A cidade ainda vive momentos de atenção por conta da estiagem que castigou o Município de Três Pontas. O ápice foi em outubro, quando os níveis de vazão do Córrego Custodinho e do Sistema Sete Cachoeiras, fizeram a Administração, orientada pelo Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE), iniciar uma grande campanha de conscientização para o uso racional de águas. Para evitar um possível racionamento, o que acontece em diversas localidades do País, um Decreto de Emergência foi baixado pelo prefeito Paulo Luis Rabello (PPS), em novembro, válido por 60 dias.

Nesta segunda-feira (22), a Equipe Positiva teve acesso exclusivo a um relatório feito pela autarquia, onde foi apresentado o consumo de água nos meses de Situação de Emergência. Os dados mostram que a diferença entre o consumo do mês de junho e novembro, foi de 23.776 milhões de litros de água. Isto equivale a uma economia de 1.321 litros de água por ligação, já que o Município possui 18 mil ligações, uma média de 476 litros por habitante por mês, equivalente a 16 litros/habitantes por dia.

Considerando que o consumo normal do Município é de 200 litros de água por habitante por dia, o SAAE verificou que a economia correspondeu a apenas 8%, índice considerado ainda baixo para o período de Estado de Emergência. Mas, a autarquia considera que o Decreto foi fundamental e imprescindível para o momento de estiagem que a cidade atravessou. Apesar das chuvas que caíram nos últimos elas estão abaixo do esperado para o mês de dezembro. Por outro lado, é obvio que a arrecadação do Serviço Autônomo caiu em função da economia feita pela população.

Durante o período de vigência do Estado de Emergência que expira em 03 de janeiro, está proibido, lavar calçadas, veículos, frente de imóveis ou vias públicas, o abastecimento de piscinas ou outras medidas que caracterize desperdício. Quem descumprisse pagaria multa de R$90,53. No dia 11 de dezembro, quando as contas chegaram muitos foram multados e o prefeito reviu o Decreto. O prefeito Paulo Luis, ficou convencido com dados apresentados pelo SAAE que os consumidores que mais ultrapassaram o consumo dos últimos seis meses, são pessoas que tem baixo consumo e são as mais carentes. Por isto, um novo Decreto isentou da multa quem paga o mínimo. Os outros deverão desembolsar a quantia que será paga no fim do mês. Quem já recebeu ou está recebendo as contas deve procurar o escritório do SAAE na Rua Bento de Brito. Das 18 mil ligações de água que existe na cidade, cerca de 3 mil residências é que ultrapassaram a média e 2.5 mil serão beneficiadas com a decisão.

Demonstração dos cálculos do consumo de água de junho a novembro

MÊS                      CONSUMO

Junho                   225.827m³

Julho                    226.415m³

Agosto                 216.454m³

Setembro            222.552m³

Outubro              217.120m³

Novembro          202.051m³

Foi usado como parâmetro o mês de junho por se tratar de um consumo normal e novembro, por estar em pleno período de economia em função do Decreto.

MÊS                     VALOR ARRECADADO

Junho                   R$547.996,45

Julho                    R$502.572,60

Agosto                 R$451.895,57

Setembro            R$425.669,84

Outubro              R$484.416,39

Novembro          R$436.140,72

 

COMPARTILHAR

Comentários