*Cidadão questionou saída de Antônio do Lázaro no Grande Expediente e vereador chamou rapaz de “babaca”

Mais um desabafo do vereador José Geraldo Prado (PSD), o Coelho do Bar provocou discórdia entre situação e oposição na sessão ordinária da Câmara Municipal desta segunda-feira (20). A reunião não teve novamente a presença do vice presidente Benício Baldansi. Por isto, o presidente Luis Carlos da Silva (PPS), promoveu o colega de partido Sérgio Eugênio Silva que aceitou prontamente o convite e disse estar com saudades de uma cadeira na Mesa Diretora.

O vereador Érik dos Reis Roberto (PSDB) comentou sobre o desencontro de informações da Administração. Na sexta-feira (17) da semana passada, o secretário de Educação Paulo Vitor da Silva, justificou em entrevista à TV Alterosa a falta de transporte para alunos da zona rural a ônibus que estariam quebrados, deixados para gestão anterior. Porém, no dia seguinte, em entrevista a Rádio Sentinela, o prefeito Dr. Luiz Roberto Laurindo Dias (PSD), informou aos ouvintes sobre os ônibus destinados pelo deputado federal Diego Andrade (PSD-MG) e acrescentou que a Secretaria estaria com dois ônibus reservas. O ex-secretário questiona quem está contando mentira. “Num dia o secretário fala que a frota estava em estado precário, sendo que em 2016, os ônibus circularam até o dia 16 de dezembro e de lá até o início do ano letivo teve tempo suficiente para consertar. Mas no outro dia, as coisas mudaram …”

Érik criticou a situação das estradas rurais que está sendo alvo de postagens nas redes sociais e a preocupação por Três Pontas ser um município agrícola e os produtores dependerem das estradas para escoar a produção, base da economia.

Coelho do Bar denunciou que quando Dr. Luiz Roberto assumiu a Prefeitura tinha muitas máquinas e veículos quebrados na Secretaria de Transportes e Obras e a cidade estava suja. Na ausência das polêmicas do vereador Antônio Carlos de Lima (PSD), Coelho tem se mostrado homem fiel a base e mesmo depois de demonstrar insatisfação com colegas e com o próprio prefeito, como fez na semana passada, ele criticou duramente a Administração de Paulo Luis Rabello (PPS), o chamou de incompetente e o acusou de não ter se preocupado e feito nada na saúde. Sobre os problemas que está enfrentando, apontou o pouco tempo de gestão. “Se tivesse vergonha na cara nunca mais se candidataria e deixaria as pessoas trabalharem, principalmente pelos mais carentes, pois a população deu a resposta nas urnas”, pronunciou Coelho, concluindo não ter medo da verdade.

Foto postada em uma rede social, mostra fila as 2 horas da madrugada de gente procurando vaga

Com esta mesma frase, o vereador Sérgio Silva abriu seu tempo na Tribuna no Pequeno Expediente. Comentou primeiro, uma foto de uma fila enorme formada as 2 horas da madrugada no Posto de Saúde do bairro Morada Nova, que foi compartilhada em uma rede social.

Para Serjão, o problema é justamente este ter sido a bandeira de campanha do atual prefeito e ter conquistado os eleitores com a promessa de resolver isto. Ele reconhece que não é fácil resolver isto porém, a foto mostra pessoas deitadas de madrugada no relento esperando por vagas.

Trabalhando agora na Secretaria de Saúde, Sérgio tem visto o prédio completamente lotado o dia todo e muitas vezes, mesmo com o fim do expediente e portas fechadas, muitas pessoas continuam sendo atendidas lá dentro até as 18 horas. O vereador disse que está com dó de quem está trabalhando, já que funcionários antigos e com experiência foram substituídos com a nova gestão.

