No início do século XVI, Nicolau Maquiavel já nos presenteava com seus pensamentos, dizeres, deduções e raciocínios um tanto quanto chocantes e que nos fez e faz entrar em algumas controvérsias, no entanto, sempre com um único propósito: governar era tanto arte como ciência.

Diante de todos seus pensamentos e genialidades, aprendemos que qualquer pessoa que ajudasse um “príncipe” a estabelecer, organizar, tornar-se firme e estável diante de um poder e de uma força deveria ser dispensada para que “não considerassem o novo príncipe devedor dele”. Por isso Maquiavel afirmava que “se deve cuidar dos homens ou esmagá-los, pois se os danos são leves, eles sempre podem se vingar, mas não o poderão se forem pesados”.

Acredito que ser um pouco “maquiavélica” é benéfico, pois quando Maquiavel diz cuidar “dos homens” não precisa ser necessariamente dos homens. Poderíamos trocar pela palavra VIDA, ou seja, se deve cuidar da vida ou esmagá-la, pois se os danos são leves, a vida pode vingar-se, mas não o poderá se forem pesados. Trazendo o pensamento maquiavélico para o âmbito da Psicologia, se você demonstrar estrutura cognitiva e emocional diante de fatos pesados você estará sempre pronto a enfrentá-los. Quanto mais consciente das situações, mais fácil será atingir alguns padrões.

Nicolau Maquiavel
Nicolau Maquiavel

Na verdade, interessante seria compreender algumas reflexões que dizem que: não é necessário dizer tudo que temos vontade. As pessoas não precisam saber exatamente o quê pensamos. Aliás, sempre diga menos que o necessário, pois quando o outro fala a probabilidade de você conhecê-lo é bem maior.
Não esqueça que seu nome é tudo que você tem na vida e faça tudo que puder para defendê-lo. Dinheiro não compra tudo. Dinheiro não compra nomes.

Desenvolva ideias diferentes das outras pessoas. O senso comum é comum ao extremo, e saiba que é completamente inútil queixar-se da vida. Enxergue o que está acontecendo e faça algo a respeito.

Lembre-se que as palavras “custam um tostão a dúzias”, melhor calarem-se e agir conforme desejam. Sugiro que entenda de uma vez por todas que o mundo não gira em torno de você e nem todas as pessoas gostarão de você, mesmo que suas atitudes sejam de príncipes e/ou princesas. Na verdade, admire as pessoas que não gostam de você, na maioria das vezes elas dizem coisas interessantes a seu respeito.

Tente não se isolar do mundo, pois quem não aparece não é lembrado. E também não despreze as pessoas, um dia elas poderão ser úteis. Nunca esqueça que Madre Teresa de Calcutá, Jesus Cristo e Chico Xavier não existem mais e não existirá. Acreditem, não temos energia suficiente para agir como eles agiam. Tentem ser outras pessoas.
Interessante é que as pessoas que demonstram ser fortes, na verdade são inseguras e carentes. E as pessoas que demonstram fraqueza, são relativamente fortes. Tente se adaptar ao jeito de todos os seres humanos, mas sempre mantendo quem você é.

Trate as pessoas com luvas de pelica, pois o resultado é bem melhor do que agressividade. Trate com carinho as pessoas que te amam. Amor e carinho devem ser retribuídos com amor e carinho. Nunca demonstre ser muito bom, pois será o alvo pelo lado negativo ou positivo. Melhor demonstrar ser “normal” do que um ser humano extraordinário, mesmo que você seja extraordinário.

Sempre que estiver com dúvidas, não faça nada. Melhor agir com certeza do que com insegurança e também não tente impor regras a ninguém. As pessoas não devem pensar como você e nem agir como você agiria. Impondo regras você se torna cada vez mais rígido e a vida cada vez mais maleável.

Cuidado com o medo e a raiva. O medo faz você paralisar e não concluir o que planeja e a raiva faz você agir como uma pessoa que em sã consciência jamais agiria.

Amor é toda relação em que há crescimento mútuo, qualquer coisa diferente disso não é amor. Pessoas maduras percebem a imaturidade logo no início de qualquer relacionamento. A probabilidade do imaturo não acompanhar a pessoa que tenha muita maturidade é grande. Cresça ou desista.

Existe uma única pessoa na vida que temos OBRIGAÇÃO de sermos sinceros: nós mesmos. Temos hábitos e escolhas. O segredo é sempre escolher os melhores.

O prazer e a dor sempre tiveram algo em comum, da mesma maneira o trivial e o importante. Viver é selecionar. Guarde as chaves das portas com muita autonomia, assim será seu progresso para a civilização.

A distância entre a sinceridade e o coração bondoso está muito distante. As pessoas nem sabem o que significa essa distância, não sabem o que significa ser verdadeiro e muito menos o que significa bondade porque estão tão comprometidas nos erros automáticos do coração bondoso que apenas elas não percebem isso.

Pais e mães superprotetores criam filhos/filhas inseguros e egocêntricos. Posteriormente eles irão procurar mulheres que façam o mesmo e homens que façam o mesmo, e a probabilidade do relacionamento não progredir é imensa. Limite é algo que deve sempre existir. Se os pais sempre dizem SIM, a vida uma hora irá dizer NÃO, e eles não saberão como lidar com isso.

O volume de informações com que o ser humano precisa lidar aumentou muito. Tanto as informações mais arcaicas quanto as informações mais evoluídas parecem estar jogadas no mundo como lixo, pois alguns seres humanos insistem em não identificá-las.

Lembrem-se sempre que o respeito à TODAS as singularidades é o melhor caminho para qualquer situação. O desrespeito é imaturo, é antissocial e uma arma poderosa e tipo “bumerangue.”

Todas essas opiniões vieram em razão de situações cotidianas do consultório. Achei importante colocá-las em pauta para que Março seja repensado e vivido de uma outra maneira.

Com muito carinho,

Mari

COMPARTILHAR
Mariana Azevedo Ximenes é psicóloga e atua na Psicologia Cognitiva e Psicologia do Esporte. Tem três livros publicados, diversos artigos e várias palestras ministradas. Fumec/USP/Unb

Comentários