* Já são 100 casos confirmados de Dengue em Três Pontas e 700 suspeitos 

A Secretaria de Saúde, através das Vigilâncias Epidemiológica e Ambiental, juntamente com a Secretaria de Transportes e Obras da Prefeitura de Três Pontas, continuam usando a autorização judicial expedida pela justiça, para limpar imóveis e terrenos que são alvos antigos de reclamações e com focos do mosquito transmissor da Dengue.

O trabalho conta com a participação dos reeducandos do Presídio de Três Pontas e tem sempre a frente o fiscal de posturas do Município, Leandro Vilela da Silva “Mussum” e o médico veterinário Marcelo de Figueiredo Gomes.

O pontapé inicial foi dado na quinta-feira (09), no bairro Santa Edwirges, onde a casa do senhor Donizeti Miranda. De lá foram retirados muita sucata, recipientes de plásticos, lonas, latas, garrafas, tambores, eletrodomésticos, ferragens, diversas peças de veículos e muitos pneus. Larvas do mosquito Aedes Aegypti estavam por todos os lados, inclusive na água do cachorro. O serviço resultou em seis caminhões carregados de muita sujeira e só terminou na manhã de sexta-feira (10). Imediatamente a força tarefa foi montada com a mesma finalidade na Rua São Paulo no bairro Santa Inês. Uma casa e um terreno estavam cheios de recicláveis, ferragens, esterco, muitas galinhas e cães causando mau cheiro. Neste caso, o morador foi logo concordando e até ajudou na limpeza. Uma máquina também foi usada.

A cidade de Três Pontas vive uma epidemia de Dengue. Já são 700 casos notificados (suspeitos) e 100 confirmados.

Imóvel e terreno na Rua São Paulo no Santa Inês também eram usados para guardar muito entulho e materiais que acumulam água
Imóvel e terreno na Rua São Paulo no Santa Inês também eram usados para guardar muito entulho e materiais que acumulam água

Decisão

A Secretaria de Saúde recebeu autorização para que agentes de saúde possam entrar à força em residências, mesmo se algum morador recusar a receber os fiscais de saúde. A autorização tem validade de quatro meses. Residências, estabelecimentos comerciais, imóveis desabitados, fechados, abandonados ou com acesso não permitido pelos moradores, podem ser fiscalizados e limpos a força, para fazer uma fiscalização e combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor da Dengue.

Isto reforça, segundo o prefeito Paulo Luis o trabalho que as equipes da Prefeitura vem fazendo no combate a doença, porém, reforça continuamente a colaboração da população no trabalho de prevenção. “As pessoas estão aplaudindo esta medida, que era alvo de reclamação há muitos anos, porém, sem este instrumento legal que existe hoje, o poder público acabou ficando ação.

COMPARTILHAR

Comentários