Fiel escudeiro do ex-prefeito no mandato passado, Serjão revelou que está assustado com a quantidade de gente que está na Prefeitura. O que mais o chama a atenção é que todas as pessoas, sem exceção, que passaram os últimos quatro anos “batendo” nas redes sociais, estão fazendo parte do governo. Cargos que foram criados, criticados pela oposição da época e não foram ocupados, todos estão com servidores contratados. Entre estes está um assessor de Antônio do Lázaro, que atua no Quilombo Nossa Senhora do Rosário.

Já no Grande Expediente, após a votação rápida de três Projetos de Leis e um Projeto de Resolução que concede o Título de Cidadania Honorária Trespontana à Professora e Musicista Nelly Fátima de Castro Miranda Brito, os assuntos polêmicos voltaram a tona e houve até bate boca entre vereador e um cidadão que acompanhava a sessão.

Érik voltou a se defender. Lembrou que para a manutenção dos ônibus escolares havia licitação vigente e o conserto poderia ter sido feito. De maneira em geral, defendeu que foram adquiridos mais de 60 veículos pelo ex-prefeito Paulo Luis, que continuam servindo a população. Porém, quando assumiu em 2013, teve caminhão de lixo emprestado que teve que ser devolvido por causa do resultado da Eleição.

Falando estar cansado de ter que sempre “bater na mesma tecla” e ficar discutindo com quem não tem número, não sabe o que aconteceu no passado e como a ex administração pegou a Prefeitura. Apontando falhas recentes, Érik dos Reis condenou a perseguição que vereadores da oposição tem enfrentado. Da casa dele por exemplo, o fornecimento de água foi cortado com as contas em dia. Ao ir até o SAAE foi informado por um funcionário que teria sido engano, porém, o mesmo fato já teria acontecido entre 2009 e 2012. Como forma de retaliação, Sérgio foi teve que retornar para seu cargo de origem e esqueceram de colocar o nome do vereador Roberto Donizetti Cardoso (PP), que também é servidor público na Secretaria de Obras, em uma listagem daqueles que tem filhos fazendo faculdade. O que o entristece é que na Tribuna se prega união, mas a realidade é bem diferente.

Mas, as dificuldades não seriam apenas com estes vereadores. A Administração, revelou Érik, esqueceu em Varginha há poucos dias um paciente que faz tratamento oncológico. Pessoas que se disponibilizaram a doar sangue não tiveram como ir porque a Prefeitura combinou mas não mandou veículo. Enquanto isto, continua listando Érik, “tem veículos para levar pessoas em casamentos, jogo de futebol, Folia de Reis em cidades vizinhas, mas para as crianças que estudam não tem”, diz.

Enquanto Érik falava no Grande Expediente, surgiu uma discussão paralela, no Plenário, entre um cidadão que assistia a sessão e Antônio do Lázaro. É que o rapaz viu o vereador indo embora antes da reunião terminar e o questionou. Antônio não gostou, falou que não era obrigado a permanecer lá. Érik foi interrompido e teve que parar. Ao sair, já na escadaria da Câmara, Antônio disse que não tem satisfação para dar, porque não teria ido pedir votos na casa deste eleitor e ainda o chamou de “babaca”.

Público acompanha a sessão da Câmara atento as discussões entre oposição e situação

Regimento não obriga vereador a ficar no Grande Expediente

O Regimento Interno da Câmara não obriga o vereador a permanecer durante toda a sessão. Após a votação dos projetos, ou seja, de cumprida a pauta, o vereador que não tiver inscrito para falar no Grande Expediente pode ir embora. Porém, quem se inscrever tem que esperar o presidente encerrar a sessão.

Câmara fecha sexta e só reabre na quinta-feira

O presidente da Câmara Luis Carlos da Silva baixou uma Portaria sobre o funcionamento do Poder Legislativo na próxima semana, por causa do Carnaval. A Câmara fecha nesta sexta-feira (24) e só reabre na quinta-feira, dia 02 de março. Está marcada para este dia, a 9ª sessão ordinária para o mesmo horário, as 18:30.

COMPARTILHAR

Comentários