A sessão da Câmara Municipal desta segunda-feira (30), foi bastante tumultuada, teve bate boca e de novo muita troca de acusações. Os vereadores remexeram no passado, reviraram o baú das administrações anteriores e trocaram farpas, continuando com os velhos discursos. Já é a quinta reunião ordinária e desde a primeira, os representantes do povo não esquecem do passado e pouco falaram do futuro.

A sessão foi novamente comandada pelo vice presidente Benício Baldansi (PSL). Ele mais uma vez substituiu Luis Carlos da Silva (PPS), que está afastado por problemas de saúde. O vereador Francisco Fabiano Diniz “Popó” (PSL) ocupou a cadeira de vice presidente. Com mais um “pacotão” de projetos inseridos na pauta, Baldansi enfrentou dificuldades novamente, provocadas pelas mudanças que vão ocorrendo por causa dos pedidos feitos pelos próprios vereadores. Foi um entrar e sai de projetos que estava difícil de acompanhar.

O vereador Geraldo Prado – “Coelho” (PSD), não escondeu sua insatisfação com a reportagem da Equipe Positiva em que registrou as falhas de Baldansi na semana passada. Ele alegou que o presidente “ad hoc” precisou ocupar a cadeira maior do Poder Legislativo de última hora, mas que mesmo assim se saiu bem. Na opinião dele, a crítica foi uma falta de respeito, avaliou Coelho.

Coelho saiu em defesa também do deputado federal Diego Andrade (PSD/MG). Na Tribuna, ele disse que estava com um documento que comprova que em 2014 e 2015, a Santa Casa de Misericórdia do Hospital São Francisco de Assis de Três Pontas, perdeu recursos oriundos do parlamentar por causa da falta da Certidão Negativa de Débito (CND). Coelho disse que representa o povo e o prefeito Dr. Luiz Roberto Laurindo Dias (PSD), não aceita mentira e não tem medo da verdade.

Sérgio Eugênio Silva (PPS) respondeu a Coelho que tem outros documentos que demonstram o contrário. Sobre a garantia de verbas de deputados, segundo Serjão, é fácil apontar a incompetência dos outros, porém, é preciso dizer que o processo nem sempre é concluído pelo representante do Legislativo federal, mas divulgado de outra forma.

Provocado por Coelho, o líder da oposição, Érik dos Reis Roberto (PSDB), voltou a falar da Santa Casa. Afirmou que lá fizeram lavagem de dinheiro, devolvendo uma verba grande que chegou para sanar um rombo de uma obra no Parque Multi Uso da Mina do Padre Victor. O caso teria estampado diversas páginas de uma revista importante do país e está sendo investigado. Ele mostrou um jornal produzido pelo deputado Diego Andrade distribuído na campanha, em que há uma série de informações em que o parlamentar teria conseguido recursos para obras, entre elas construção de Centros Municipais de Educação (CMEI’s), porém, Érik disse que na época Diego nem fazia parte do Congresso Nacional e o dinheiro seria da própria Prefeitura. A “mentira”, diz o legislador, pode ser confirmada no site da Câmara dos Deputados onde as pessoas podem conferir tudo que foi destinado ao Município e nada de Diego foi concretizado. Abriu parenteses para falar que em junho de 2012, houve sim a indicação de R$500 mil para a construção da sede do Conservatório Municipal, mas como perderam a Eleição não houve empenho. Outro exemplo é que uma semana antes da Eleição em 2012, usaram uma emissora de rádio para anunciar que haviam conseguido R$8 milhões para asfaltar de Três Pontas a Pontalete. Nada disso também aconteceu porque o resultado das urnas foi desfavorável. “Há documentos de sobra para comprovar o que eu estou dizendo”.

Concluiu informando que ao verificar os dados é possível conhecer que os governos que mais angariaram recursos de outras esferas foram nas duas gestões do ex-prefeito Paulo Luis Rabello (PPS), entre 2005/2008 e 2013/2016.

O líder do prefeito na Câmara, Antônio Carlos de Lima (PSD), rebateu imediatamente dizendo que é bonito ficar ouvindo lições de pessoas querendo ensinar. Mas afirmou que também tinha as notas de empenhos destinados ao Hospital de R$716 mil e R$300 mil, respectivamente que a Santa Casa não recebeu por falta da Certidão Negativa de Débito (CND). Ela não está válida desde novembro de 2014, “época em que quem governava a Prefeitura são as pessoas que dão aulas para o povo”. Mexendo ainda mais no fundo do baú, Antônio do Lázaro, ainda se recordou dos R$15 milhões perdidos para a construção da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE). Na avaliação dele, o resultado foi a “coça” nas urnas, a diferença de 8.150 votos. A diferença dos governos, é de acordo com o líder da situação, o tratamento aos servidores do SAAE e da Prefeitura, que são reconhecidos como seres humanos e não como cachorros.

A vereadora Marlene Lima (PDT) parabenizou a Paróquia Nossa Senhora D’Ajuda, pela Festa do Mártir São Sebastião e a reforma da Igreja no Distrito do Pontalete. Ela também mencionou a ligação da luz na Praça Dona Cinoca e o evento realizado pela Secretaria de Cultura, Lazer e Turismo no último domingo (30). Ela apenas ficou triste com a quantidade de acidentes que foram registrados no trajeto.

O secretário da Mesa Diretora Maycon Douglas Machado (PDT), fez um repúdio ao ato praticado contra a agência da Caixa Econômica Federal (CEF), que colocou em risco a população. Para ele, é preciso que todas as esferas invistam mais em educação e segurança.  Ele também mencionou o evento do Pontalete e a missa celebrada por padre Ednaldo Barbosa. Concluiu parabenizando os sites Equipe Positiva e Conexão Três Pontas pela cobertura dos fatos da cidade.

COMPARTILHAR

Comentários