grandeza de Deus. Nele está escrito, a gratidão dos devotos, da Paróquia Nossa Senhora D’Ajuda e da Associação Padre Victor, que é guardiã de tudo aquilo que o Beato deixou como legado.

No final da celebração que marcou a elevação do sino a torre, Padre Ednaldo revelou

Padre Ednaldo revelou que sonhava com o sino de 550 quilos desde 2011 quando chegou em TP

que este era um sonho dele, desde o primeiro dia que assumiu a Paróquia Nossa Senhora D’Ajuda em 2.011 e tocou o sino para representar sua posse como pároco. Ele percebeu que os três sinos estavam bonitos, mas precisavam de ser restaurados e o som estava fraquinho. Foi feito um orçamento na época que demonstrou que a restauração ficaria em torno de R$130 mil e a situação financeira da Paróquia na época, fez o Padre desistir.  Dois anos depois outra empresa fez um novo orçamento e com a situação ainda não era boa, o sonho foi adiado novamente. Para a beatificação a vontade de padre Ednaldo voltou a reacender, mas os gastos que tiveram com a cerimônia e toda a estrutura montada o impediu.

O pároco continuou revelando que em outubro do ano passado, perguntou ao bispo da Diocese da Campanha Dom Pedro Cunha, se seria transferido, já que seu tempo terminaria em janeiro. Quando soube que permaneceria em Três Pontas por mais um ano, ligou para uma empresa tradicional na fabricação de sinos, em Piracicaba (SP) e encomendou o sino de 550 quilos.

Na beatificação lançou a Campanha do Sino, comprou o instrumento e está pagando parcelado. Do lado esquerdo do altar, há um painel que demonstra o quanto já foi arrecadado e lá há um cofre onde as doações podem ser feitas. Até agora, a Paróquia consegui quitar as parcelas do valor do sino, sem precisar utilizar recursos do Dízimo. As doações podem ser feitas também diretamente no Escritório Paroquial e ninguém está autorizado a receber dinheiro. Até agora, foram arrecadados 42,57% do valor necessário para a aquisição, transporte e instalação do instrumento. “Mesmo diante de uma crise enorme, os devotos de Padre Victor estão dizendo ao mundo e à sociedade que acredita em Deus. Não é para qualquer comunidade, levantar um sino de 550 quilos e com o nome de alguém que ama. Uma aquisição dessas só é possível quando todos se empenham”, refletiu.

Padre Ednaldo agradeceu o apoio técnico que está recebendo para instalar o Sino Beato Padre Victor. Além de citar os membros do Conselho Administrativo Paroquial (CAP), o pároco registrou as homenagens ao Sávio Estruturas Metálicas e a Costa Estruturas que disponibilizou um guincho de grande porte para conseguir levantar o sino até a torre.

Foi preciso cortar partes da coluna da torre da Matriz para conseguir entrar instalar o instrumento. Pendurado ao sino, a bandeira da Paróquia e um banner de Padre Victor, encheu de emoção os trespontanos e arrancou aplausos calorosos. O procedimento histórico foi rápido, acompanhado e registrado pelos trespontanos através de celulares e máquinas fotográficas.

O responsável pela empresa, Marcelo foi chamado a frente e agradeceu a confiança que recebeu. Há três dias em Três Pontas, ele diz que viu o carinho que os trespontanos tem com a Matriz Nossa Senhora D’Ajuda.

COMPARTILHAR

Comentários