Trabalhadores querem impedir que o governo do presidente Michel Temer (PMDB) tenha sucesso na reforma da previdência

O Sindicato dos Trabalhadores Rurais integra o Ato Público promovido pela Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Minas Gerais (FETAEMG), nesta quarta-feira (15). A mobilização ocorrerá simultaneamente em todas as gerências regionais do INSS do Estado. Trabalhadores de todo Estado, do campo e da cidade, vão unir-se e em uma só voz para dizer “Não à PEC 287”, que propõe o retrocesso com retiradas de direitos da classe trabalhadora.

De Três Pontas, 50 trabalhadores irão para Poços de Caldas. Eles se reúnem a partir das 9:00 horas, na Avenida João Pinheiro onde saem em passeata até a agência do Instituto, utilizando faixas e carros de som.

Segundo o presidente do Sindicato Vicente José da Silva, o dia 15 de fevereiro será o grande dia de luta contra a reforma que rouba os direitos dos trabalhadores rurais. Sendo aprovada, os rurais serão mais uma vez, os mais penalizados, em razão de ser praticamente a única fonte de renda das famílias no meio rural.

Um dos pontos mais cruéis, é que eles terão que atingir idade mínima de 65 anos, além de 25 de contribuição mínima. Hoje, ela – que equivale a um salário mínimo – pode ser requerida ao se completar 60 anos (homens) e 55 (mulheres), bastando a comprovação do trabalho no campo. A aposentadoria por tempo de contribuição é possível a partir de 15 anos de pagamentos, mas a proposta do Governo Federal é passar para 25 anos.

A PEC menospreza que os trabalhadores começam a trabalhar muito cedo, ainda quando adolescentes, enfrentam trabalho penoso em baixo de sol e de chuva.

COMPARTILHAR

Comentários