“DE TUDO NA VIDA FICAM TRÊS COISAS: A CERTEZA DE QUE ESTAMOS SEMPRE COMEÇANDO, DE QUE É PRECISO CONTINUAR, E A CERTEZA DE QUE PODEMOS SER INTERROMPIDOS ANTES DE TERMINAR. SABER ADMINISTRAR, QUANDO A GENTE APRENDE A FAZER DE UMA INTERRUPÇÃO UM CAMINHO NOVO, A FAZER DE UMA EVENTUAL QUEDA UM PASSO DE DANÇA, A FAZER DE NOSSOS MEDOS UMA ESCADA, DOS NOSSOS SONHOS UMA PONTE E DA PROCURA UM ENCONTRO.”

Essas são palavras de um grande escritor brasileiro, Fernando Sabino, escritas há 50 e poucos anos, e eu escolhi essas palavras para começar a escrever esse artigo porque a adolescência tem muito haver com essas questões, principalmente a fazer de nossos medos uma escada, dos nossos sonhos uma ponte e da procura um encontro.
O que é a adolescência? Quando começa a adolescência? Com onze, doze, treze anos…

E quando ela termina? Antes diziam que era com dezoito, dezenove. Bom, ¼ das nossas calorias diárias são consumidas por um cara de 1,5kg que mora dentro da nossa cabeça chamado cérebro. É por isso que na TPM a mulher tem atenuantes a cometer crimes pois, como na TPM várias partes do corpo incham, o cérebro também incha, só que a calota craniana não incha. Então imagina como seria conseguir pensar com algo que incha em cima de outro que não incha? É por isso que se a mulher cometer algum crime na TPM, ela tem atenuantes. Não estou dizendo que é para fazer, mas tem…

E tem uma parte do cérebro que se chama córtex óbito frontal, nome chique para testa. É nessa área que quando você esquece algo, você fala: uh, não podia ter esquecido, ou então, quando estamos em dilemas, massageamos a testa e pensamos: faço ou não faço? E tem pai, tem mãe, que quando você está “nos seus dilemas”, fala: filho, você precisa estudar…

E não tem nada mais ofensivo que dizer para seu filho estudar na adolescência. Ah não, tem sim… quando você fala: você é um aborrescente. Poxa vida, é como se ele falasse: e você é uma velha gagá. Isso acontece, porque as pessoas têm o péssimo hábito de comparar a adolescência com outras fases da vida. Criança é criança, adulto é adulto, idoso é idoso e adolescente é adolescente. Não tem o quê comparar. O adolescente vive em conflitos, principalmente com situações relacionadas à sucesso, muita impulsividade, tédio com a vida, mudança súbita de humor, falta de identidade e distorção corporal (mais em meninas).

Na adolescência, perdemos um terço dos receptores de dopamina, que é o neurotransmissor da felicidade. Ou seja, na adolescência, o mundo fica um terço mais chato. Por isso, que se você quer falar rápido com o filho, FALE RÁPIDO, UM POUCO E DE UMA VEZ. Porque depois da terceira vez, quando você está no terceiro sermão, o seu filho só está ouvindo o seguinte: NADA.

É muito bom ser adolescente. Mas a hora da responsabilidade chega. Você pode não querer enxergar, mas o momento de pegar a vida nas mãos, chega! Existe o prazer, a brincadeira, a alegria e existe também o dever, os compromissos e a responsabilidade. Quando uma pessoa exagera em uma dessas áreas, ela invariavelmente vai ter problema no futuro, pois a pessoa que só brinca e só se diverte, construiu o que para si? Quando ela tiver lá, 22, 23, 24 anos na faculdade ou até mesmo já entrando no mercado de trabalho, o que ela vai ter construído? Que tipo de bagagem? Que tipo de conhecimento? Que tipo de ferramenta essa pessoa vai ter para construir sua cidadania, autonomia? A questão é: o que eu tenho para fazer para poder fazer o que eu quero fazer? A adolescência é justamente ter um pé na vida infantil, e um pé na vida adulta. O que é muito difícil controlar.

Essas são palavras de uma paciente adolescente que autorizou publicar:
“A vida não se resume a sexo, droga e rock n’rol. Na verdade, nem todos adolescentes pensam igual. Às vezes os sentimentos são confusos mesmo. Sinto tristeza e alegria ao mesmo tempo, e meu maior medo é de ser abandonada. E na verdade, todas as pessoas têm receio do que vê diante do espelho. Os adultos enxergam aquilo que eles querem ver. Eles estão mais perto da morte do que nós e não tem esperança como os adolescentes. O adolescente é um pouco revoltado porque eles não têm chance de mostrar o que podem fazer para melhorar o mundo. Somos programados para cair. A vida é muito curta para se apegar às pessoas. A vida por si própria já te fode então não se apegue a ninguém. Acredito que devemos aprender com as decepções e ficar ligado em tudo que acontece. Ter a família e os sonhos em primeiro lugar. Sei que um futuro é ser adulta infelizmente, porque uma pessoa adulta é alguém que não abre a cabeça para escutar os adolescentes sendo que os adolescentes podem ajudar a mudar o mundo.”

Quando a gente é feliz, nossa imunidade aumenta, e conseguimos perceber que tem valor, que ela tem um significado. Têm pessoas que medem sua vida por medalhas, que medem a vida pela conta bancária, e no fim da vida, você lembrará da vida que você levou, das pessoas que você marcou.

Para mim, uma vida rica, é medida pelo número de pessoas que ganham a vida delas em torno do que você contribuiu. O que eu quero que vocês levem desse artigo, principalmente os adolescentes e pais, é ter a certeza de que a vida tem um sentido. Às vezes bate uma angustia, bate… porque não ter certezas dá medo, mas talvez podemos olhar para dentro e dizer: eu me amo, eu posso e eu quero. Principalmente porque estão vivos, e enquanto estamos vivos, temos o direito de sonhar. Cada um de nós é do tamanho dos nossos sonhos, a fita métrica está dentro de cada um, só cada um sabe avaliar o tamanho do sonho e a relevância desse sonho para si próprio. O mundo é movido a sonhos. O realizador de sonhos é aquele que inventa seu futuro, não fica preso ao passado e nem nas armadilhas do presente. É isso que os adolescentes talvez tentem vivenciar e não conseguem.

Muito obrigada.
Com muito carinho,

Mariana
Especialista em Terapia Cognitiva FMUSP
Especialista em Psicologia do Esporte – Unb
E-mail: [email protected]
Facebook: https://www.facebook.com/mariana.axabreu
Instagram: mariximenesribeiro

COMPARTILHAR

Comentários