Vitor, Chico e Paulinho não foram reeleitos e Alessandra não disputou a Eleição de 2016

*Sessão foi marcada por mensagens de agradecimentos daqueles que não foram reeleitos

A última sessão ordinária da Câmara Municipal de Três Pontas foi realizada na noite desta segunda-feira (19), que por causa da pauta carregada iniciou meia hora antes do horário previsto. A secretária da Mesa Diretora vereadora Valéria Evangelista Oliveira (PPS) que está se recuperando de um procedimento cirúrgico e Itamar Antônio Diniz (PSD) não participaram da reunião. Edson Vitor Nascimento (PSD) ocupou a Mesa.

O tom do começo ao fim foi de despedida. Aqueles que não conseguiram se reelegerem fizeram um tipo de prestação de contas do mandato. Já os que ganharam uma nova oportunidade de mais um mandato reafirmaram o compromisso de cumprir fielmente o papel de legislador. Antes de votarem o Orçamento do Município para 2017, no Pequeno Expediente o microfone da Tribuna foi ocupado pela última vez.

O vereador Edson Vitor “Piu” que já havia falado sobre o primeiro mandato que cumpriu, elogiou a postura dos vereadores e dos funcionários, principalmente o modo de vestir dos colegas nas reuniões e os uniformes dos servidores. Piu falou de um a um e em especial das duas vereadoras Alessandra Vitar Sudério Penha (PPS) e Valéria Evangelista.

Vitor Bárbara (PDT) disse que trabalhou muito e estava encerrando o mandato com a consciência do dever cumprido. Durante os quatro anos, apresentou requerimentos e votou projetos de lei com cautela porque eles mexem diretamente na vida das pessoas, por isto, sempre pautou pela ética e coerência. Ao concluir no Grande Expediente, descreveu que espera que o próximo prefeito e vereadores sejam bem melhores e começou a falar dos desafios que estes irão enfrentar a partir de janeiro. Mesmo diante da crise nacional, pelo que tem ouvido pelo menos duas empresas devem se instalar em Três Pontas a cada ano. Vitor Bárbara alertou que é preciso trabalhar com os pés no chão e não esperar milagres.

O vereador Francisco Botrel Azarias (PT), entende que é privilegiado. Nasceu em Boa Esperança, foi criado em Ilicínea, mas se mudou para Três Pontas onde constituiu sua família, se tornou um líder comunitário e depois foi eleito vereador. Ao terminar seu segundo mandato, Botrel se sente lisonjeado e agradeceu aos eleitores a quantidade de votos que teve, mesmo não sendo reeleito.

Paulo Vitor da Silva (PSL) agradeceu a todos que proporcionaram dele cumprir seu quarto mandato, em especial as pessoas mais humildes, a quem mais defendeu. Nestes 16 anos de legislatura que termina na próxima semana, deixa o cargo com a certeza do dever cumprido, sai porque perdeu, mas alfinetou de novo, reafirmando que esta foi a pior legislatura, não pelo trabalho de cada um, mas a que mais sangrou o bolso do contribuinte, com a criação de tributos e taxas. Paulinho agradeceu os colegas, falou também o nome de quase todos deixando de lado, quem mais enfrentou e trocou acusações neste mandato, o vereador Sérgio Eugênio Silva (PPS).

Alessandra Vitar Sudério Penha (PPS), avalia que o mandato foi muito bom, que é grata a Deus pela oportunidade que lhe foi dada de representar a população. Apesar das desavenças que foram resolvidas, Alessandra que cumpre seu segundo mandato, disse que fez muitos amigos e chorou ao citar dois deles, o Assessor de Imprensa Francisco Cândido e a servidora Rosa Chagas. Alessandra não se candidatou e disse que agora segue outros caminhos, mas que a amizade permanece.

