Este será meu último artigo no âmbito da Psicologia para a Equipe Positiva, onde falarei sobre transição de carreira e medos.

Bom, todos nós sabemos que fazer o quê amamos é um dos maiores privilégios que temos. Caso você esteja indeciso(a) quanto aos seus projetos de vida, acredito que seria interessante ler o artigo pois foi escrito estritamente com o objetivo de ajudar as pessoas que passam e passarão pela mesma situação em algum momento da vida.

O medo é natural. Medo de mudar, medo de dar o primeiro passo, medo do arrependimento… são muitos os medos que nos acompanham. Eu também me incluo neles, obviamente. Todavia, existem três sugestões interessantes que pode ajudar nesses momentos de transição. A primeira delas não fui eu que inventei, ela é literalmente bíblica, e diz o seguinte: “a verdade liberta. ”

Curiosamente, sempre algum paciente queria muito emagrecer, mas sempre com algumas falas sabotadoras acompanhando seus comportamentos: “é difícil emagrecer, é difícil mudar…” e eu sempre dizia: e continuar obeso? Às vezes colocamos na balança as mudanças futuras pensando em todos os custos possíveis, mas se pararmos para pensar, temos que olhar com toda intensidade e análise o preço que pagamos pela infelicidade.

Temos um estudo em uma área da Psicologia que se chama Psiconeuroimunologia que diz o seguinte: quando estamos felizes nossa imunidade aumenta e quando estamos infelizes temos menos células que são responsáveis pela imunidade, ou seja, a infelicidade custa muito caro, ela nos faz adoecer. Temos que encarar as situações! Isso é fato. O comodismo nos adoece fisicamente e mentalmente, principalmente quando mantemos um comodismo em prol do outro. Dará trabalho atravessar o deserto? Sim, dará! Mas, e permanecer lá? Qual o preço que você irá pagar? Sinto falta de atitude nas pessoas.

Ler e conversar com pessoas inspiradoras também é um grande desafio. Pelo menos para mim sempre foi inspirador e positivo. Procurar pessoas que fizeram a diferença e fazem a diferença é uma maneira de enfrentar o medo da transição. Entender que a pessoa lutadora e vencedora não vive na linha do “ego” é algo mágico. Na verdade, ela chega no sucesso quando o servir está acima do SE SERVIR. Cada de um nós temos uma natureza que nos pede para florescer em alguma coisa. É importante você prestar atenção e responder para você mesmo: qual é minha natureza? É psicologia? É medicina?

Profissão no meu entender, nada mais é do que construir a divindade no mundo. Os adolescentes ainda não têm a formação completa para decidirem tudo isso. Uma dica seria basear-se no autoconhecimento, aprender sobre várias oportunidades que têm no mundo e ter firmeza de caráter e propósito para justamente servir a sociedade e não se servir dela. Se você não brilhar a alma com o que você passará a maior parte do tempo fazendo, definitivamente você não terá sucesso.

Tive sucesso na psicologia porque sempre tive um caso de amor com ela e continuarei tendo. A Psicologia será minha base para a medicina. Pessoas que têm sucesso duradouro trabalham duro e têm disciplina, têm um otimismo realista, têm coragem e fazem o melhor dentro do que podem. Eu cresci em um mundo onde o bem comum é o que importa, servir a sociedade é o que importa e, que também, o “todo” é importante pois dessas atitudes colherei os frutos.

Com o tempo a vida ganha sentido e escapamos do caos. Tudo começa a caminhar quando sentimos a vida e sentimos o desejo de servir a vida. Tudo fica iluminado quando encaramos as situações de frente com coragem, pois lá na frente tudo será cobrado. Infelizmente ou felizmente é que o tempo passa. O tempo não é nosso. Assim entendemos que não são ideias que transformam a nossa existência e sim as atitudes. É assim que me despeço com muito orgulho, com muito amor, com muito carinho e com muita “vida” da psicologia tendo a certeza que serei uma Psicóloga – Médica com o mesmo carinho e dedicação que tive a vida inteira pela Psicologia.

Com muito carinho,

Mariana

COMPARTILHAR

Comentários