Outra amiga que ela fez foi Valéria Evangelista. Como ela não pode participar, o presidente Luis Carlos da Silva (PPS), permitiu que Alessandra lesse uma mensagem que ela deixou. “É uma emoção ter passado por esta Casa Legislativa e eu agradeço a Deus, meus companheiros de Câmara e partido, ao povo querido desta cidade, à família que segurou muito durante minhas ausências em casa no cumprimento do dever parlamentar. Procurei plantar o melhor, enquanto estive atuando. Ainda que eu tenha cultivado a humildade de reconhecer que fiz menos do que eu poderia e muito menos do que eu desejei fazer, aqui não só plantei, mas colhi. Pelo que fiz, ainda que pouco na minha imensidão, na imensidão da minha vontade de fazer. Não há razão para tristeza quando o coração tem a sensação do dever cumprido”, falou a Valerinha na mensagem se despedindo com um até breve.

Para o vice presidente Geraldo Messias Cabral (PDT), na escola da vida, ele teve o privilégio de passar pela Câmara. Ele agradeceu um a um e parabenizou o Poder Executivo pelo trabalho.

O líder do prefeito na Câmara Sérgio Silva falou primeiro da amizade com a vereadora e colega de partido Alessandra Sudério, com quem comungou muito durante os últimos 8 anos. Desejou sucesso aos novos companheiros que vão chegar e dividiu com a bancada a luta de ter uma Três Pontas melhor.

Quem mudou todo o tom de despedida foi Antônio Carlos de Lima (PSD), que fez o último e um novo desabafo. Lembrou que usou muitas vezes palavras duras na Tribuna durante os quatro anos para cumprir o seu papel, pois entende que é para isto que é pago, pois nunca mandou recado, sempre foi franco e usa da verdade. Falando claramente que estaria mandando um recado ao prefeito Paulo Luis Rabello (PPS), informou que a sua esposa Maria Aparecida de Jesus Rosa Lima estaria amanhã no seu último dia de trabalho antes das férias e que a partir de janeiro ela vai voltar, ao contrário do atual prefeito, que teve a resposta da população nas urnas no dia 02 de outubro. “Ele deveria saber que tudo que planta nesta vida colhe. A resposta para tanta perseguição como ele fez com minha esposa, o João Peret, foi dada. Ele administra para alguns, para seu ego, com ignorância e se esquece que acima de todos existe um Deus”, defendeu Antônio do Lázaro.

O vereador Francisco de Paula Vitor Cougo (PT), agradeceu os votos que teve, aos colegas de vereança em especial a Geraldo Messias quem conhecia a vários anos e eles voltaram a conviver juntos na Câmara. O petista também acrescentou que sai de cabeça erguida sem ter raiva de ninguém.

O presidente Luis Carlos se despediu daqueles que vão voltar em janeiro, agradeceu pela convivência e disse que precisou ter pulso firme para conduzir a Casa em ano de pleito eleitoral.

destaque-internoDenúncia de desvio de dinheiro de obra está na Ata

O vereador Sérgio Silva fez questão de saber se na Ata da sessão anterior contém o trecho em que ele falou na Tribuna que no mandato anterior haviam desviado dinheiro da obra do Pontalete para obras eleitoreiras. O presidente Luisinho acabou tendo que ler um trecho para mostrar que como ele havia pedido está no documento. Serjão pediu ao Poder Executivo a ordem de serviço das ruas asfaltadas no segundo semestre de 2012, principalmente na véspera daquela Eleição, o processo licitatório para a cobertura feita para os taxistas na Rodoviária e o boletim de medição da obra do Distrito do Pontalete. Segundo ele, a empresa teria recebido sem concluir a etapa devida do serviço.

O vereador Chico Botrel comentou um evento realizado no bairro Santa Edwirges por uma moradora. A Festa da Boa Vizinhança na Rua Alagoas, reuniu cerca de 300 pessoas. Organizada por Adriana Oliveira, a comemoração era uma festa para as crianças e ela mesma quem conseguiu a Banda Cabruxos e o grupo de dança Só Negão, arrecadou tudo para proporcionar uma tarde animada e agradável.  “Foi uma coisa simples que se tornou um diferencial no domingo de muita gente que participou. Que isto sirva de exemplo em toda a cidade”, espera Botrel.

Sobre o 12º Arrastão do Natal Sem Fome realizado na semana passada pela Associação dos Moradores dos bairros Santa Edwirges e Santa Margarida, ele informou que foram arrecadados 2,2 toneladas de alimentos, que serão entregues nos próximos dias à Assistência Vicentina e ao Hospital São Francisco de Assis.

COMPARTILHAR

Comentários